Entre hotéis e alojamento local “a concorrência não existe”, defende presidente da AHP

11-11-2017 (11h49)

"Às vezes pensa-se que a AHP está contra o alojamento local. Nós não estamos contra o alojamento local. Quem vai para o alojamento local não vai para os hotéis. A concorrência não existe", defende o presidente da AHP, Raul Martins, para sustentar que o que preocupa a Associação é uma eventual descaracterização do destinos, seja por excesso de alojamento local ou de hotéis.

Questionado pelo PressTUR se a equidade fiscal entre hotéis e alojamento local ainda era uma preocupação para a hotelaria, Raul Martins contrapõe: “estamos preocupados [é] com [a] descaracterização da cidade” e “com o reflexo negativo que haja por causa do comportamento de certos turistas”.

 

PressTUR: A AHP manifestou grandes preocupações ao nível do alojamento local, em termos de equidade. O argumento era: se nós pagamos impostos, ele também têm que pagar...

Raul Martins: Nós pensamos que o alojamento local tem que existir. Aliás, já existe há muitos anos. Agora chama-se alojamento local mas já existe há muitos anos de uma forma informal. A situação de identificar o alojamento local foi nesse sentido, para se identificar. Simplesmente o excesso de liberalização com que foi feito [a legislação do] o alojamento local deu nos abusos que deu. Eu acho que o alojamento local devia pagar mais imposto do que quem faz arrendamento normal. Mas é ao contrário. Nós pedimos um estudo à Universidade Nova que disse que o alojamento local devia ter autorização dos condóminos. Foi uma pedrada no charco. Mas agora os políticos começam a olhar para a situação porque num prédio de cinco andares têm um proprietário que vota a favor deles, porque tem lá alojamento local, e depois tem quatro que votam contra. Cuidado. A situação do alojamento local tem que ser regulada. Ela foi legalizada com excesso de liberalização. E nós sabemos que o anterior secretário de Estado o fez intencionalmente. Já houve uma correcção em relação à tributação, mas nós pensamos que tem que haver mais do que isso.

 

PressTUR: A legislação abriu as portas ao empresário do alojamento local…

Raul Martins: Às vezes pensa-se que a AHP está contra o alojamento local. Nós não estamos contra o alojamento local. Quem vai para o alojamento local não vai para os hotéis. A concorrência não existe. Está fora de causa. Quem vai para o alojamento local sujeita-se a uma série de situações. Não sabe a que horas vai poder tomar banho. Mas é uma experiência. Um dia mais tarde são capazes de querer vir para hotéis. Não fazem concorrência à hotelaria. O que nós achamos é que senão houver controlo passa a haver uma reacção negativa ao turista, que é o que aconteceu em Barcelona. E que em certa medida começa a acontecer um bocadinho em Lisboa. Há uma reacção negativa ao turista. Quando há uma reacção negativa ao turista, alto que já estamos a ser atingidos.

 

PressTUR: Há empresários que têm cem alojamentos locais. A esse nível está tudo resolvido?

Raul Martins: Desde que paguem impostos tudo bem. Esse problema não é nosso, é dos proprietários. Hoje em dia há um conflito de interesse entre os proprietários que querem alojamento local e os que não querem e estão no mesmo prédio.

 

PressTUR: Já não levantam a questão da equidade fiscal?

Raul Martins: Não. Quem tem que regular essa situação é o Governo. Já o fez em certa medida. Agora, estamos preocupados com descaracterização da cidade. E estamos preocupados com o reflexo negativo que haja por causa do comportamento de certos turistas.

 

PressTUR: Quem hoje vai ao TripAdvisor, Booking, etc., tem lá lado a lado hotéis e alojamentos locais.

Raul Martins: Sim. Mas isso para nós não é problema.

 

PressTUR: Mas portanto, concorrência, há...

Raul Martins: Não é concorrência porque são segmentos de mercado diferentes. Há pessoas que gostam de andar de automóvel e há pessoas que gostam de andar de comboio. E há pessoas que gostam das duas coisas. Eu gosto imenso de andar de comboio e não gosto de conduzir automóvel, por exemplo. Mas às vezes tenho que ir a um sítio onde não há comboio e tenho que ir de automóvel. Aqui na situação do alojamento local e dos hotéis não há concorrência, são produtos diferentes. Têm clientes diferentes.

