“A resposta não é proibir o turismo. É diversificar a oferta” – António Costa, primeiro-ministro

14-05-2018 (09h48)

Foto: Vila Galé
Foto: Vila Galé

"A ideia de que há turismo a mais é uma ideia errada. A resposta não é proibir o turismo. É diversificar a oferta. É mesmo necessário continuar a investir no Turismo", afirmou o primeiro-ministro, António Costa, na inauguração do hotel Vila Galé Sintra, no Sábado.

O primeiro-ministro começou por dizer na sua intervenção que existem duas "ideias perigosas" sobre o turismo que têm que ser combatidas, designadamente que há turismo a mais, por um lado, e, por outro, que o crescimento do turismo é uma moda passageira.

"Não há turismo a mais, o turismo existe e tem ainda um enorme potencial de crescimento", afirmou o primeiro-ministro, António Costa, para sublinhar que "não é, seguramente, por acaso que nos últimos dois anos abriram 112 novos hotéis e este ano se prevê a abertura de mais 61 novos hotéis".

A segunda ideia "perigosa" que António Costa apontou na sua intervenção, e que "é preciso combater", é a de que "o turismo é uma moda passageira, que estamos hoje a ter benefícios colaterais por problemas alheios".

"Esta não é uma ideia verdadeira porque o turismo que mais tem crescido em Portugal não é o turismo alternativo às praias que deixaram de ser utilizadas no Médio Oriente. O que mais tem crescido tem sido o turismo de cidade, o turismo de natureza, que não é beneficiário da insegurança no resto do mundo. Tem crescido, mas por mérito próprio", reforçou o primeiro-ministro perante uma plateia repleta de várias personalidades ligadas ao sector.

António Costa enalteceu "a enorme capacidade" que o país tem para "diversificar a oferta", estratégia que, em seu entender, sustenta a ideia de "enorme potencial" que o país tem em termos turísticos.

"E este desafio [de diversificar a oferta], é um desafio que temos que ganhar porque temos que vencer a imagem - que ainda muitas vezes existe - de que somos um país de sol e mar, pois hoje temos que ter um país que tem uma oferta de 365 dias por ano (...)".

António Costa falou ainda nas inúmeras possibilidades de diversificação de oferta turística que Portugal tem, como seja o turismo urbano, o sol e mar, o turismo rural, natureza, congressos, eventos e também de saúde.

"Tal como neste hotel, temos que atrair um tipo de clientela que procure o nosso país para poder beneficiar da qualidade do nosso serviço de saúde", afirmou o primeiro-ministro.

Em termos do território, António Costa lembrou que Portugal, para além da oferta do continente, tem duas regiões autónomas, de "qualidade extraordinária".

"Uma já mais conhecida, há mais anos, como grande destino turístico, que é a Madeira", mas "a outra, uma preciosidade que está por descobrir, até para muitos portugueses, que terão maior dificuldade em descobrir se não houver investimento naquelas nove ilhas, porque, de facto, a excelência dos Açores é de uma enorme oportunidade", disse aos hoteleiros presentes.

"Creio, por isso, que a ideia de que há turismo a mais é uma ideia errada. A resposta não é proibir o turismo. É diversificar a oferta. É mesmo necessário continuar a investir no Turismo", disse António Costa.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Ver também:

Vila Galé inaugura hotel com conceito inovador na área da saúde, "com Sintra e para Sintra" - Jorge Rebelo de Almeida

 

Clique para ver mais notícias: Portugal

Clique para ver mais notícias: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Cascais também duplica taxa turística em 2019

15-11-2018 (16h56)

O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, disse hoje no Congresso da AHP, a decorrer em Lisboa, que vai acompanhar Lisboa no aumento da a taxa turística em 2019, de um para dois euros por noite.

Crescimento dos proveitos da hotelaria portuguesa tende a ‘aterrar’

15-11-2018 (15h43)

O crescimento dos proveitos da hotelaria portuguesa foi em Setembro o mais fraco dos 53 meses que já levam de alta, e com uma queda significativa na área metropolitana de Lisboa, na ordem dos cinco milhões de euros.

Quebra da hotelaria portuguesa não está tanto nas chegadas de turistas, mas no tempo que permanecem

15-11-2018 (13h22)

As quebras de dormidas de turistas residentes no estrangeiro na hotelaria portuguesa deve-se mais à redução do seu tempo médio de permanência do que a decréscimo das chegadas, que até estão com um ligeiro aumento e atingem um novo recorde para os primeiros nove meses, concluiu o PressTUR dos dados divulgados hoje pelo INE.

“Dormidas de não residentes continuaram a diminuir”, diz balanço do INE relativo a Setembro

15-11-2018 (11h30)

Os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses tiveram em Setembro uma queda das dormidas de turistas residentes no estrangeiro em 4,9%, depois de descidas de 4,7% em Agosto, de 4,5% em Julho e de 5,5% em Junho.

Quebra da ocupação hoteleira “não será razão para reduzir os preços, mas sim para aumentar o valor” – Raul Martins, AHP

15-11-2018 (11h11)

O presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Raul Martins, sustentou hoje que a diminuição da ocupação hoteleira “não será razão para reduzir os preços, mas sim para aumentar o valor percepcionado e o serviço prestado”.