Candidaturas à emissão obrigacionista para o turismo atingem 420 milhões de euros

16-07-2019 (15h26)

A procura pelo empréstimo obrigacionista para o sector do turismo atingiu os 420 milhões de euros, um valor quatro vezes acima do inicialmente esperado, de 100 milhões de euros, de acordo com informação enviada à Lusa pelo Governo.

Fonte oficial da Secretaria de Estado do Turismo adiantou que foram 76 os pedidos de empresas para aderir a este instrumento e que “agora será feita a selecção das empresas, até 13 de Setembro, sendo construída a carteira de obrigações adequada, e posteriormente a estruturação e colocação da emissão (até 15 de Outubro)”.

As candidaturas foram abertas em 17 de Junho e eram dirigidas a PME (pequenas e médias empresas) e ‘mid-caps’, ou seja, sociedades que empreguem até 3.000 funcionários.

Este foi, segundo a mesma fonte, o “primeiro empréstimo obrigacionista lançado em Portugal acessível a PME”, sendo a emissão com um prazo a sete anos e um financiamento de 15 milhões de euros por empresa, com 30% de garantia pública, através do Fundo de Contragarantia Mútuo.

Em Junho, em declarações à Lusa, o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira revelou que a emissão é dirigida a investidores institucionais nacionais e estrangeiros como fundos de investimento e pensões, sendo que as taxas de juros da operação só serão definidas posteriormente.

“Estamos a trabalhar nisto há uns meses, a montar a estrutura necessária para o efeito, a lançar estudos para preparar a operação e a testar o apetite do mercado”, referiu o ministro, questionado sobre a escolha da altura para lançar a emissão.

“Vamos ver se conseguimos lançar estas operações em outros setores. Esta vai ser a primeira vez que fazemos estas operações grupadas destinadas a PME”, salientou, destacando a área industrial como potencial candidata a uma operação deste género.

“O que temos visto são emissões de obrigações de grandes empresas porque os custos associados à emissão de obrigações normalmente são muito elevados e só se justificam para montantes muito significativos”, justificou o ministro.

Siza Vieira recordou ainda que este tipo de operação “obriga a que as empresas emitentes prestem um conjunto de informações e assegurem um conjunto de requisitos que normalmente é difícil às PME conseguirem sozinhas”.

O programa Capitalizar, aliás, tinha previsto lançar formas de financiamento alternativas para as empresas, “para não estarem exclusivamente dependentes do crédito bancário”, referiu o governante.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Empresas&Negócios

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Finnair vai fazer mais 37 voos Porto - Helsínquia em 2020

10-12-2019 (13h42)

A companhia de aviação finlandesa Finnair vai voar entre o Porto e Helsínquia em 2020 mais cerca de quatro meses que este ano, o que se traduzirá num aumento de 37 voos face a este ano, o primeiro de operação, que Rita Cascada, da APG, representante da companhia em Portugal, afirmou ao PressTUR ter sido “um êxito”.

América Latina proporciona 47,4% do crescimento de tráfego do IAG até Novembro

09-12-2019 (17h45)

As rotas da América Latina estão a ser de forma cada vez mais clara o ‘motor’ de crescimento do IAG, grupo que integra a British Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level, tendo valido até Novembro 47,4% do crescimento de tráfego na totalidade das operações.

Companhias do IAG transportaram até Novembro mais 4,88 milhões de passageiros

09-12-2019 (17h29)

As companhias do IAG, grupo que integra a Brisith Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level transportaram até 30 de Novembro 109,5 milhões de passageiros, com aumento em 4,7% ou 4,88 milhões relativamente ao período homólogo de 2018.

Scott Kirby substitui Oscar Muñoz como CEO da United

09-12-2019 (12h59)

A companhia de aviação norte-americana United Airlines anunciou que o seu CEO, Oscar Muñoz, vai passar a ser chairman executivo do Conselho de Administração, enquanto Scott Kirby, presidente, foi nomeado CEO.

Accor vende metade da sua participação na Huazhu por 451 milhões de dólares

09-12-2019 (12h31)

A Accor assinou um acordo para vender metade da sua participação no Huazhu Group Limited, anteriormente conhecido por China Lodging, por 451 milhões de dólares, cerca de 408 milhões de euros.

Noticias mais lidas