Mesmo sem Páscoa, brasileiros na hotelaria portuguesa mantêm crescimento ‘explosivo’

16-05-2017 (13h06)

O Brasil foi o mercado que mais contribuiu para a hotelaria portuguesa alcançar em Março um aumento das dormidas de estrangeiros, mesmo sem Páscoa, que é um período tradicionalmente de ‘pico' das viagens e nomeadamente de procura mais forte dos destinos portugueses por parte dos turistas espanhóis.

Os dados publicados hoje pelo INE indicam que, com efeito, este Março a hotelaria teve uma quebra das dormidas de espanhóis face ao mês homólogo de 2016, que foi o mês da Páscoa, em 43,7% ou 167,6 mil, mas nem por isso o alojamento turístico português deixou de apresentar um crescimento das dormidas de estrangeiros em 3,7% ou 97,7 mil, que lhe deu o melhor Maio de sempre em pernoitas de turistas estrangeiros, com 2,7 milhões.

O mercado que mais contribuiu para esse balanço foi o Brasil, cujos residentes fizeram 133,5 mil dormidas na hotelaria portuguesa este Março, o que significou um aumento em 87,3% ou 62,2 mil mesmo sem Páscoa.

Os dados do INE mostram, aliás, que desde Agosto do ano passado que o mercado brasileiro apresenta crescimentos a dois dígitos, em que sobressaem os +93,2% em Novembro passado, os +73,6% em Dezembro, os +64,3% em Janeiro deste ano, os +34,1% em Fevereiro, apesar de menos um dia que em 2016, que foi ano bissexto, e, agora, os +87,3% em Março.

Depois do Brasil, os mercados emissores que mais contribuíram para que a hotelaria mantivesse crescimento este Março foram França, com mais 39,8 mil (+23,2%, para 211,1 mil), Reino Unido, com mais 30,3 mil dormidas que há um ano (+5,7%, para 561,3 mil), Países Baixos, com mais 26,1 mil (+17,3%, para 177,2 mil), Alemanha, com mais 22,1 mil (+4,9%, para 475,1 mil), e Estados Unidos, com mais 21,4 mil (+30,4%, para 91,2 mil), Polónia, com mais 13,3 mil (+43,9%, para 43,6 mil), e o conjunto ‘outros', com mais 50,8 mil (+11,3%, para 501,1 mil).

Apesar deste comportamento em alta da maioria dos emissores internacionais, a hotelaria portuguesa não evitou uma quebra ligeira das dormidas totais em Março, em 0,2% ou 8,4 mil, para 3,669 milhões, pela quebra em 9,9% ou 106,1 mil das pernoitas de residentes em Portugal, que ficaram em 961,2 mil.

 

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Proveitos da hotelaria portuguesa no 1º semestre cresceram à média anual de 12,6% nos últimos cinco anos

16-08-2017 (14h34)

Em cinco anos o sector do alojamento turístico português fez crescer as suas receitas num primeiro semestre do ano, que inclui alguns dos meses de mais baixa actividade, em 619,2 milhões de euros, reflectindo um crescimento médio anual em 12,6%, acima do crescimento médio anual das dormidas em três pontos percentuais.

SLH anuncia novo hotel de luxo em antiga escola de Londres

16-08-2017 (14h14)

A Small Luxury Hotels of the World integrou o The Lalit London, um hotel localizado no antigo edifício da St Olave's Grammar School, na margem sul do Rio Tâmisa, que combina a sua aparência original de arquitectura vitoriana com interiores ao estilo indiano.

Dormidas nos hotéis portugueses no 1º semestre crescem à média anual de 10,6% nos últimos anos

16-08-2017 (09h54)

Com 17,5 milhões de dormidas no primeiro semestre deste ano, os hotéis portugueses alcançaram um crescimento médio anual de 10,6% nos últimos cinco anos e um aumento em valor absoluto de 6,94 milhões, quase metade do qual ficou nos 4-estrelas.

Alemanha, Brasil e ‘emergentes’ fazem mais de 60% do aumento de dormidas de estrangeiros na hotelaria portuguesa

16-08-2017 (08h38)

A Alemanha, com mais 77,2 mil dormidas, o Brasil, com mais 68,6 mil, e o conjunto dos mercados ‘emergentes', que não fazem parte do Top13, com mais 130,2 mil, foram os ‘motores' do crescimento de dormidas no alojamento turístico português no mês de Junho.

Proveitos da hotelaria portuguesa aumentam 220 milhões de euros no primeiro semestre

14-08-2017 (17h26)

A hotelaria portuguesa terminou o primeiro semestre com mais 219,9 milhões de euros de proveitos totais que no período homólogo do ano passado, com Lisboa, Algarve e Norte a registar a maior parte do aumento.