Cruzeiros devem alcançar dez milhões de passageiros europeus em 2022

19-09-2018 (18h43)

A taxa de crescimento dos passageiros de cruzeiros deverá duplicar nos próximos cinco anos, disse hoje em Lisboa David Dingle, chairman da associação de companhias de cruzeiros CLIA Europe, prevendo que o número de passageiros europeus deverá chegar assim a dez milhões em 2022.

David Dingle, que também é chairman da Carnival UK, afirmou que a Europa concentrou 26% do crescimento das vendas de cruzeiros em 2017, prevendo que chegará aos 28% em 2018/2019.

O executivo, que falava na inauguração do Seatrade Cruise Med, que decorre em Lisboa, perspectiva que a Europa chegue aos 7,5 milhões de passageiros de cruzeiros este ano, depois 6,9 milhões em 2017.

A Europa deverá manter a trajectória de crescimento nos próximos anos, alcançando 8,3 milhões de passageiros de cruzeiros em 2019, 8,7 milhões em 2020, 9,3 milhões em 2021, 9,9 milhões em 2022, 10,5 milhões em 2023, 11,1 milhões em 2024, 11,7 milhões em 2025 e 12,3 milhões em 2026.

A nível mundial, depois de 26,7 milhões passageiros de cruzeiros em 2017, as previsões da CLIA apontam para 28,2 milhões em 2018, 29,8 milhões em 2019, 31,3 milhões em 2020, 33,4 milhões em 2021, 35,6 milhões em 2022, 37,8 milhões em 2023, 40 milhões em 2024, 42,2 milhões em 2025 e 44,4 milhões em 2026.

David Dingle, ao fazer um retrato do sector dos cruzeiros, frisou que “a CLIA e os seus membros estão a desempenhar um papel de liderança na sustentabilidade, tanto dos destinos como do ambiente”.

“Mesmo nos portos mais visitados, como Barcelona, Veneza, Dubrovnik e Bergen, os turistas de cruzeiros representam praticamente apenas 5% de todos os visitantes”, disse.

A nível de sustentabilidade ambiental, por sua vez, David Dingle revelou que 17 novos navios encomendados, correspondendo a 34% do total das encomendas, serão movidos a gás natural liquefeito (GNL).

Além disso, 82% dos navios encomendados terão tecnologias melhoradas para a redução de emissões para o ar e 53% dos navios existentes e 100% dos novos navios têm sistemas avançados de tratamento de águas.

 

Ver também:

Portugal prevê ter mais de 1,5 milhões de passageiros de cruzeiros este ano

Turismo marítimo representa mais de 30% da economia do mar em Portugal

Seatrade Cruise Med: “ficámos absolutamente fascinados com a adesão”

 

Clique para ver mais: Cruzeiros

Clique para ver mais: Seatrade Cruise Med

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

MSC lança-se no mercado dos cruzeiros de luxo com quarto navios

18-10-2018 (09h52)

A MSC Cruzeiros encomendou quatro navios, avaliados em mais de dois mil milhões de euros, para entrar no mercado dos cruzeiros de luxo.

Cruzeiros em Lisboa estão com recordes de alemães e brasileiros

17-10-2018 (17h33)

O Porto de Lisboa atingiu este ano novos recordes de passageiros de cruzeiros alemães e brasileiros, com 82.135 e 4.747, respectivamente, de acordo com dados da APL - Administração do Porto de Lisboa coligidos pelo PressTUR.

Lisboa tem melhores nove meses de sempre em passageiros de cruzeiros, mas com queda dos turnaround

17-10-2018 (14h46)

O Porto de Lisboa atingiu este ano um novo recorde de passageiros de cruzeiros nos primeiros nove meses de um ano, apesar de menos sete mil em turnaround, que era o segmento que as autoridades esperavam tivesse maior crescimento com o novo terminal em Santa Apolónia.

Funchal tem +8,4% de passageiros de cruzeiros até Setembro

17-10-2018 (13h22)

O Porto do Funchal somou 312.126 passageiros de cruzeiros nos primeiros nove meses deste ano, com um aumento em 8,4% ou 24,1 mil em relação ao período homólogo de 2017, de acordo com dados da APRAM – Administração dos Portos da Região Autónoma da Madeira.

MSC Cruzeiros prevê ter este ano “o maior crescimento que tivemos até hoje” – Eduardo Cabrita

12-10-2018 (16h29)

O director-geral da MSC Cruzeiros em Portugal, Eduardo Cabrita, espera atingir este ano “o maior crescimento que tivemos até hoje” em volume de passageiros face ao ano anterior, numa variação “provavelmente” acima de 20%.