Lisboa e Porto concentram 57% do aumento de dormidas na hotelaria portuguesa em Janeiro

15-03-2018 (17h52)

Ribeira
Ribeira

Os estabelecimentos de alojamento turístico das regiões de Lisboa e Porto e Norte de Portugal somaram mais 69,6 mil dormidas este Janeiro que há um ano, o que significa que concentraram 57% do aumento ocorrido no mês a nível nacional.

De acordo com dados do INE, Lisboa foi a região líder em número de dormidas no alojamento turístico no primeiro mês deste ano, com 810,7 mil, o que significou um aumento em 4,8% ou 37,2 mil.

O Porto e Norte de Portugal, por sua vez, foi a 4ª região em número de dormidas, com 386,2 mil, mas com um aumento em 9,2% ou 32,4 mil relativamente a Janeiro de 2017.

A 2ª região com mais dormidas este Janeiro foi o Algarve, com 476,5 mil, seguida de muito perto pela Madeira, com 474,8 mil.

O Algarve teve assim uma estagnação em baixa relativamente a Janeiro de 2017, enquanto a Madeira teve um aumento em 4,6% ou 20,9 mil, o que equivale a 17,1% do aumento total no mês.

O Centro teve o quinto maior aumento de Janeiro, com mais 16,6 mil dormidas que há um ano (13,6% do aumento total) e seguidamente estiveram os Açores, com mais 7,51 mil (6,2% do aumento total), e o Alentejo, com mais 7,46 mil (6,1% do aumento total).

O Centro teve um aumento das dormidas em 7,8%, para 228,7 mil, nos Açores o aumento foi em 12,4%, para 68 mil e no Alentejo foi em 11,4%, para 72,8 mil.

Os dados do INE permitem ver, por outro lado, que os mercados internacionais, com geraram 69,6% das dormidas do mês, com 1,753 milhões, e 59,3% do aumento, com mais 72,4 mil que há um ano (+4,3%).

O Algarve foi a única região a registar uma quebra nas dormidas de turistas estrangeiros, em 2,4% ou 9,6 mil, para 390,3 mil, valendo o mercado dos residentes em Portugal com um aumento em 12,6% ou 9,6 mil, para 86,2 mil.

Já em Lisboa, os mercados internacionais proporcionaram 85,6% do aumento das dormidas, com mais 31,8 mil (+5,6%, para 599,5 mil), e a Madeira teve um perfil de evolução semelhante, com os mercados internacionais a serem a origem de 80,3% do aumento das dormidas, com mais 16,8 mil (+4%, para 438,5 mil).

Os mercados internacionais foram ainda predominantes para o aumento das dormidas no Centro, proporcionando 67,6% do aumento, com mais 11,2 mil (+16,5%, para 79,6 mil), e nos Açores, onde responderam por 53,4% com mais quatro mil pernoitas (+14,9%, para 30,9 mil).

O aumento no Porto e Norte foi proporcionado quase em idênticas proporções pelos mercados internacionais, com mais 16,5 mil dormidas (+9,4%, para 191,7 mil), e pelo mercado doméstico, com mais 15,9 mil (+8,9% para 194,5 mil).

No Alentejo, o mercado dos residentes em Portugal foi responsável por 77,9% do aumento das dormidas no mês de Janeiro, com mais 5,8 mil (+13%, para 50,5 mil).

 

Para ler mais clique:

Hotelaria portuguesa passa pela primeira vez o milhão de hóspedes em Janeiro

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Luís Correia é o novo chef executivo do Praia D'El Rey

16-11-2018 (13h34)

O chef Luís Correia, com mais de 30 anos de experiência em restauração e hotelaria, é o novo chef executivo do Praia D'El Rey Golf & Beach Resort, na Amoreira, perto de Peniche.

Cascais também duplica taxa turística em 2019

15-11-2018 (16h56)

O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, disse hoje no Congresso da AHP, a decorrer em Lisboa, que vai acompanhar Lisboa no aumento da a taxa turística em 2019, de um para dois euros por noite.

Crescimento dos proveitos da hotelaria portuguesa tende a ‘aterrar’

15-11-2018 (15h43)

O crescimento dos proveitos da hotelaria portuguesa foi em Setembro o mais fraco dos 53 meses que já levam de alta, e com uma queda significativa na área metropolitana de Lisboa, na ordem dos cinco milhões de euros.

Quebra da hotelaria portuguesa não está tanto nas chegadas de turistas, mas no tempo que permanecem

15-11-2018 (13h22)

As quebras de dormidas de turistas residentes no estrangeiro na hotelaria portuguesa deve-se mais à redução do seu tempo médio de permanência do que a decréscimo das chegadas, que até estão com um ligeiro aumento e atingem um novo recorde para os primeiros nove meses, concluiu o PressTUR dos dados divulgados hoje pelo INE.

“Dormidas de não residentes continuaram a diminuir”, diz balanço do INE relativo a Setembro

15-11-2018 (11h30)

Os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses tiveram em Setembro uma queda das dormidas de turistas residentes no estrangeiro em 4,9%, depois de descidas de 4,7% em Agosto, de 4,5% em Julho e de 5,5% em Junho.