Espanha foi o único dos grandes emissores europeus a crescer em 2018 na hotelaria portuguesa

14-02-2019 (16h26)

Gráfico: INE
Gráfico: INE

Quatro dos cinco principais emissores europeus para a hotelaria portuguesa evoluíram em baixa no ano passado, acumulando uma quebra de 1,3 milhões de dormidas, que apenas muito parcialmente foi compensada pelo aumento da única excepção, de Espanha, cujos residentes fizeram mais 78,3 mil que em 2017.

Os dados publicados hoje pelo INE mostram os residentes no Reino Unido com a maior quebra de pernoitas do ano, com menos quase 698 mil que em 2017 (-7,5%, para 8,59 milhões), seguidos pelos residentes nos Países Baixos, com menos 271 mil (-11,4%, para 2,1 milhões), residentes na Alemanha, com menos 240 mil (-4,3%, para 5,4 milhões) e residentes em França, com menos 108 mil (-2,7%, para 3,86 milhões).

Ainda assim, Reino Unido e Alemanha mantiveram-se os dois maiores emissores internacionais para a hotelaria portuguesa, representando , respectivamente, 14,9% e 9,4% das dormidas totais e 21% e 13,2% das dormidas de residentes no estrangeiro.

Espanha manteve-se o 3º maior emissor, representando 7,2% das dormidas totais e 10,1% das dormidas de estrangeiros, seguida por França, que representou 6,7% das dormidas totais e 9,4% das dormidas de estrangeiros, e os Países Baixos caíram para 6º maior emissor, depois do Brasil, representando 3,7% das dormidas totais e 5,2% das dormidas de estrangeiros.

Acresce que além de Reino Unido, Alemanha, França e Países Baixos, a hotelaria portuguesa teve ainda quebras de dormidas de residentes na Irlanda (-0,4%, para 1,5 milhões), Itália (-3,7%, para 1,28 milhões), Bélgica (-2,8%, para 855,8 mil), Polónia (-15,4%, para 821,6 mil), Suíça (-4,1%, para 743,2 mil) e Dinamarca (-7%, para 525 mil), evidenciando que a queda de dormidas de estrangeiros no ano passado não é explicável apenas pela falência de companhias aéreas como a Air Berlin, a Monarch ou a Germania.

De facto, os dados do INE mostram que além do mercado dos residentes em Portugal e dos residentes no Brasil, Estados Unidos, Canadá e Espanha, a hotelaria portuguesa teve aumentos apenas de pernoitas de residentes na Suécia (+1,3%,para 682,3 mil) e dos chamados emergentes, agrupados no conjunto “outros” (+1,8%, para 5,52 milhões.

 

Para ler mais clique:

Mercado dos portugueses ‘salva’ hotelaria face a quebra do turismo internacional em 2018

Estada média foi o que ‘tramou’ a hotelaria portuguesa em 2018

Subida de preços garante 6º ano consecutivo de subida de proveitos da hotelaria portuguesa

Estados Unidos foi o emissor internacional que mais aumentou dormidas na hotelaria portuguesa em 2018

 

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

VIP Hotels abre hotel de 4-estrelas em Picoas, Lisboa

25-03-2019 (17h59)

A VIP Hotels anunciou a inauguração do VIP Executive Picoas Hotel, em Lisboa, uma unidade de 4-estrelas com 131 quartos, bar, restaurante e uma sala para reuniões e eventos.

Vila Galé Douro Vineyards abre na próxima segunda-feira

25-03-2019 (16h08)

A Vila Galé anunciou que vai abrir em ‘soft opening’ na próxima segunda-feira, dia 1 de Abril, o seu novo hotel no Norte de Portugal, o Vila Galé Douro Vineyards, que terá exposta uma obra de Saimir Strati, um artista plástico premiado com dez recordes mundiais do Guinness.

Oásis Atlântico nomeia Gonçalo Ramos director dos seus hotéis em Saïdia

25-03-2019 (12h27)

O grupo hoteleiro Oásis Atlântico contratou Gonçalo Ramos, ex-director do resort Villa Termal Caldas de Monchique, para o cargo de director dos seus dois novos hotéis na zona balnear de Saïdia, Marrocos, previstos abrir no final de Maio.

Club Med fecha resort na ilha de Itaparica, na Bahia

22-03-2019 (08h32)

O Club Med vai encerrar a 31 de Julho o seu resort na ilha de Itaparica, no estado brasileiro da Bahia, indicando que “já não se encontrava à altura das expectativas e exigências dos nossos clientes”.

Projecto de lei aprovado reduz quartos para pessoas com mobilidade reduzida no Brasil

21-03-2019 (18h25)

O projecto de lei que retira o limite ao investimento estrangeiro em companhias aéreas brasileiras também vai alterar pontos na Política Nacional de Turismo do Brasil, como a redução da percentagem do número de quartos para pessoas com mobilidade reduzida.