 

PressTUR: Mesmo estando nas mesmas plataformas?

Raul Martins: Sim. Não há concorrência. Você vai para um hotel, tem um quarto com uma casa de banho. Vai à casa de banho quando quer. Deita-se à hora que quer. Você vai para um alojamento local e tem uma casa de banho para oito pessoas. Já não é a mesma coisa.

 

PressTUR: Muitas vezes tem uma casa para ele sozinho...

Raul Martins: Isso é raro.

 

PressTUR: Muitas vezes uma família prefere estar junta e portanto aluga uma casa inteira.

Raul Martins: Os hotéis têm quartos comunicantes por causa disso. Mas às vezes não há quartos comunicantes nos hotéis que cheguem. Portanto, nada mais natural que uma família que viaja vá para situações de alojamento local. Não tem o Spa, não tem a piscina, não tem room service... O que também acontece é pessoas a entrar no hotel com o sumo e a sandes ali da Padaria Portuguesa. Mas essa pessoa preferiu de qualquer forma estar no hotel que no alojamento local. Quer outras comodidades. Quer ter uma casa de banho só para ele.

 

PressTUR: Estávamos a referir-nos mais ao alojamento local que tem todas essas condições básicas.

Raul Martins: Mas aí o erro é do RJET [Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos], de que nós já pedimos a revisão. Há situações de prédios em alojamento local que só são alojamento local porque não podem ser apartamentos turísticos. Os apartamentos turísticos têm uma legislação demasiado apertada e desactualizada. É só por isso. Aí é que está o erro, o erro é do regulamento.

 

PressTUR: Para o empresário seria mais favorável o apartamento?

Raul Martins: Hoje em dia há pessoas que fizeram o empreendimento em alojamento local porque foi tudo mais fácil em termos de aprovação e agora pedem autorização para passar para hotel. Já houve alguns que passaram e outros estão a passar.

 

Continua:

AHP faz avaliação positiva deste Governo, afirma presidente da Associação 

Aeroporto de Lisboa e RJET são as prioridades da ‘agenda’ da AHP

 

Ver também:

Calendário da solução aeroportuária para Lisboa “não está a ser respeitado”, alerta Raul Martins, presidente da AHP

“ATL terá que desenvolver soluções que façam prolongar a estadia”, defende Raul Martins

Redução da verba para promoção no Orçamento de Estado “é um contra-senso”

“Se temos qualidade, podemos ter melhor preço”, defende presidente da AHP

“Nós não estamos contra a Booking. Só estamos contra a cláusula de paridade” — presidente da AHP

“Tem que haver um controlo sobre o alojamento”, defende Raul Martins

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Quinta da Pacheca aumenta capacidade hoteleira com investimento de 4,9 milhões de euros

21-06-2018 (11h33)

A unidade hoteleira The Wine House Hotel Quinta da Pacheca, localizada no Douro, está a desenvolver um projecto de renovação e aumento da sua oferta com um investimento de 4,9 milhões de euros.

Be Live Hotels incorpora dois novos hotéis em Varadero

19-06-2018 (11h33)

A Be Live Hotels, divisão hoteleira do grupo Globalia, incorporou dois novos hotéis de 4-estrelas em Varadero, elevando a sua oferta hoteleira em Cuba para 1.502 quartos em sete unidades.

Taxa turística de Gaia começa em Setembro com valores diferentes para época alta e baixa

19-06-2018 (09h42)

A “Taxa de Cidade de Vila Nova de Gaia”, como foi baptizada a taxa turística de Gaia, entra em vigor em Setembro e vai custar dois euros em época alta e metade em época baixa.

Hotelaria portuguesa tem este ano o crescimento mais fraco das dormidas no 1º quadrimestre desde 2013

15-06-2018 (18h01)

O alojamento turístico português terminou o primeiro quadrimestre com um aumento das dormidas em apenas 1,6%, que é a variação mais fraca desde 2013, em que teve um aumento em 0,7% nos primeiros quatro meses.

Proveitos da hotelaria portuguesa resistem ao abrandamento da procura via preços

15-06-2018 (17h58)

Apesar de um abrandamento do crescimento das dormidas para 1,6%, os proveitos mantiveram-se a crescer próximo dos 10%, suportados por um aumento em 7,7% dos proveitos por dormida, com realce para os aumentos em 8,2% nas regiões de Lisboa e Centro.