Royal Caribbean vai crescer na Europa “sustentada na qualidade”, Francisco Teixeira

12-06-2019 (13h09)

Foto: Melair Cruzeiros
Foto: Melair Cruzeiros

A oferta de cruzeiros da Royal Caribbean no Mediterrâneo nos próximos dois a três anos talvez não “cresça muito em quantidade, mas cresce com certeza em qualidade”, avançou Francisco Teixeira, director da Melair, empresa que representa a companhia de cruzeiros em Portugal.

“Já temos os itinerários de 2021 fechados, mas daí para a frente em termos de Mediterrâneo crescerá em quantidade, mas sustentada na qualidade, com navios novos, maiores e com outra dinâmica de oferta”, como os navios das classes Oasis, Quantum e Icon, especificou Francisco Teixeira, em declarações aos jornalistas após uma apresentação ontem em Lisboa, a bordo do Independence of the Seas

Para 2021, 2022 e 2023, a oferta da Royal Caribbean vai posicionar-se “muito naquilo que é hoje a oferta do Symphony of the Seas”, que é actualmente o navio da companhia mais procurado pelos portugueses para viagens nas Caraíbas (clique para ler: Symphony of the Seas “é uma experiência de férias” – Francisco Teixeira).

Mas tudo dependerá da conjuntura económica dos mercados emissores, porque a Royal Caribbean posiciona os navios “onde tem melhores condições de negócio”, acrescentou, apontando como exemplo que a Royal Caribbean chegou a ter previsto “ter dois navios à saída de Inglaterra e afinal vai ter só um”.

Em Portugal “estamos dependentes da oferta que temos e isso faz-nos promover muito as Caraíbas”, frisou o executivo.

As vendas da companhia no mercado português são equilibradas entre Caraíbas e Mediterrâneo. “Num ano em que temos um navio novo em Barcelona, se calhar o Mediterrâneo ultrapassa [as Caraíbas] em grande escala. Nos anos em que não temos, o Mediterrâneo continua a ser o destino mais procurado, mas com uma margem muito curta em relação às Caraíbas”, explicou o director da Melair.

A companhia também tem vindo a apostar na Ásia, com “navios dedicados à China”, outros mais “em Hong Kong e Singapura, que são mais internacionais”, com itinerários que incluem o Japão, entre outras ofertas.

“O Alasca também é um mercado que retomámos um pouco, mas já tivemos números muito maiores há uns anos, porque o preço médio é muito superior em relação ao que era há cinco/seis anos”, acrescentou ainda Francisco Teixeira.

Clique para continuar a ler:

Melair desafia agentes de viagens a propor cruzeiros à saída de Porto Rico


 

Clique para ver mais: Cruzeiros

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Melair

Clique para ver mais: Royal Caribbean

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

MSC Meraviglia chega aos Estados Unidos para bater recordes

09-10-2019 (16h25)

O MSC Meraviglia, com capacidade para 4.488 passageiros, tornou-se o maior navio a atracar em Manhattan, Nova Iorque, e vai estabelecer o mesmo recorde em Boston, Portland e Bar Harbor.

Mercado inglês em mínimos agrava quebra de passageiros de cruzeiros em Lisboa

03-10-2019 (16h13)

O Porto de Lisboa estava no fim de Agosto com o menor número de passageiros de cruzeiros de nacionalidade inglesa nos primeiros oito meses de um ano desde pelo menos 2012, ficando pela primeira vez abaixo dos cem mil nesse período.

MSC Cruzeiros prevê que 2019 será mais um ano “a crescer a dois dígitos”

25-09-2019 (17h31)

A MSC Cruzeiros prevê concluir este ano com crescimento “a dois dígitos” em Portugal, embora dificilmente ao mesmo ritmo do ano passado, em que teve mais 34,2% de clientes que no anterior, disse hoje Eduardo Cabrita, director-geral da companhia.

MSC Cruzeiros volta a ter cruzeiros Funchal-Funchal no próximo ano

25-09-2019 (17h28)

A MSC Cruzeiros vai reforçar a sua aposta em Portugal em 2020, ao acrescentar à sua oferta dois cruzeiros com início e fim no Funchal, que se juntam aos itinerários Lisboa-Lisboa.

MSC Cruzeiros aposta “cada vez mais” em pacotes com voo incluído

25-09-2019 (17h26)

A MSC Cruzeiros está a apostar em ter "cada vez mais" pacotes com voo incluído, o que fará com que os agentes de viagens possam, após a venda de um cruzeiro, "partir imediatamente para a próxima", realçou hoje o director-geral da empresa em Portugal, Eduardo Cabrita.

Noticias mais lidas