CEO da Nau Hotels perspectiva “um ano muito positivo para o grupo”

28-06-2016 (16h11)

Números “absolutamente espectaculares” no Inverno e reservas já efectuadas para o Verão permitem perspectivar “um ano muito positivo para o grupo Nau”, anunciou hoje o seu CEO, Mário Ferreira, que prevê um aumento da facturação em 25%.

“É um ano muito positivo para Portugal”, com “os mercados de origem dos turistas europeus” a terem “menos alternativas hoje do que tinham há uns anos atrás”, começou por dizer Mário Ferreira num encontro com a imprensa esta manhã em Lisboa.

“O contexto internacional é positivo”, mas “depois há que fazer por isso e nós conseguimos, ano após ano – este já é o quarto ano desta equipa de gestão –, incrementar e melhorar de forma muito consistente a nossa credibilidade no mercado internacional”, prosseguiu.

Esse reconhecimento internacional permitiu à Nau Hotels & Resorts receber na Herdade dos Salgados “um grande evento de lançamento de uma marca automóvel, que nos garantiu um Inverno de muita actividade”.

Esse evento, segundo Mário Ferreira, proporcionou um “aumento do tráfego aéreo no aeroporto de Faro sobretudo com aviões provenientes da Alemanha, sem que isso tenha uma tradução no número de turistas alemães”.

“Durante dois meses e meio houve três e quatro charters por dia que traziam clientes vindos da Alemanha para o nosso evento do novo Volkswagen Tiguan na Herdade dos Salgados”, acrescentou.

O CEO da Nau destaca assim que este ano houve “um aumento do número de congressos nacionais e internacionais em Abril e Maio e até meados de Junho e uma consolidação da nossa operação de golfe de Inverno”.

Desta forma, resume Mário Ferreira, “tivemos números de Inverno absolutamente espectaculares, os melhores da actual gestão”.

As reservas para o Verão, por sua vez, permitem “confirmar as nossas expectativas de ocupação e facturação”, pelo que “será portanto um ano muito positivo para o grupo Nau”.

Em 2015 a facturação do grupo Nau, incluindo a actividade de golfe, esteve muito próximo dos 40 milhões de euros, e para este ano a previsão é um crescimento de 25%, avançou Mário Ferreira.

 

Ver também:

 

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Nau Hotels & Resorts

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vila Galé já tem acordo para edifício do Vila Galé Paulista em São Paulo - Jorge Rebelo de Almeida

17-10-2018 (17h17)

A Vila Galé já chegou a acordo para a aquisição de um edifício em São Paulo, que pretende transformar no hotel Vila Galé Paulista, o seu primeiro hotel na maior metrópole brasileira, que o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida, avançou ao PressTUR terá 110 quartos, restaurante, bar e piscina.

Construção do Vila Galé Costa do Cacau deverá começar em Abril/Maio – Jorge Rebelo de Almeida

17-10-2018 (17h09)

A construção do Vila Galé Costa do Cacau, um resort com 450 unidades de alojamento em Una, perto de Ilhéus, uma zona da Bahia celebrizada pelos livros de Jorge Amado, deverá começar em Abril/Maio de 2019, para concluir no final de 2020, avançou ao PressTUR o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida.

AHP confirma hotelaria portuguesa mais rentável mesmo com ocupação em queda

17-10-2018 (16h59)

O AHP Tourism Monitor publicado hoje pela AHP, Associação da Hotelaria de Portugal, indica que em Agosto, mês de maior actividade hoteleira em Portugal, apesar de uma queda da ocupação dos quartos em 1,3 pontos, a receita média de quartos por quarto disponível subiu 4%, ‘puxada’ por uma subida do preço médio de quartos em 6%.

W São Paulo abre em 2021 com assinatura de Nini Andrade Silva

16-10-2018 (14h16)

A Marriott International anunciou que vai abrir o seu primeiro hotel de luxo no Brasil em 2021, o W São Paulo, que terá a assinatura da designer portuguesa Nini Andrade Silva.

Receitas da hotelaria portuguesa crescem há 52 meses... mas abrandamento instala-se

15-10-2018 (17h00)

A hotelaria portuguesa concluiu em Agosto o 52º mês consecutivo de aumento dos proveitos, mas já sem os aumentos a dois dígitos que se sucediam desde o primeiro quadrimestre de 2014, tendo registado em Agosto o aumento mais fraco desde 2013, se excluídos os efeitos de calendário pelas alterações da data da Páscoa.