Voos da América Latina asseguram quase metade do crescimento de tráfego do IAG até Setembro

07-10-2019 (16h34)

O IAG, tradicionalmente líder no transporte aéreo de passageiros entre a Europa e a América do Norte, pela força da British Airways e do seu hub de Londres Heathrow, está a assentar o seu crescimento este ano principalmente nos voos de/para a América Latina, em que a sua companhia líder é a espanhola Iberia.

Estas tendências transparecem nos dados de tráfego do IAG publicados hoje, os quais mostram que 47,8% do seu crescimento de tráfego em RPK (do inglês para passageiros x quilómetros voados) foi gerado nas linhas da América Latina, que assim passaram de valer 16,3% para 18% do seu tráfego total, enquanto os sectores líderes reduziram o seu ‘peso’, de 27% para 26,1% no caso dos internacionais intra-europeus, nos quais a Vueling tem especial ‘peso’, e de 29,7% para 29,1% nas linhas da América do Norte, nas quais a líder é a British Airways.

Daí que a companhia britânica se mantenha líder no grupo, ‘valendo’ 54,2% do seu tráfego total nos primeiros nove meses deste ano, mas menos que os 56,2% do período homólogo de 2018, enquanto a Iberia sobe de 21,3% para 22,3%.

Nos primeiros nove meses deste ano o IAG teve um crescimento do tráfego em 5,6% ou 11.563 milhões de RPK, 40,1% dos quais na Iberia, que cresceu 10,6% ou 4.637 milhões de RPK, enquanto a British Airways ‘valeu’ 18,6%, com um aumento em 1,9% ou 2.151 milhões de RPK.

A segunda maior contribuição para o crescimento do IAG nos primeiros nove meses deste ano foi da Level, companhia leisure criada pelo grupo para concorrer nos voos low cost de longo curso e que começou a voar de Barcelona em 1 de Junho de 2017, com um aumento do tráfego em 109,3% ou 2.969 milhões de RPK, ou seja, 25,7% do crescimento do grupo.

A contribuição da Vueling foi em cerca de 10,4%, com um aumento do tráfego em 4,8% ou 1.199 milhões de RPK, mas a Vueling, como companhia de voos de curto e médio cursos, tem menos influência com a ponderação pelas distâncias voadas, enquanto em número de passageiros embarcados valeu 37,4% do aumento do grupo, com +6,2% ou mais 1,575 milhões, para 27 milhões.

A Aer Lingus, que também opera voos de longo curso, nomeadamente para a América do Norte, segmento em que tem algum ‘peso’, contribuiu com 8,5% do crescimento do tráfego em RPK, ao registar um aumento em 5,5% ou 986 milhões de RPK.

 

Para ler mais clique:

IAG só cresce em Setembro em voos da América Latina e domésticos

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Expansão da TAP “espera ansiosamente" pelo aeroporto no Montijo – Miguel Frasquilho

18-10-2019 (13h40)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, afirmou em Macau que a expansão da TAP depende da construção do novo aeroporto no Montijo, que a companhia aérea portuguesa “espera ansiosamente" para poder expandir na Portela, em Lisboa.

Presidente da TAP descarta voos directos para a China “num futuro imediato”

18-10-2019 (13h38)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, descartou a hipótese de a companhia fazer voos directos de Portugal para a China "num futuro imediato", apesar do crescimento de turistas daquele país asiático.

TAP anuncia mais 20% de capacidade para Luanda no próximo ano

17-10-2019 (14h53)

A TAP vai reforçar a sua capacidade para Luanda em mais 20% a partir do próximo ano, anunciou na capital angolana o seu Chief Marketing and Sales Officer, Abílio Martins, que realçou que para a companhia Angola “é um mercado estratégico”.

EgyptAir abre terceira rota para a China

17-10-2019 (13h47)

A companhia de aviação egípcia EgyptAir, parceira da TAP na Star Alliance, anunciou para finais do próximo mês a abertura da sua terceira rota para a China, do seu hub no Cairo para Hangzhou.

Swiss retoma hoje operação normal em A220

17-10-2019 (13h39)

A Swiss, companhia de aviação suíça do grupo Lufthansa, anunciou que hoje retoma o calendário normal de voos em Airbus A220, que decidiu interromper depois de na terça-feira ter tido que desviar para Paris um voo Londres Heathrow - Genebra porque um dos motores parou.

Noticias mais lidas