Hotelaria portuguesa perde 225,7 mil dormidas de estrangeiros em Junho e acaba semestre com menos 132,3 mil

13-08-2018 (16h00)

Gráfico: INE
Gráfico: INE

A hotelaria portuguesa, que estava a viver um ciclo de crescimentos acentuados sustentado pela procura internacional, acabou o primeiro semestre deste ano com queda do número de pernoitas de turistas estrangeiros, em grande medida pela dimensão da quebra em Junho, primeiro mês da época alta, no qual teve menos 225,7 mil (-5,1%) pernoitas de residentes no estrangeiro.

Os dados publicados hoje pelo INE mostram que os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses tiveram em Junho menos dormidas que há um ano de 11 dos 13 principais emissores europeus, cujas excepções foram as pernoitas de residentes em Portugal e em Espanha, que subiram, respectivamente 3,4% (mais 52,6 mil, para 1,615 milhões) e 1,5% (mais 4,6 mil, para 314,4 mil).

Essas subidas, porém, apenas atenuaram a dimensão da quebras, que foi potenciada nomeadamente pelas quebras dos dois maiores emissores estrangeiros para a hotelaria portuguesa, o Reino Unido, com menos 110,2 mil (-9,8%, para 1,016 milhões), e a Alemanha, com menos 63,5 mi (-10,5%, para 538,8 mil).

Quedas expressivas verificaram-se ainda nas dormidas de residentes nos Países Baixos, com menos 34,6 mil (-13,7%, para 218,1 mil), na Polónia, com menos 20,8 mil (-17,2%, para 100,4 mil), em Itália, com menos 11,9 mil (-9,8%, para 109,6 mil), e em França, com menos 10,8 mil (-2,6%, para 412,3 mil).

A estas quedas, de acordo com os dados do INE, somaram-se decréscimos de dormidas também de turistas residentes na Irlanda (-3,3% ou menos oito mil, para 233,2 mil), Bélgica (-4,7% ou menos 4,5 mil, para 91,8 mil), Suíça (-1% ou menos 734, para 73,3 mil), Suécia (-10,5% ou menos 4,5 mil, para 38,8 mil) e Dinamarca (-11,6% ou menos 4,3 mil, para 32,9 mil), bem como do conjunto “outros” emissores não especificados (-1,1% ou menos 5,7 mil, para 520,7 mil).

Assim, dos 15 principais emissores para Portugal com dados publicados pelo INE, em Junho, além das dormidas de residentes em Portugal e Espanha, apenas aumentaram as pernoitas de turistas residentes no Brasil, nos Estados Unidos e no Canadá, que tiveram um crescimento médio em 11,7%, significando um aumento de 49,5 mil.

O maior aumento absoluto foi de dormidas de residentes nos Estados Unidos, que foram mais 28,2 mil que há um ano (+15,9%, para 205,5 mil), seguindo-se as pernoitas de residentes no Brasil, que foram mais 13,3 mil (+6,9%, para 206,6 mil), enquanto as pernoitas de residentes no Canadá foram mais 7,9 mil (+14,9%, para 60,8 mil).

O contributo destes três emissores não evitou, porém, que o balanço da procura internacional da hotelaria portuguesa tenha resvalado ‘para o vermelho’ no primeiro semestre, com uma queda média em 0,7%, significando um decréscimo de 132,3 mil pernoitas para 18,57 milhões.

O total de dormidas na hotelaria portuguesa no semestre, incluindo o mercado dos residentes em Portugal, no entanto, ainda apresentou crescimento no semestre, ainda que ‘magro’, em 0,5% (mais 123,7 mil, para 25,398 milhões), graças ao aumento de 256 mil pernoitas de residentes em Portugal (+3,9%, para 6,827 milhões).

A quebra das dormidas de turistas residentes no estrangeiro deveu-se, na maior medida, ao mercado britânico, que regista quebras há nove meses consecutivos, tendo terminado o primeiro semestre com menos 342,4 mil dormidas (-8%, para 3,93 milhões) que há um ano.

A segunda maior quebra do período foi das dormidas de residentes nos Países Baixos, que foram menos 128,5 mil (11,1%, para 1,02 milhões), na Alemanha, com menos 70,6 mil (-2,6%, para 2,64 milhões), Polónia, com menos 32,2 mil (-8,6%, para 341,1 mil), Suíça, com menos 4,4 mil (-1,3%, para 332,7 mil), e Dinamarca, com menos 4,8 mil (-1,8%, para 270,2 mil).


Para ler mais clique:

Turistas brasileiros ultrapassam pela primeira vez o milhão de dormidas na hotelaria portuguesa num 1º semestre

 

Verão começa ‘muito nublado’ para a hotelaria portuguesa, com quebras da maioria dos principais emissores

 

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Hotéis portugueses também resvalaram para queda de dormidas no mês de Julho

17-09-2018 (16h31)

Os hotéis, as pousadas e os aldeamentos são os únicos estabelecimentos de alojamento turístico que no fim de Julho ainda estão com aumento de dormidas este ano, mas o último mês do período já foi também de quebra, ainda que menor que a média do sector, em 1,5%, segundo os dados do INE.

Aumento da receita média por turista em 8,3% garante 51º mês de subida de proveitos da hotelaria portuguesa

17-09-2018 (16h24)

A hotelaria portuguesa teve este ano pela primeira vez mais de 210 euros de receita média por turista alojado, o que lhe permitiu atingir o 51º mês consecutivo de aumento de proveitos mesmo tendo sofrido quebras de hóspedes e dormidas.

Só Porto, Lisboa e Alentejo estão a escapar à ‘viragem’ da tendência do turismo internacional

17-09-2018 (15h48)

A hotelaria portuguesa viu agravar-se em Julho o balanço negativo das dormidas de turistas estrangeiros, ao qual apenas estão a escapar as regiões Porto e Norte, Área Metropolitana de Lisboa e Alentejo, que continuam a manter crescimento.

Hilton associa-se à Playa Hotels para abrir novos resorts all-inclusive nas Caraíbas

17-09-2018 (14h46)

A Hilton criou uma aliança com a Playa Hotels & Resorts para abrir novos resorts de operação em regime de tudo incluído (TI), começando com duas unidades nas Caraíbas e na América Latina.

Airbnb geriu alojamento de quase 1,4 milhões de pessoas em Portugal este Verão

17-09-2018 (14h09)

A plataforma de alojamento Airbnb geriu o alojamento de quase 1,4 milhões de pessoas em Portugal entre 1 de Junho e 31 de Agosto, mais 18% que no período homólogo do ano passado.