Hóspedes da hotelaria portuguesa despendem mais no alojamento sem cortarem com outros serviços

16-02-2017 (09h39)

Os encargos com quartos elevaram no ano passado o seu ‘peso’ no gasto médio dos turistas que se hospedaram no alojamento turístico português para 72,3% do total, por um aumento em 7,5%, para 110 euros, mas ainda assim o gasto médio em outros serviços, onde avulta a alimentação e bebidas, não deixou de subir, embora menos, em 4,2%.

Cálculos do PressTUR com base nos dados divulgados hoje pelo INE mostram que o aumento dos proveitos totais da hotelaria portuguesa no ano passado em 17% ou 421,7 milhões de euros, atingindo um total de 2,9 mil milhões, foi impulsionado principalmente pelos chamados proveitos de aposento, que o INE define como “valores resultantes das dormidas de todos os hóspedes nos meios de alojamento turístico”, os quais aumentaram 18% ou 320,3 milhões de euros, para 2.096,8 milhões.

Os chamados ‘outros proveitos’, em que o INE engloba “restauração e outros decorrentes da própria actividade (cedência de espaços, lavandaria, tabacaria, comunicações, entre outros)” também registaram aumento, mas inferior ao dos proveitos de aposento, em 14,4% ou 101,4 milhões de euros, para 803,9 milhões.

Assim, os proveitos de aposento subiram em 0,6 pontos a sua contribuição para os proveitos totais face a 2015, para 72,3%, com subidas de 1,1 pontos tanto no Porto e Norte quanto no Algarve, de 0,7 pontos na Madeira, de 0,5 pontos no Centro e de 0,2 pontos em Lisboa.

Nos Açores e no Alentejo, pelo contrário, houve decréscimos, respectivamente em 0,9 e em 0,7 pontos.

A região onde os proveitos de aposento têm uma ‘fatia’ maior dos proveitos totais, ou seja, em que os ‘outros proveitos’ contam menos para a receita, é Lisboa, onde atingem 74,9%, seguida pelo Porto e Norte, com 74,4%, Algarve, com 73,7%, e Açores, com 73,2%.

No Alentejo e no Centro os proveitos de aposento somam menos de 70% das receitas totais, representando 69,1% e 67,9%, respectivamente.

Estas regiões são, por conseguinte, aquelas em que maior fatia dos encargos dos hóspedes com as suas estadas é a título do custo do quarto, com 66,9 euros em 96,80 no Alentejo e com 54,7 em 80,58 no Centro.

Já em Lisboa, a parte dos encargos com os quartos foi de 116 euros em 154,9, no Porto e Norte foi de 70,8 em 95,08, no Algarve foi de 165,2 em 224,20, e nos Açores foi de 101,6 em 138,84.

Levando em conta as estadas médias, conclui-se que os 19 milhões de hóspedes que se hospedaram em 2016 no alojamento turístico português despenderam em média 54,2 euros por noite, +6,8% que no ano de 2015, com +7,7% em encargos com quarto, que subiram para 39,2 euros, e +4,4% em outras despesas, que somaram 15 euros.

A região onde o alojamento teve o maior aumento do gasto médio diário em alojamento dos seus hóspedes, que indicia maior aumento do preço médio das diárias, foi o Algarve, em 11,1%, para 36,8 euros, seguida pelo Porto e Norte, com +9,5%, para 39,1 euros, que foram as únicas duas regiões com aumento superior à subida média nacional (+7,7%, para 39,2 euros).

Só depois de situaram a Madeira, com +6,9% para 33 euros, os Açores, com +6,1%, para 33,5 euros, Lisboa, com +5,8%, para 49,8 euros, o Alentejo, com +4,8%, para 37 euros, e o Centro, com 31,4 euros.

Os maiores aumentos da ‘fatia’ média de gastos dos hóspedes em outros serviços foram, por sua vez, nos Açores, em 11,4%, para 12,3 euros, no Alentejo, em 8,1%, para 16,5 euros, no Algarve, em 5,3%, para 13,1 euros, e em Lisboa, em 4,7%, para 16,7 euros.

Com aumentos já abaixo do aumento médio a nível nacional (+4,4%, para 15 euros) estiveram os gastos médios em outros serviços dos hóspedes que alojaram em estabelecimentos da Madeira, com +3,8%, para 18,5 euros, Porto e Norte, com +3,3%, para 13,4 euros, e Centro, com +1,8%, para 14,9 euros.

 

Para ler mais clique:

Hotelaria portuguesa fecha 2016 com recordes de 19,1 milhões de hóspedes e 53,5 milhões de dormidas

Hotelaria portuguesa: 14 mercados, 14 recordes

Porto e Norte e Açores ganham mais em ano de recordes generalizados na hotelaria

Receita média de quartos da hotelaria portuguesa (RevPAR) passou pela primeira vez a marca dos 40 euros

Hotelaria portuguesa factura pela primeira vez mais de 150 euros por hóspede e bate máximo que datava de 2008

 

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vila Galé já tem acordo para edifício do Vila Galé Paulista em São Paulo - Jorge Rebelo de Almeida

17-10-2018 (17h17)

A Vila Galé já chegou a acordo para a aquisição de um edifício em São Paulo, que pretende transformar no hotel Vila Galé Paulista, o seu primeiro hotel na maior metrópole brasileira, que o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida, avançou ao PressTUR terá 110 quartos, restaurante, bar e piscina.

Construção do Vila Galé Costa do Cacau deverá começar em Abril/Maio – Jorge Rebelo de Almeida

17-10-2018 (17h09)

A construção do Vila Galé Costa do Cacau, um resort com 450 unidades de alojamento em Una, perto de Ilhéus, uma zona da Bahia celebrizada pelos livros de Jorge Amado, deverá começar em Abril/Maio de 2019, para concluir no final de 2020, avançou ao PressTUR o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida.

AHP confirma hotelaria portuguesa mais rentável mesmo com ocupação em queda

17-10-2018 (16h59)

O AHP Tourism Monitor publicado hoje pela AHP, Associação da Hotelaria de Portugal, indica que em Agosto, mês de maior actividade hoteleira em Portugal, apesar de uma queda da ocupação dos quartos em 1,3 pontos, a receita média de quartos por quarto disponível subiu 4%, ‘puxada’ por uma subida do preço médio de quartos em 6%.

W São Paulo abre em 2021 com assinatura de Nini Andrade Silva

16-10-2018 (14h16)

A Marriott International anunciou que vai abrir o seu primeiro hotel de luxo no Brasil em 2021, o W São Paulo, que terá a assinatura da designer portuguesa Nini Andrade Silva.

Receitas da hotelaria portuguesa crescem há 52 meses... mas abrandamento instala-se

15-10-2018 (17h00)

A hotelaria portuguesa concluiu em Agosto o 52º mês consecutivo de aumento dos proveitos, mas já sem os aumentos a dois dígitos que se sucediam desde o primeiro quadrimestre de 2014, tendo registado em Agosto o aumento mais fraco desde 2013, se excluídos os efeitos de calendário pelas alterações da data da Páscoa.