Fairmont abre Peace Hotel em Xangai e revitaliza “ícone” da hotelaria na China

02-08-2010 (10h24)

O grupo hoteleiro Fairmont abriu o Fairmont Peace Hotel, em Xangai, considerado um dos “maiores ícones” da hotelaria chinesa, totalmente revitalizado.

A unidade oferece 270 quartos de lixe e suites, seis restaurantes e lounges, entre eles o famoso Jazz Bar, uma “instituição” em Xangai desde 1930, indica a Fairmont em comunicado.
O lendário hotel, que encerrou em 2007, tendo depois entrado em intensos trabalhos de restauração, foi inaugurado a 1 de Agosto de 1929, e era conhecido como “a mansão numero Um no Extremo Oriente”, devido à sua localização sobre a marginal de Xangai e pelo luxo que apresentava, como o tecto em bronze trabalhado, chãos em mármore, e os trabalhos em vidro de Lalique, refere a Fairmont.
Entre a oferta de restauração o hotel dispõe ainda do restaurante de gastronomia chinesa de assinatura, Dragon Phoenix, e The Cathay Room, com vistas únicas sobre a marginal, e o afamado Peace Hall, com chão em madeira de carvalho.
Os quartos que revivem uma atmosfera do período de 1930 dispõem das comodidades modernas, como ecrã plasma, DVD Blu-ray, internet wireless e de banda larga, máquina de café expresso e lençóis em linho do Egipto.
O edifício apresenta ainda uma nova extensão, que vai incluir uma piscina e um Spa Willow Stream.

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Cascais também duplica taxa turística em 2019

15-11-2018 (16h56)

O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, disse hoje no Congresso da AHP, a decorrer em Lisboa, que vai acompanhar Lisboa no aumento da a taxa turística em 2019, de um para dois euros por noite.

Crescimento dos proveitos da hotelaria portuguesa tende a ‘aterrar’

15-11-2018 (15h43)

O crescimento dos proveitos da hotelaria portuguesa foi em Setembro o mais fraco dos 53 meses que já levam de alta, e com uma queda significativa na área metropolitana de Lisboa, na ordem dos cinco milhões de euros.

Quebra da hotelaria portuguesa não está tanto nas chegadas de turistas, mas no tempo que permanecem

15-11-2018 (13h22)

As quebras de dormidas de turistas residentes no estrangeiro na hotelaria portuguesa deve-se mais à redução do seu tempo médio de permanência do que a decréscimo das chegadas, que até estão com um ligeiro aumento e atingem um novo recorde para os primeiros nove meses, concluiu o PressTUR dos dados divulgados hoje pelo INE.

“Dormidas de não residentes continuaram a diminuir”, diz balanço do INE relativo a Setembro

15-11-2018 (11h30)

Os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses tiveram em Setembro uma queda das dormidas de turistas residentes no estrangeiro em 4,9%, depois de descidas de 4,7% em Agosto, de 4,5% em Julho e de 5,5% em Junho.

Quebra da ocupação hoteleira “não será razão para reduzir os preços, mas sim para aumentar o valor” – Raul Martins, AHP

15-11-2018 (11h11)

O presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Raul Martins, sustentou hoje que a diminuição da ocupação hoteleira “não será razão para reduzir os preços, mas sim para aumentar o valor percepcionado e o serviço prestado”.