Minor (Tivoli) prepara chegar a accionista maioritário da espanhola NH Hoteles

07-06-2018 (15h48)

Imagem: NH Hotels
Imagem: NH Hotels

O grupo tailandês Minor International (MINT), comprador da rede hoteleira portuguesa Tivoli quando da falência do Grupo Espírito Santo, está em vias de ficar com 51% a 55% da rede espanhola NH Hoteles por via do reforço da sua posição actual com a aquisição de acções representativas de 25,2% do capital e o lançamento de uma OPA.

Um comunicado do MINT explica que já chegou a um acordo para a compra desses 25,2% do NH Hoteles, numa operação que ascende a 619 milhões de euros e que está previsto concretizar em duas fases, a primeira das quais, relativa a 16,8% do capital da NH (65,85 milhões de acções), até ao próximo dia 15, e a segunda, relativa a 8,4% (32,94 milhões de acções), a concluir em Setembro.

O grupo reconhece que cai assim na obrigação de lançar uma OPA sobre o restante capital da NH no prazo de doze meses ao preço mais elevado que pagou pelo capital da espanhola, que é de 6,40 euros por acção, acrescentando que carece porém de autorização dos accionistas, do regulador do mercado de capitais tailandês, bem como das autoridades da concorrência.

Ainda assim, avança que a sua perspectiva não é tornar a NH Hoteles ‘privada’ (neste caso, sem capital aberto ao público), mas sim chegar a 51% a 55% e mantê-la cotada na Bolsa de Madrid.

A operação, de acordo com o MINT, não excederá então os 1.642,5 milhões de euros.

É o início de “uma nova era”, assim se referiu o CEO do MINT, Dillip Rajakarier, ao impacto do negócio em perspectiva, acrescentando que com a aquisição o grupo terá uma rede de 540 hotéis na Ásia, Oceânia, Médio Oriente, África e Europa.

Dillip Rajakarier destacou ainda que o MINT poderá ser um importante apoio para a NH Hoteles com o seu know how na área da alimentação e bebidas, no sentido de “maximizar o seu potencial de receita”.

“Juntos estaremos bem posicionados para termos grande sucesso, proporcionar valor aos clientes e criar mais excitantes oportunidades de crescimentos do que cada uma das companhias poderia atingir isoladamente” acrescentou.

 

Para ler mais clique:

Proprietário da Tivoli confirma interesse na participação dos chineses do HNA na espanhola NH Hoteles

Minor International (Tivoli) reforça participação na espanhola NH Hoteles

 

Clique para mais notícias: Minor Hotels

Clique para mais notícias: NH Hoteles

Clique para mais notícias: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Hotelaria portuguesa tem este ano o crescimento mais fraco das dormidas no 1º quadrimestre desde 2013

15-06-2018 (18h01)

O alojamento turístico português terminou o primeiro quadrimestre com um aumento das dormidas em apenas 1,6%, que é a variação mais fraca desde 2013, em que teve um aumento em 0,7% nos primeiros quatro meses.

Proveitos da hotelaria portuguesa resistem ao abrandamento da procura via preços

15-06-2018 (17h58)

Apesar de um abrandamento do crescimento das dormidas para 1,6%, os proveitos mantiveram-se a crescer próximo dos 10%, suportados por um aumento em 7,7% dos proveitos por dormida, com realce para os aumentos em 8,2% nas regiões de Lisboa e Centro.

Miguel Garcia é o novo director do hotel Tivoli Avenida Liberdade (Corrige)

15-06-2018 (17h52)

Miguel Garcia, que esteve desde 2016 nos comandos do hotel Tivoli São Paulo Mofarrej, no Brasil, é o novo director-geral do hotel Tivoli Avenida Liberdade.

EUA e Brasil lideram resistência da hotelaria portuguesa ao ‘lado negro’ do efeito Páscoa

15-06-2018 (13h03)

Estados Unidos e Brasil, mercados emissores de onde os turistas chegam a Portugal principalmente em voos TAP, foram os líderes em crescimento das dormidas na hotelaria portuguesa no primeiro quadrimestre, e no mês de Abril, em que este ano se fez sentir o ‘lado negro' do efeito Páscoa mais cedo, foram mesmos os únicos com aumentos a dois dígitos.

Alta dos preços da hotelaria portuguesa supera ‘lado negro’ do efeito Páscoa mais cedo

15-06-2018 (11h53)

A Páscoa mais cedo que em 2017 exerceu o seu ‘lado negro’ em Abril, com quebras de hóspedes e dormidas, mas sem travar a série de 48 meses consecutivos de aumentos homólogos de proveitos, ainda que com a variação mais fraca desde Março de 2014.