Maiores emissores penalizam evolução da hotelaria portuguesa em 2017

14-02-2018 (15h11)

O ano de 2017 não foi apenas de recordes e crescimentos ‘explosivos’. Pelo contrário. O conjunto dos cinco maiores emissores, responsáveis por 60,8% das dormidas de estrangeiro, teve um ‘modestíssimo’ aumento das pernoitas de apenas 2,5% e excluindo a Alemanha (+7,7%), o aumento médio cai para 1,1%.

Os primeiros indícios desta evolução vinham ‘mascarados’ por um possível efeito do Brexit, que penalizaria a progressão do mercado britânico, mas hoje com os dados completos do ano torna-se claro que não houve ‘um problema’ com o mercado britânico, mas sim um padrão comum aos maiores emissores, à excepção da Alemanha.

O aumento médio dos outros quatro, em apenas 1,1%, reflecte crescimentos de apenas 1,1% do Reino Unido, 2,7% de Espanha e 0,3% de França, agravados por uma queda em 0,6% dos Países Baixos.

Desta forma, esses quatro mercados que em 2016 tinham sido a origem de mais de metades das dormidas na hotelaria portuguesa, em 2017 tiveram a sua quota reduzida para 47,3%, deixando em aberto a questão sobre se reflectirá a recuperação de destinos do Mediterrâneo, como a Turquia, a Tunísia e o Egipto.

Os dados do INE nada revelam a esse respeito, embora mostrem, claramente, que esses quatro dos maiores emissores, representando 47,3% do total de dormidas de residentes no estrangeiro, tiveram um aumento que apenas equivale a 6,3% do aumento total desses mercados.

O crescimento em 2017 fez-se, assim, pela evolução dos restantes mercados que fazem parte do Top13 publicado pelo INE, com realce para Brasil, Alemanha e Estados Unidos, mas principalmente pelos ‘outros’ ou ‘emergentes’, relativamente aos quais o INE não publica dados, que no ano passado foram responsáveis por 35,4% do aumento de dormidas de turistas estrangeiros.

As dormidas desse conjunto de ‘emergentes’ aumentaram no ano passado em 21,6% ou 1,17 milhões, atingindo um total de 6,6 milhões, que representa 15,9% do total de pernoitas de estrangeiros, +1,7 pontos que em 2016.

Ainda assim, o Reino Unido manteve-se o maior emissor por grande margem, com 22,3% das dormidas de residentes no estrangeiro, num total de 9,28 milhões, seguindo-se Alemanha, com 13,6% (5,64 milhões), Espanha, com 9,7% (quatro milhões), França, com 9,5% (3,95 milhões), Países Baixos, com 5,7% (2,38 milhões), Brasil, com  4,8% (2,01 milhões), Estados Unidos, com 3,8% (1,56 milhões), Irlanda, com 1,51 milhões (3,6%), Itália, com 3,2% (1,32 milhões), Polónia, com 2,3% (959 mil), Bélgica, com 2,1% (881,3 mil, Suíça, com 1,9% (770,8 mil), e Suécia, com 1,6% (671,5 mil).

 

Para ler mais clique:

Hotelaria portuguesa 2017: mais 1,68 milhões de hóspedes, mais 3,94 milhões de dormidas, mais 483,9 milhões de euros

 

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Hotelaria portuguesa tem este ano o crescimento mais fraco das dormidas no 1º quadrimestre desde 2013

15-06-2018 (18h01)

O alojamento turístico português terminou o primeiro quadrimestre com um aumento das dormidas em apenas 1,6%, que é a variação mais fraca desde 2013, em que teve um aumento em 0,7% nos primeiros quatro meses.

Proveitos da hotelaria portuguesa resistem ao abrandamento da procura via preços

15-06-2018 (17h58)

Apesar de um abrandamento do crescimento das dormidas para 1,6%, os proveitos mantiveram-se a crescer próximo dos 10%, suportados por um aumento em 7,7% dos proveitos por dormida, com realce para os aumentos em 8,2% nas regiões de Lisboa e Centro.

Miguel Garcia é o novo director do hotel Tivoli Avenida Liberdade (Corrige)

15-06-2018 (17h52)

Miguel Garcia, que esteve desde 2016 nos comandos do hotel Tivoli São Paulo Mofarrej, no Brasil, é o novo director-geral do hotel Tivoli Avenida Liberdade.

EUA e Brasil lideram resistência da hotelaria portuguesa ao ‘lado negro’ do efeito Páscoa

15-06-2018 (13h03)

Estados Unidos e Brasil, mercados emissores de onde os turistas chegam a Portugal principalmente em voos TAP, foram os líderes em crescimento das dormidas na hotelaria portuguesa no primeiro quadrimestre, e no mês de Abril, em que este ano se fez sentir o ‘lado negro' do efeito Páscoa mais cedo, foram mesmos os únicos com aumentos a dois dígitos.

Alta dos preços da hotelaria portuguesa supera ‘lado negro’ do efeito Páscoa mais cedo

15-06-2018 (11h53)

A Páscoa mais cedo que em 2017 exerceu o seu ‘lado negro’ em Abril, com quebras de hóspedes e dormidas, mas sem travar a série de 48 meses consecutivos de aumentos homólogos de proveitos, ainda que com a variação mais fraca desde Março de 2014.