Lisboa encaixou 18,5 milhões de euros com a taxa turística em 2017

16-04-2018 (17h12)

A Câmara Municipal de Lisboa recebeu 18,5 milhões de euros de Taxa Municipal Turística em 2017, naquele que foi o primeiro ano em que a cobrança foi feita por todos os operadores envolvidos e durante os 12 meses.

Numa conferência de imprensa de apresentação do Relatório e Contas de 2017, que decorreu nos Paços do Concelho, o vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, afirmou que, no ano passado, a Câmara encaixou 18,5 milhões de euros, mais 6,1 milhões do que em 2016.

Este foi o "primeiro ano em que foi feita a cobrança o ano inteiro e com todos os operadores" (hotéis e alojamento local, incluindo a plataforma Airbnb), referiu o vereador.

Em termos globais, a Câmara já encaixou cerca de 31 milhões de euros desde o início da cobrança, adiantou à Lusa fonte municipal.

Aprovada em 2014, a taxa turística começou a ser aplicada em Janeiro de 2016 sobre as dormidas nas unidades hoteleiras e de alojamento local, sendo cobrado um euro por noite até um máximo de sete euros.

No orçamento para o ano de 2017, a estimativa de receita da taxa turística era de 15,7 milhões de euros.

Relativamente a um possível aumento desta taxa, que está contemplado no acordo de governação da cidade, estabelecido entre o PS e o BE depois das eleições autárquicas, o vereador das Finanças considerou ser "completamente prematuro avançar com um aumento" neste momento, mas admitiu que poderão haver novidades "lá para meio do ano".

"Nessa equação estão a ser ponderadas várias questões, a principal prende-se com a salvaguarda da receita estrutural do município", frisou.

Em causa está "a situação extraordinária que a cidade vive" e que pode deixar de acontecer, pelo que, "quando todas as receitas associadas ao sobreaquecimento do imobiliário e à dinâmica da cidade" descerem, a Câmara deverá "ter cuidado para que a receita estrutural do município acomode a despesa estrutural do município".

Sobre a aplicação da taxa de um euro nas chegadas por via aérea e marítima, medida que ainda não entrou em funcionamento, apesar de continuar prevista desde a criação desta tarifa, João Paulo Saraiva afirmou que estão “a reequacionar essa questão” e que “quando tivermos uma solução iremos voltar a ela", explicando que existe uma "dificuldade operacional para montar o sistema".

"Ainda não temos solução, mas não abandonámos a ideia", frisou João Paulo Saraiva, acrescentando que "estão a ser ponderadas algumas soluções" que poderão entrar em prática, "se não este ano, no início do ano que vem".

O vereador acrescentou ainda que a Câmara de Lisboa teve "contactos com algumas cidades europeias", nomeadamente Barcelona, pelo que está a trocar informações com eles e com operadores, pelo que estão a "analisar a questão".

(PressTUR com Lusa)

 

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Taxa turística

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ericeira tem um novo hostel dedicado ao surf

24-05-2018 (12h53)

O Aktion Ericeira Surf Hostel é a mais recente unidade na Ericeira, instalada num edifício novo de três andares que dispõe de quartos duplos e dormitórios a cerca de dez minutos a pé da Praia do Sul.

Novo restaurante de Martin Berasategui em Lisboa é “um projecto para o mundo”

23-05-2018 (20h45)

O Fifty Seconds by Martin Berasategui, que abre em Outubro em Lisboa, no topo do hotel Myriad by Sana, na Torre Vasco da Gama, é "um projecto para o mundo", afirmou o chef basco, que é um dos mais conceituados do mundo, distinguido com oito estrelas Michelin em diferentes restaurantes.

Minor International (Tivoli) reforça participação na espanhola NH Hoteles

23-05-2018 (16h57)

O Minor International, grupo tailandês que comprou os hotéis Tivoli em Portugal e no Brasil, anunciou hoje que comprou mais 8,6% do capital do grupo hoteleiro espanhol NH Hoteles, no qual passa a deter 9,7% do capital.

AHP aponta quebras de ocupação em Março nos hotéis do Algarve, Madeira, Açores e Leiria - Fátima - Templários

23-05-2018 (14h58)

Quatro regiões turísticas portuguesas, entre as quais a maior, o Algarve, e a 3ª maior, a Madeira, tiveram quebras de ocupação da hotelaria em Março, de acordo com o barómetro da AHP, associação da hotelaria portuguesa, ainda que este ano Março compare favoravelmente com o de 2017, pois foi o mês da Páscoa, que no ano passado foi em Abril.

Três maiores emissores ‘custaram’ quase 790 mil dormidas à hotelaria espanhola até Abril

23-05-2018 (14h15)

Reino Unido, Alemanha e França, os três maiores emissores para a hotelaria espanhola, foram também os principais causadores da sua quebra de dormidas no primeiro quadrimestre, com menos quase 790 mil dormidas que no período homólogo de 2017, representando um decréscimo médio em 3,1%.