Minor quer mais hotéis em Portugal, Brasil, Moçambique e até expandir para Angola

22-06-2016 (16h05)

“A marca Tivoli é uma das mais antigas que existe. Tem 85 anos. E essa é uma das razões pelas quais comprámos a Tivoli, porque a marca é muito forte”, comentou ontem o CEO da Minor Hotels acerca da estratégia do grupo a partir dessa aquisição, ao garantir que tenciona manter a Tivoli como uma das marcas do grupo.

“Essa é a razão pela qual comprámos o grupo”, chegou a afirmar Dillip Rajakarier, que garantiu querer mais hotéis com essa marca, e não apenas em Portugal.

 

— Que planos tem o grupo para o Brasil?

Dillip Rajakarier: Temos dois hotéis no Brasil e estamos a olhar para mais, tanto para a Tivoli como para as nossas outras marcas.

 

— E também pretende ter mais hotéis em Portugal?

Dillip Rajakarier: Sim.

 

— Quantos?

Dillip Rajakarier: Não temos um número de hotéis que achemos necessário ter. Estamos de momento a gastar o nosso dinheiro a renovar os empreendimentos para o padrões adequados. E também estamos a gastar dinheiro em colocar sistemas e a pôr pessoas na estrutura. Uma vez que tenhamos isso feito, teremos uma plataforma a partir da qual poderemos começar a expandir. Queremos ir um passo de cada vez.

 

— E o Minor Group também quer trazer outras marcas para Portugal?

Dillip Rajakarier: Sim. Eu acho que Portugal consegue facilmente receber outra marca de 5-estrelas. Acho que poderemos trazer uma das nossas melhores marcas. Será a Anantara.

 

— Vão começar no Victoria (clique para ler: Primeiro resort Anantara na Europa vai ser no Algarve)?

/empresas---negocios/primeiro-resort-anantara-na-europa-vai-ser-no-algarve-2/

Dillip Rajakarier: Sim esse é o plano para o futuro.

 

— Mas procura mais hotéis para essa marca em Portugal?

Dillip Rajakarier: Acho que poderá haver mais alguns.

 

— Dos que existem com a marca Tivoli?

Dillip Rajakarier: Sim.

 

— E no Brasil também?

Dillip Rajakarier: Sim. Mas no Brasil vamos manter os dois Tivoli, porque são muito fortes. E estamos a procurar acrescentar mais Tivoli no Brasil.

 

— Comprar, arrendar, gerir?

Dillip Rajakarier: Não temos uma coisa fixa. Não compramos apenas, não gerimos apenas. Podemos fazer joint-ventures, podemos comprar, podemos fazer franchises, fazer parcerias, estamos muito abertos.

 

— Também estão noutro mercado de língua portuguesa, Moçambique. Quais os vossos planos para este mercado?

Dillip Rajakarier: Actualmente temos cinco hotéis em Moçambique, Anantara e Avani. E estamos à procura de mais, mas de momento Moçambique está a enfrentar desafios difíceis.

 

— Como o Brasil.

Dilip Rajakarier: Sim, o Brasil também. Cada país tem os seus próprios desafios. Mas eu acho que no futuro poderemos levar a [marca] Tivoli para Moçambique, Angola, os países africanos de língua portuguesa, porque  as pessoas conhecem a marca. Há muitas pessoas de Angola que vêm aqui. Há muitas pessoas de Moçambique que vêm aqui...

 

Ver também:

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Apoios do Governo para projectos turísticos no interior de Portugal ascendem a 310 milhões de euros

15-02-2019 (17h11)

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, afirmou hoje que o Governo apoiou com cerca de 310 milhões de euros investimentos no sector do turismo no interior do país, no âmbito dos programas Valorizar e Portugal 2020.

Espanha foi o único dos grandes emissores europeus a crescer em 2018 na hotelaria portuguesa

14-02-2019 (16h26)

Quatro dos cinco principais emissores europeus para a hotelaria portuguesa evoluíram em baixa no ano passado, acumulando uma quebra de 1,3 milhões de dormidas, que apenas muito parcialmente foi compensada pelo aumento da única excepção, de Espanha, cujos residentes fizeram mais 78,3 mil que em 2017.

Estados Unidos foram emissor internacional que mais aumentou dormidas na hotelaria portuguesa em 2018

14-02-2019 (16h21)

Os Estados Unidos subiram em 2018 a 7º principal emissor internacional para a hotelaria portuguesa, ultrapassando a Irlanda, por um aumento de 313,2 mil pernoitas, que foi o maior do ano de todos os mercados internacionais, seguido pelo Brasil, com mais 189,8 mil, e Canadá, com mais 105,5 mil.

Subida de preços garante 6º ano consecutivo de subida de proveitos da hotelaria portuguesa

14-02-2019 (16h16)

A hotelaria portuguesa manteve em 2018 a tendência de subida de proveitos que iniciou em 2013, mas com suporte apenas nos preços, o que levou a um acentuado abrandamento do crescimento das receitas, que foi superior a 17% nos anos de 2016 e 2017 e no ano passado baixou para 6,5%.

IHG compra dona do Six Senses Douro Valley por 265 milhões de euros

14-02-2019 (14h35)

O InterContinental Hotels Group (IHG) comprou a Six Senses Hotels Resorts Spas, que, entre outros hotéis, gere desde 2015 o Six Senses Douro Valley, em Lamego, por 300 milhões de dólares, cerca de 265 milhões de euros.