Golfe, empresas e lazer são a 'receita' do Sheraton Cascais para um ano de recordes - Pedro Santos, director-geral

06-02-2018 (16h12)

Foto: Sheraton Cascais
Foto: Sheraton Cascais

Golfe, reuniões de empresas, eventos e escapadas de fim-de-semana fazem o Inverno do Sheraton Cascais, enquanto no Verão é o "lazer puro e duro" que enche os quartos, assim descreveu ao PressTUR o director do hotel, Pedro Santos, a segmentação da procura da unidade hoteleira.

Com essa 'receita', o hotel teve "um ano de recordes" em 2017 e perspectiva superar esses resultados este ano.


PressTUR: Que balanço faz de 2017?

Pedro Santos: Foi um ano muito bom. Foi um ano em que superámos as nossas expectativas. Fechámos o ano com cerca de 70% de ocupação, o que é bastante bom em termos de resultado para a região de Cascais. Acabamos por estar muito bem posicionados para fazer um 2018 na mesma linha. Acho que 2017 é um ano positivo para todos em termos gerais do mercado. Nós sentimos que foi um ano de recordes. Esperemos que 2018 seja também um ano de recordes.


PressTUR: Que avaliação faz em relação a 2016?

Pedro Santos: Em 2016 nós tínhamos 56% de ocupação, subimos para quase 70% de ocupação. Nos últimos dois anos passámos da linha abaixo dos 50% e crescemos basicamente 20 pontos percentuais em taxa de ocupação. O que posso dizer é que não é só um aumento de ocupação, é um aumento também do preço médio. Aí têm feito muita diferença os investimentos que têm sido feitos na propriedade. O aumento do preço médio está muito ligado à qualidade do produto.


PressTUR: Pode precisar o aumento do preço médio?

Pedro Santos: Preferia dizer que em termos gerais estamos 12% acima da média da região.


PressTUR: Como são feitas as vossas vendas? Directas, em plataformas online, nas agências de viagens?

Pedro Santos: Temos uma distribuição muito transversal. Funcionamos com vários segmentos, sendo que o canal de vendas da própria Sheraton é um dos maiores canais de distribuição. Tendo o programa de loyalty, os clientes para terem os benefícios têm que fazer as reservas directamente na propriedade. Como é óbvio as OTA's [do inglês para agências de viagens online] continuam a crescer e continuam a ter um peso importante. Nós sentimos que a tour operação tradicional manteve-se mais ou menos parecida. O segmento de golfe também se manteve relativamente estável. O segmento que claramente continua a crescer muito é o online, e neste caso nós conseguimos aumentar a nossa quota. Em relação às OTA's conseguimos atrair mais negócio directo. Isto faz a diferença porque são menos custos que pagamos em comissões e acabamos por conseguir ter uma melhor performance.


PressTUR: De que países chegam os vossos hóspedes?

Pedro Santos: O nosso principal mercado é a Europa, que é muito tradicional nesta região. Trabalhamos muito com a América do Norte e com a América do Sul, mercados que reconhecem muito a marca. Esses mercados também aumentaram bastante. E temos a entrada principalmente este ano de alguns mercados novos emergentes como o caso da China e alguma Índia. A China principalmente com a entrada deste novo voo [da Beijing Capital Airlines entre Lisboa, Pequim e Hangzhou, iniciado em Julho de 2017].


PressTUR: Têm hóspedes portugueses?

Pedro Santos: Sim, temos. Principalmente a nível corporativo, muito para reuniões e eventos. E temos os weekend breakers, os que aproveitam os fins-de-semana. O mercado português para nós está em nº2, sendo que é um mercado muito ligado à área corporativa. Faz bastante diferença principalmente por causa da sazonalidade, porque estes mercados vêm principalmente fora da época alta.


PressTUR: O que procuram os hóspedes do Sheraton Cascais?

Pedro Santos: São muito distribuídos ao longo do ano, o que permite minimizar a sazonalidade que Cascais ainda sente. Conseguimos trabalhar vários segmentos. Em épocas baixas, o mercado corporate com bastantes reuniões e eventos. E o segmento de golfe - estamos rodeados por nove campos de golfe na região. Temos clientes corporativos que acabam por fazer estadias mais longas, porque a nossa propriedade oferece condições diferenciadas em termos de dimensão das unidades. Depois temos o normal, o lazer, que ocupa grande parte a partir de Abril até ao fim de Outubro.


PressTUR: Então no Verão têm os clientes de lazer e no Inverno as reuniões e eventos. É isso?

Pedro Santos: Reuniões, eventos e golfe, porque nós temos golfe logo a partir de Fevereiro. A partir de Maio o golfe abranda porque começa a ficar muito quente para eles. Aí começa o lazer puro e duro. As reuniões acabam por funcionar o ano inteiro, excepto em Julho e Agosto. Nota-se uma grande diferença no Inverno quando as empresas aproveitam o fim ou início do ano para fazer as reuniões e lançamentos. Num mês como Janeiro ou Fevereiro essas reuniões têm um peso muito grande na propriedade. Num mês como Maio ou Junho, em que há muitos congressos e eventos em Lisboa que acabam por chegar a Cascais - porque Lisboa com a forte taxa de ocupação que tem acaba por fazer chegar a Cascais esses eventos - aí sentimos que é mais diluído. Numa taxa de ocupação na casa dos 90% a 100% esses 20 a 30% de reuniões não têm tanto peso como têm num Janeiro com taxas de ocupação na casa dos 40/50%.


Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Accor vai estrear marca Jo&Joe no Rio de Janeiro

21-06-2018 (16h22)

A AccorHotels anunciou que vai estrear a sua marca Jo&Joe no Rio de Janeiro, no Brasil, ocupando seis casarões no Largo do Boticário, no bairro de Cosme Velho, através de um investimento de cerca de 50 milhões de reais, aproximadamente 11,5 milhões de euros.

Quinta da Pacheca aumenta capacidade hoteleira com investimento de 4,9 milhões de euros

21-06-2018 (11h33)

A unidade hoteleira The Wine House Hotel Quinta da Pacheca, localizada no Douro, está a desenvolver um projecto de renovação e aumento da sua oferta com um investimento de 4,9 milhões de euros.

Be Live Hotels incorpora dois novos hotéis em Varadero

19-06-2018 (11h33)

A Be Live Hotels, divisão hoteleira do grupo Globalia, incorporou dois novos hotéis de 4-estrelas em Varadero, elevando a sua oferta hoteleira em Cuba para 1.502 quartos em sete unidades.

Taxa turística de Gaia começa em Setembro com valores diferentes para época alta e baixa

19-06-2018 (09h42)

A “Taxa de Cidade de Vila Nova de Gaia”, como foi baptizada a taxa turística de Gaia, entra em vigor em Setembro e vai custar dois euros em época alta e metade em época baixa.

Hotelaria portuguesa tem este ano o crescimento mais fraco das dormidas no 1º quadrimestre desde 2013

15-06-2018 (18h01)

O alojamento turístico português terminou o primeiro quadrimestre com um aumento das dormidas em apenas 1,6%, que é a variação mais fraca desde 2013, em que teve um aumento em 0,7% nos primeiros quatro meses.