ALEP defende que diploma do alojamento local “tem que ser clarificado”

03-08-2018 (16h32)

A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) pretende “sensibilizar os legisladores” para que o diploma promulgado esta semana pelo Presidente da República seja “clarificado”, sob pena de contribuir apenas para criar “ainda mais confusão”.

A Associação, presidida por Eduardo Miranda, declarou-se “insatisfeita” com a promulgação e apelou à correcção da lei por parte dos deputados.

O presidente da ALEP disse à Agência Lusa que esperava que Marcelo Rebelo de Sousa “percebesse que esse diploma tinha que voltar para trás, que esse diploma tinha que receber um veto”, e lamentou a “pressão de tempo” em todo o processo legislativo.

“Ninguém teve acesso ao texto final do diploma antes do envio ao Presidente da República”, já que foi alterado e corrigido o texto aprovado, em votação final global, no parlamento, acrescentou Eduardo Miranda, para justificar que, assim, “não foi possível explicar porque é que esse diploma deveria ser vetado”, razão pela qual considera que a decisão do Presidente da República podia ter sido outra, se tivesse sido alertado para “uma série de inconsistências, erros e até conflitos jurídicos” na alteração à lei do alojamento local.

Aproveitando as ressalvas feitas por Marcelo Rebelo de Sousa, nomeadamente a existência de “soluções pontuais questionáveis e de difícil conjugação de alguns preceitos legais”, a ALEP pretende “sensibilizar os legisladores de que este diploma tem que ser clarificado, algumas questões vão ter que ser alteradas sob o risco de não terem eficácia ou sob o risco de, em vez de criarem aquilo que sempre se precisou que foi estabilidade, - estamos há mais de um ano neste ambiente de indecisão, o que se esperava é que se conseguisse estabilizar com esta nova lei -, o que vai criar é ainda mais confusão com a nova lei”.

“Vamos continuar a mostrar e a sensibilizar que esta solução não é uma boa solução, nem para o país, nem para as cidades, nem para os próprios condomínios”, afirmou Eduardo Miranda, indicando que, “ainda depois de promulgado, o diploma contem erros”.

Neste sentido, a associação vai analisar cada um dos aspectos do diploma e a quem recorrer, “alguns deles aos próprios deputados, desafiando a fazerem as devidas correções”, nomeadamente no caso dos seguros para o alojamento local, que está “complementarmente confuso e ninguém sabe o que é que vai ser necessário”, já que existem três seguros distintos.

Relativamente à intervenção das Câmaras Municipais, o presidente da ALEP defendeu que é preciso clarificar o diploma, definindo “critérios objectivos”, como por exemplo “o que é que são zonas de pressão onde as câmaras podem actuar”.

Se não for corrigido e clarificado o papel das autarquias na regulamentação do alojamento local, o diploma vai colocar as Câmaras Municipais “em conflito com a legislação comunitária”, o que levará a associação a “mostrar à Comissão Europeia a forma como o Estado Português está a violar a Directiva de Serviços”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Ver também:

Presidente promulga diploma que estabelece novas regras para o alojamento local

Alojamento local recebeu mais 28,8% de hóspedes em 2017

 

Clique para ver mais: Alojamento local

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Apoios do Governo para projectos turísticos no interior de Portugal ascendem a 310 milhões de euros

15-02-2019 (17h11)

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, afirmou hoje que o Governo apoiou com cerca de 310 milhões de euros investimentos no sector do turismo no interior do país, no âmbito dos programas Valorizar e Portugal 2020.

Espanha foi o único dos grandes emissores europeus a crescer em 2018 na hotelaria portuguesa

14-02-2019 (16h26)

Quatro dos cinco principais emissores europeus para a hotelaria portuguesa evoluíram em baixa no ano passado, acumulando uma quebra de 1,3 milhões de dormidas, que apenas muito parcialmente foi compensada pelo aumento da única excepção, de Espanha, cujos residentes fizeram mais 78,3 mil que em 2017.

Estados Unidos foram emissor internacional que mais aumentou dormidas na hotelaria portuguesa em 2018

14-02-2019 (16h21)

Os Estados Unidos subiram em 2018 a 7º principal emissor internacional para a hotelaria portuguesa, ultrapassando a Irlanda, por um aumento de 313,2 mil pernoitas, que foi o maior do ano de todos os mercados internacionais, seguido pelo Brasil, com mais 189,8 mil, e Canadá, com mais 105,5 mil.

Subida de preços garante 6º ano consecutivo de subida de proveitos da hotelaria portuguesa

14-02-2019 (16h16)

A hotelaria portuguesa manteve em 2018 a tendência de subida de proveitos que iniciou em 2013, mas com suporte apenas nos preços, o que levou a um acentuado abrandamento do crescimento das receitas, que foi superior a 17% nos anos de 2016 e 2017 e no ano passado baixou para 6,5%.

IHG compra dona do Six Senses Douro Valley por 265 milhões de euros

14-02-2019 (14h35)

O InterContinental Hotels Group (IHG) comprou a Six Senses Hotels Resorts Spas, que, entre outros hotéis, gere desde 2015 o Six Senses Douro Valley, em Lamego, por 300 milhões de dólares, cerca de 265 milhões de euros.