Hotéis na serra de Monchique “não foram afectados” pelo fogo

07-08-2018 (16h46)

Foto: MacDonald Monchique
Foto: MacDonald Monchique

Os hotéis de Monchique de onde tiveram de ser retirados hóspedes pela aproximação do fogo "mantêm-se intactos", mas é incerto quando poderão reabrir, disse hoje à Lusa o presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA).

"Os hotéis que existem em Monchique não foram afectados materialmente e não sofreram danos, mantêm-se intactos", declarou Elidérico Viegas, presidente da AHETA, aplaudindo a retirada antecipada dos hóspedes para outros hotéis no litoral.

A aproximação do fogo que pelo quinto dia lavra na serra de Monchique já obrigou à evacuação do Macdonald Monchique Resort & Spa, situado no lugar do Montinho, junto à estrada que liga o Porto de Lagos a Monchique, e do Villa Termal das Caldas de Monchique Spa Resort, o mais antigo hotel da zona.

Elidérico Viegas disse não ter conhecimento "de qualquer impacto negativo em termos do cancelamento de reservas" para a zona de Monchique, sublinhando que esta "não é a primeira vez" que aquela zona é atingida por um incêndio de grandes dimensões, como em 2003, em que fogo se prolongou por uma dezena de dias.

"Monchique foi, desde sempre, um ponto de visita obrigatório para quem se desloca ao Algarve, é o ponto mais alto da região e possui belezas naturais que fazem com que os turistas que vão ao Algarve visitem também aquela zona", referiu, classificando Monchique como "uma referência".

Durante a tarde de segunda-feira, uma parte da estrada que liga Monchique ao Alto da Fóia, o ponto mais alto do Algarve, a cerca de oito quilómetros da vila e situado a 900 metros de altitude, teve de ser evacuada pelas autoridades devido à aproximação do fogo.

Ao longo da estrada que liga o centro da vila à Fóia, também designada como o "topo" do Algarve, existem vários cafés, restaurantes e lojas de artesanato, assim como percursos pedestres, nas zonas de serra circundantes.

"Esta devastação da beleza natural de Monchique causada pelo fogo não deixa, também, de ser uma perda para o turismo", concluiu Elidérico Viegas.

O incêndio que deflagrou na sexta-feira tinha queimado até segunda-feira entre 15.000 e 20.000 hectares, segundo as autoridades, atingindo casas e carros.

Há 29 feridos ligeiros e um grave, que está com prognóstico favorável.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Ver também:

Governo britânico alerta cidadãos para incêndio em Monchique

 

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Riu apresenta novo resort só para adultos no México: Riu Palace Baja California

11-12-2018 (17h13)

O grupo hoteleiro Riu Hotels & Resorts está a promover o seu novo resort só para adultos no México, o Riu Palace Baja California, uma unidade hoteleira que já incorpora o seu novo conceito de resort.

Stay Hotels renova Hotel Almedina em Coimbra para abrir o seu 8º hotel

10-12-2018 (16h12)

A Stay Hotels investiu cerca de 1,6 milhões de euros na abertura do seu 8º hotel em Portugal, o Stay Hotel Coimbra Centro, uma unidade de 90 quartos que resulta da renovação do antigo Hotel Almedina, na Avenida Fernão Magalhães.

Hotéis no Sal e na Boavista estão “no limite da sua capacidade” para o Fim de Ano – presidente da AAVTCV

10-12-2018 (12h58)

Os hotéis das ilhas cabo-verdianas do Sal e da Boavista estão “no limite da sua capacidade” para o réveillon, e os principais mercados emissores são o Reino Unido e Portugal, segundo Mário Sanches, presidente da Associação das Agências de Viagem e Turismo de Cabo Verde (AAVTCV).

Governo abre concurso para converter o Quartel do Carmo (Açores) em empreendimento turístico

07-12-2018 (16h18)

O Governo abriu hoje o 12º concurso do programa Revive, para a concessão para fins turísticos do Quartel do Carmo, na cidade da Horta, na Ilha do Faial, nos Açores.

CTP perspectiva queda de dormidas na hotelaria este ano

06-12-2018 (16h23)

A Confederação do Turismo de Portugal divulgou hoje uma declaração do seu presidente, Francisco Calheiros, em que avança previsões para o fim deste ano que, a confirmarem-se, significarão que 2018 será o primeiro ano de queda homóloga das dormidas desde 2009.