Golfe, empresas e lazer são a 'receita' do Sheraton Cascais para um ano de recordes - Pedro Santos, director-geral

06-02-2018 (16h12)

Foto: Sheraton Cascais
Foto: Sheraton Cascais

Golfe, reuniões de empresas, eventos e escapadas de fim-de-semana fazem o Inverno do Sheraton Cascais, enquanto no Verão é o "lazer puro e duro" que enche os quartos, assim descreveu ao PressTUR o director do hotel, Pedro Santos, a segmentação da procura da unidade hoteleira.

Com essa 'receita', o hotel teve "um ano de recordes" em 2017 e perspectiva superar esses resultados este ano.


PressTUR: Que balanço faz de 2017?

Pedro Santos: Foi um ano muito bom. Foi um ano em que superámos as nossas expectativas. Fechámos o ano com cerca de 70% de ocupação, o que é bastante bom em termos de resultado para a região de Cascais. Acabamos por estar muito bem posicionados para fazer um 2018 na mesma linha. Acho que 2017 é um ano positivo para todos em termos gerais do mercado. Nós sentimos que foi um ano de recordes. Esperemos que 2018 seja também um ano de recordes.


PressTUR: Que avaliação faz em relação a 2016?

Pedro Santos: Em 2016 nós tínhamos 56% de ocupação, subimos para quase 70% de ocupação. Nos últimos dois anos passámos da linha abaixo dos 50% e crescemos basicamente 20 pontos percentuais em taxa de ocupação. O que posso dizer é que não é só um aumento de ocupação, é um aumento também do preço médio. Aí têm feito muita diferença os investimentos que têm sido feitos na propriedade. O aumento do preço médio está muito ligado à qualidade do produto.


PressTUR: Pode precisar o aumento do preço médio?

Pedro Santos: Preferia dizer que em termos gerais estamos 12% acima da média da região.


PressTUR: Como são feitas as vossas vendas? Directas, em plataformas online, nas agências de viagens?

Pedro Santos: Temos uma distribuição muito transversal. Funcionamos com vários segmentos, sendo que o canal de vendas da própria Sheraton é um dos maiores canais de distribuição. Tendo o programa de loyalty, os clientes para terem os benefícios têm que fazer as reservas directamente na propriedade. Como é óbvio as OTA's [do inglês para agências de viagens online] continuam a crescer e continuam a ter um peso importante. Nós sentimos que a tour operação tradicional manteve-se mais ou menos parecida. O segmento de golfe também se manteve relativamente estável. O segmento que claramente continua a crescer muito é o online, e neste caso nós conseguimos aumentar a nossa quota. Em relação às OTA's conseguimos atrair mais negócio directo. Isto faz a diferença porque são menos custos que pagamos em comissões e acabamos por conseguir ter uma melhor performance.


PressTUR: De que países chegam os vossos hóspedes?

Pedro Santos: O nosso principal mercado é a Europa, que é muito tradicional nesta região. Trabalhamos muito com a América do Norte e com a América do Sul, mercados que reconhecem muito a marca. Esses mercados também aumentaram bastante. E temos a entrada principalmente este ano de alguns mercados novos emergentes como o caso da China e alguma Índia. A China principalmente com a entrada deste novo voo [da Beijing Capital Airlines entre Lisboa, Pequim e Hangzhou, iniciado em Julho de 2017].


PressTUR: Têm hóspedes portugueses?

Pedro Santos: Sim, temos. Principalmente a nível corporativo, muito para reuniões e eventos. E temos os weekend breakers, os que aproveitam os fins-de-semana. O mercado português para nós está em nº2, sendo que é um mercado muito ligado à área corporativa. Faz bastante diferença principalmente por causa da sazonalidade, porque estes mercados vêm principalmente fora da época alta.


PressTUR: O que procuram os hóspedes do Sheraton Cascais?

Pedro Santos: São muito distribuídos ao longo do ano, o que permite minimizar a sazonalidade que Cascais ainda sente. Conseguimos trabalhar vários segmentos. Em épocas baixas, o mercado corporate com bastantes reuniões e eventos. E o segmento de golfe - estamos rodeados por nove campos de golfe na região. Temos clientes corporativos que acabam por fazer estadias mais longas, porque a nossa propriedade oferece condições diferenciadas em termos de dimensão das unidades. Depois temos o normal, o lazer, que ocupa grande parte a partir de Abril até ao fim de Outubro.


PressTUR: Então no Verão têm os clientes de lazer e no Inverno as reuniões e eventos. É isso?

Pedro Santos: Reuniões, eventos e golfe, porque nós temos golfe logo a partir de Fevereiro. A partir de Maio o golfe abranda porque começa a ficar muito quente para eles. Aí começa o lazer puro e duro. As reuniões acabam por funcionar o ano inteiro, excepto em Julho e Agosto. Nota-se uma grande diferença no Inverno quando as empresas aproveitam o fim ou início do ano para fazer as reuniões e lançamentos. Num mês como Janeiro ou Fevereiro essas reuniões têm um peso muito grande na propriedade. Num mês como Maio ou Junho, em que há muitos congressos e eventos em Lisboa que acabam por chegar a Cascais - porque Lisboa com a forte taxa de ocupação que tem acaba por fazer chegar a Cascais esses eventos - aí sentimos que é mais diluído. Numa taxa de ocupação na casa dos 90% a 100% esses 20 a 30% de reuniões não têm tanto peso como têm num Janeiro com taxas de ocupação na casa dos 40/50%.


Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair lança-se na venda de bilhetes para eventos desportivos

14-12-2018 (17h12)

A Ryanair anunciou que começou a comercializar bilhetes para eventos desportivos, designadamente para jogos de futebol das primeiras divisões espanhola e francesa.

Brasil autoriza estrangeiros a ter 100% do capital das companhias aéreas do país

14-12-2018 (16h59)

O Presidente do Brasil, Michel Temer, assinou uma medida provisória que abre espaço para que estrangeiros assumam 100% do controlo do capital das companhias aéreas do país.

LVMH vai comprar dona do Reid’s Palace, por 2,8 mil milhões de euros

14-12-2018 (16h16)

A Louis Vuitton Moet Hennessy (LVMH) chegou a um acordo para comprar a Belmond, proprietária de hotéis de luxo, incluindo o Reid's Palace na Madeira, por 3,2 mil milhões de dólares, cerca de 2,8 mil milhões de euros.

Operador dinamarquês vai ter charters para Portugal com a Jet Time, após falência da Primera Air

14-12-2018 (15h49)

O operador turístico dinamarquês Bravo Tours contratou a companhia aérea Jet Time para fazer as suas operações charter no próximo Verão, incluindo voos para Portugal, que estavam previstas ser realizadas pela Primera Air, que declarou falência em Outubro.

TAP prevê poupar 30 milhões de euros na factura de combustível em 2019

14-12-2018 (12h56)

A TAP prevê conseguir em 2019 uma poupança de 30 milhões de euros nos custos de combustível, graças à renovação da frota com aviões mais eficientes, de acordo com o Chief Financial Officer (CFO) da companhia, Raffael Quintas.

Ultimas Noticias