Castelo de Vila Nova de Cerveira recebeu três propostas para exploração

28-08-2019 (15h55)

Três empresas portuguesas apresentaram propostas ao concurso público para a concessão para fins turísticos do castelo de Vila Nova de Cerveira, processo que deverá estar terminado até final do ano, disse hoje à Lusa o presidente da câmara.

Contactado pela Lusa, a propósito da conclusão do prazo para a apresentação do procedimento, lançado no dia 25 de Julho ao abrigo do programa Revive, Fernando Nogueira explicou que as propostas das três empresas, ligadas aos sectores de hotelaria e restauração, vão agora "ser analisadas e, posteriormente, submetidas à apreciação do júri do concurso para a elaboração do relatório preliminar".

As fases seguintes, passam pela realização de "uma audiência prévia, elaboração do relatório final e adjudicação".

"A expectativa é a de que finalmente possa haver uma solução que valorize e dignifique o Castelo de Cerveira, o ex-libris do nosso concelho. Dando seguimento aos procedimentos necessários e aos prazos estabelecidos, é expectável que o processo possa estar concluído até ao final do ano", referiu Fernando Nogueira.

Em causa está o castelo com origens no século XIII, mandado construir pelo rei Dom Dinis, classificado como monumento nacional onde até finais de 2008 funcionou a pousada com o mesmo nome. Na altura, enquanto Pousada de Portugal, integrava o grupo Pestana, que a encerrou a pretexto de obras de reabilitação.

Desde então, tanto o anterior executivo municipal como o actual têm tentado ultrapassar o impasse, face a várias manifestações de interesse de promotores privados e como forma também de travar o estado de degradação do imóvel.

O primeiro concurso para a concessão do imóvel foi lançado pelo Instituto do Turismo de Portugal, em Janeiro, a que concorreram duas empresas, mas acabou "extinto", por "razões administrativas" (clique para ler: Turismo de Portugal abre novo concurso para a concessão do Castelo de Vila Nova de Cerveira).

/empresas---negocios/turismo-de-portugal-abre-novo-concurso-para-a-concessao-do-castelo-de-vila-nova-de-cerveira-2/

Em Julho avançou nova tentativa, cujo prazo para a apresentação de propostas terminou às 23:59 de 27 de Agosto, e a que concorreram três empresas.

"Esperamos que esta notícia seja a preparação da prenda de aniversário dos 700 anos da fundação de Vila Nova de Cerveira, que se assinala a 1 de Outubro de 2021", frisou o autarca Fernando Nogueira.

O imóvel, propriedade da Direção-Geral do Tesouro e Finanças (DGTF), é um dos 10 edifícios incluídos no programa Revive para serem concessionados a privados, com o compromisso de que sejam recuperados, reabilitados e acessíveis ao público.

O castelo, classificado como monumento nacional, é considerado a "joia da coroa" de Vila Nova de Cerveira.

O impasse em que o processo se encontra desde 2008 levou mesmo, em 2011, no mandato do executivo anterior, à desistência de um grupo alemão interessado em criar um hotel de charme ligado às artes.

O estado de "avançada degradação" em que se encontra o imóvel levou a Assembleia Municipal a aprovar, em 2015, uma moção intitulada "Em Defesa da Clarificação do Futuro do Castelo".

O documento foi enviado ao Presidente da República, primeiro-ministro, ministra de Estado e das Finanças, secretário de Estado das Finanças, Direção Geral do Tesouro e Finanças, aos grupos parlamentares com assento na Assembleia da República, entre outras entidades.

A pousada foi inaugurada a 3 de Setembro de 1982 e possuía restaurante, bar e 29 quartos, alguns com pequenos pátios totalmente privados para os seus hóspedes.

Lançado em 2016, o Revive é um programa conjunto dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças, que visa promover a recuperação e a requalificação de imóveis públicos classificados que estão sem uso, através da concessão a privados para exploração para fins turísticos.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Portugal é “um mercado muito importante” onde a Globalia quer crescer — Javier Hidalgo, CEO

22-01-2020 (14h32)

A Globalia, dona da Air Europa e dos hotéis Be Live, entre outras empresas de turismo, como o operador Travelplan, presente em Portugal, vê o país como um mercado "muito importante" onde ambiciona crescer em várias áreas de negócio, disse ao PressTUR Javier Hidalgo, CEO do grupo.

Vila Galé chega aos Açores em 2021

20-01-2020 (20h37)

O Grupo Vila Galé vai estrear-se nos Açores em 2021, com a abertura de um hotel com 100 quartos em Ponta Delgada, São Miguel, anunciou esta segunda-feira o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida.

Vila Galé fechou 2019 com mais três milhões de euros de receitas em Portugal

20-01-2020 (19h51)

As receitas do grupo Vila Galé em Portugal, onde tem 25 hotéis, ascenderam a 115 milhões de euros em 2019, um aumento de cerca de 2,7% ou três milhões face ao ano anterior, disse o administrador do grupo, Gonçalo Rebelo de Almeida.

China supera Bélgica entre os principais mercados para o grupo Vila Galé

20-01-2020 (19h50)

O grupo Vila Galé notou no ano passado "alguma desaceleração dos mercados europeus tradicionais para Portugal", compensada pela subida de alguns mercados asiáticos, como a China, que superou a Bélgica entre os principais emissores, disse o administrador do grupo, Gonçalo Rebelo de Almeida.

Mudança nos mercados de origem pode explicar quebra da estada média nos hotéis Vila Galé

20-01-2020 (19h38)

A quebra da estada média nos hotéis Vila Galé em Portugal pode estar associada às mudanças nos mercados de origem, numa altura em que cresce o número de hóspedes de países longínquos, que tendem a ficar menos noites, e baixam alguns dos principais emissores europeus.

Noticias mais lidas