Empresas hoteleiras ainda estão a recuperar, apesar de 2017 “excelente”

01-03-2018 (14h12)

A hotelaria portuguesa teve um ano de 2017 "excelente", com aumento da RevPAR, ocupação e preço médio, mas as empresas ainda estão a recuperar de um período negativo longo que aconteceu "há muito pouco tempo", frisou a presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira.

A receita de quarto por quarto disponível (RevPAR), segundo os dados da AHP apresentados por Cristina Siza Viera esta quinta-feira na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), alcançou os 63 euros, um crescimento de 15% face a 2016.

Lisboa registou a RevPAR mais elevada, com 85 euros, seguido do Algarve, com 66 euros, e Grande Porto, com 63 euros.

Os aumentos mais fortes da RevPAR no ano passado registaram-se em Leiria/Fátima/Templários, em 28%, e Viseu, em 25%, acrescentam os dados da AHP.

“O RevPAR foi sobretudo puxado pelo preço médio por quarto ocupado”, salientou Cristina Siza Vieira, indicando que este indicador cresceu 10%, para 88 euros, com Lisboa a registar o preço médio mais elevado, com 107 euros, e o aumento mais forte, em 14%.

A taxa de ocupação média atingiu os 71%, mais três pontos percentuais que no ano anterior, com a mais elevada a registar-se na Madeira, com 83%, enquanto Lisboa e Porto alcançaram 80% e 76%, respectivamente.

Os dados da AHP indicam que Portugal fechou 2017 com 1.286 hotéis, mais 45 que no ano anterior, com Lisboa a registar o maior aumento, com 18 novas unidades hoteleiras.

Os três indicadores principais, RevPAR, preço médio por quarto ocupado e taxa de ocupação, registaram crescimentos expressivos, resumiu Cristina Siza Vieira, mas “uma andorinha não faz a primavera”.

“Quando comentamos que o estado das empresas ainda está a recuperar de anos muito maus, é isto que estes resultados espelham”, começou por dizer, ao apresentar um gráfico sobre o desempenho da hotelaria portuguesa nos últimos dez anos.

“Foram muitos anos com um RevPAR muito baixo”, que até cresceu em 2011 e voltou a cair em 2012, para 38 euros. “Foram anos muito difíceis”, concluiu.

Os dados da Associação indicam que nos últimos dez anos o RevPAR cresceu 3,7%, o preço médio por quarto ocupado subiu 2,9% e a taxa de ocupação, 0,6 pontos percentuais.

 

Ver também:

Hoteleiros portugueses prevêem receitas, preços e ocupação em alta em 2018

Mais de metade dos hotéis que vão abrir em 2018 estão em Lisboa e no Porto - AHP

 

Clique para mais notícias: AHP

Clique para mais notícias: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Apoios do Governo para projectos turísticos no interior de Portugal ascendem a 310 milhões de euros

15-02-2019 (17h11)

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, afirmou hoje que o Governo apoiou com cerca de 310 milhões de euros investimentos no sector do turismo no interior do país, no âmbito dos programas Valorizar e Portugal 2020.

Espanha foi o único dos grandes emissores europeus a crescer em 2018 na hotelaria portuguesa

14-02-2019 (16h26)

Quatro dos cinco principais emissores europeus para a hotelaria portuguesa evoluíram em baixa no ano passado, acumulando uma quebra de 1,3 milhões de dormidas, que apenas muito parcialmente foi compensada pelo aumento da única excepção, de Espanha, cujos residentes fizeram mais 78,3 mil que em 2017.

Estados Unidos foram emissor internacional que mais aumentou dormidas na hotelaria portuguesa em 2018

14-02-2019 (16h21)

Os Estados Unidos subiram em 2018 a 7º principal emissor internacional para a hotelaria portuguesa, ultrapassando a Irlanda, por um aumento de 313,2 mil pernoitas, que foi o maior do ano de todos os mercados internacionais, seguido pelo Brasil, com mais 189,8 mil, e Canadá, com mais 105,5 mil.

Subida de preços garante 6º ano consecutivo de subida de proveitos da hotelaria portuguesa

14-02-2019 (16h16)

A hotelaria portuguesa manteve em 2018 a tendência de subida de proveitos que iniciou em 2013, mas com suporte apenas nos preços, o que levou a um acentuado abrandamento do crescimento das receitas, que foi superior a 17% nos anos de 2016 e 2017 e no ano passado baixou para 6,5%.

IHG compra dona do Six Senses Douro Valley por 265 milhões de euros

14-02-2019 (14h35)

O InterContinental Hotels Group (IHG) comprou a Six Senses Hotels Resorts Spas, que, entre outros hotéis, gere desde 2015 o Six Senses Douro Valley, em Lamego, por 300 milhões de dólares, cerca de 265 milhões de euros.