Wizz Air reforça actividade no Porto a partir de Setembro com voos para Budapeste

15-06-2016 (10h13)

Foto: Wizz Air
Foto: Wizz Air

A Wizz Air, que se apresenta como a maior low cost da Europ Central e do Leste, anunciou que a partir de 4 de Setembro terá voos duas vezes por semana entre a sua base de Budapeste e o Porto.

A companhia começou a voar de/para o Porto em Maio deste ano, ligando a Invicta com Varsóvia (para ler mais clique: Voos da Wizz Air entre Varsóvia e Porto arrancam a 15 de Maio).

A sua actividade em Portugal começou pelo Aeroporto de Lisboa, com voos de/para Budapeste em Março do ano passado, sobre os quais diz que “Portugal rapidamente tornou-se um dos destinos favoritos à partida de Budapeste para viajantes de negócios e de lazer”.

Dados do Aeroporto de Lisboa a que o PressTUR teve acesso indicam que a Wizz transportou de/para a capital portuguesa 33.800 passageiros nos primeiros cinco meses deste ano, com 9.872 no mês de Maio, +73,5% que no mês homólogo de 2015.

A informação divulgada pela low cost acerca da sua nova rota no Aeroporto do Porto indica que terá voos às quartas-feiras e Domingos e acrescenta que as ligações já estão à venda no seu website.

Uma consulta hoje ao website da companhia indica os preços de 59,99 e 89,99 euros para um voo Porto - Budapeste em Basic (check-in online e ‘pequena’ mala de mão), respectivamente no dia 4 e no dia 7.

Em Plus, que permite alterações, selecção de lugar, check-in no aeroporto, entre outros serviços, os preços são 108,49 euros no dia 4 e 138,49 no dia 7.

Os voos à partida do Porto são às 10h10 com chegada prevista para as 14h35, e os regressos de Budapeste são às 7h00 com chegada prevista para as 9h35.

O website da Wizz Air avisa os utilizadores sobre os requisitos da companhia em matéria de transporte de bagagens, sublinhando que apenas não pagam as malas até 42x32x25 cm, que cada passageiro pode levar uma para bordo sem custos adicionais, acrescentando que se já for maior mas não exceder 56x45x25 cm também pode ser levada para bordo, mas o a companhia já cobra uma taxa.

 

Clique para mais notícias: Wizz Air

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CEO da TAP defende direito a sonhar com liderar tráfego entre a Europa e a América do Norte

20-06-2018 (17h57)

Embora tenha pela frente concorrentes como a British Airways, que ainda em 4 de Maio começou a voar de Londres-Heathrow para Nashville, sua 26ª cidade nos Estados Unidos, o CEO da TAP reivindicou hoje no Porto o direito a da companhia a “sonhar grande em relação a ser a principal companhia aérea que liga a Europa à América do Norte”.

CEO da TAP garante aposta no Porto e ironiza: “a concorrência que se cuide”

20-06-2018 (17h51)

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro "é historicamente um dos alicerces da TAP", que tem um "compromisso total e absoluto" com o Porto, garantiu hoje o CEO da companhia, Antonoaldo Neves, que rematou com um: "Queremos ter uma posição dominante no Porto, e a concorrência que se cuide".

Antonoaldo Neves reconhece pontualidade como “problema gravíssimo” da TAP

20-06-2018 (17h48)

"Temos um problema gravíssimo de pontualidade na ponte aérea e na TAP em geral", reconheceu hoje o CEO da companhia, Antonoaldo Neves, na sessão de balanço da operação da companhia aérea no Porto admitiu, que assegurou tratar-se de um "desafio" a superar nos próximos tempos.

Exportações portuguesas de transporte aéreo de passageiros voltam a crescer acima de 20% em Abril

20-06-2018 (16h28)

As empresas portuguesas de transporte aéreo de passageiros, as maiores das quais a TAP, a Azores Airlines, a euroAtlantic e a Hi Fly, aumentaram em Abril as vendas ao estrangeiro em 23,2%, alcançando assim um aumento médio em 15,3% no quadrimestre.

CEO da TAP diz que auditoria do TdC é "assunto de accionista" mas afirma-se "confiante" no futuro

20-06-2018 (14h56)

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, escusou-se hoje a comentar a auditoria do Tribunal de Contas (TdC) que aponta uma acrescida "exposição" do Estado português a "contingências adversas" da companhia, mas dizendo estar "confiante" num bom desempenho financeiro da empresa.