Meliá vai ter um resort de 5-estrelas na ilha de São Vicente

05-07-2016 (16h17)

Foto: Meliá Hotels International
Foto: Meliá Hotels International

A Meliá acaba de anunciar que vai abrir um resort de 5-estrelas na ilha de São Vicente, em Cabo Verde, em 2018, que será o Meliá Salamansa, nome da localidade onde se encontra, no Nordeste da ilha.

O quinto hotel do grupo hoteleiro espanhol em Cabo Verde vai ficar na ilha de São Vicente, que é conhecida como a mais cultural do arquipélago, terra natal de Cesária Évora.

O Meliá Salamansa terá 262 quartos, um Spa com seis piscinas, quatro restaurantes, um centro de desportos náuticos, lojas e uma área de lazer de lazer e entretenimento.

A localização do hotel, em Salamansa, encontra-se a cerca de dez minutos do Mindelo e do Aeroporto Internacional Cesária Évora, segundo uma informação do grupo hoteleiro.

“O impulsionador do projecto é a ITS (Imobiliária Turística de Salamansa)”, salienta essa informação, que apresenta a ITS como “uma empresa privada de Cabo Verde que tem como objectivo promover o desenvolvimento infra-estrutural do STZ, uma zona costeira propriedade da mesma empresa que ocupa 570 hectares e que se situa entre a Baía de Salamansa e a Baía das Gatas”.

Além do Meliá Salamansa, o grupo hoteleiro tem em Cabo Verde os hotéis Meliá Dunas e Meliá Tortuga, estando ainda por abrir o Meliá Llana e o Meliá White Sands, chegando assim aos 3.140 quartos no país.

 

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Cabo Verde

Clique para mais notícias: Meliá

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Comentários
  • Charlie

    Tem ceerteza quee o White Sands vai ser Melia????

    06-07-2016 (10h04)


Escrever comentário

Outras Notícias

Cascais também duplica taxa turística em 2019

15-11-2018 (16h56)

O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, disse hoje no Congresso da AHP, a decorrer em Lisboa, que vai acompanhar Lisboa no aumento da a taxa turística em 2019, de um para dois euros por noite.

Crescimento dos proveitos da hotelaria portuguesa tende a ‘aterrar’

15-11-2018 (15h43)

O crescimento dos proveitos da hotelaria portuguesa foi em Setembro o mais fraco dos 53 meses que já levam de alta, e com uma queda significativa na área metropolitana de Lisboa, na ordem dos cinco milhões de euros.

Quebra da hotelaria portuguesa não está tanto nas chegadas de turistas, mas no tempo que permanecem

15-11-2018 (13h22)

As quebras de dormidas de turistas residentes no estrangeiro na hotelaria portuguesa deve-se mais à redução do seu tempo médio de permanência do que a decréscimo das chegadas, que até estão com um ligeiro aumento e atingem um novo recorde para os primeiros nove meses, concluiu o PressTUR dos dados divulgados hoje pelo INE.

“Dormidas de não residentes continuaram a diminuir”, diz balanço do INE relativo a Setembro

15-11-2018 (11h30)

Os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses tiveram em Setembro uma queda das dormidas de turistas residentes no estrangeiro em 4,9%, depois de descidas de 4,7% em Agosto, de 4,5% em Julho e de 5,5% em Junho.

Quebra da ocupação hoteleira “não será razão para reduzir os preços, mas sim para aumentar o valor” – Raul Martins, AHP

15-11-2018 (11h11)

O presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Raul Martins, sustentou hoje que a diminuição da ocupação hoteleira “não será razão para reduzir os preços, mas sim para aumentar o valor percepcionado e o serviço prestado”.