Tráfego da British Airways cai 1,6% em Janeiro Taxa de ocupação recua 0,7 pontos

06-02-2008 (03h08)

A British Airways teve em Janeiro uma queda da taxa de ocupação dos voos em 0,7 pontos, para 69,2%, apesar de uma redução da capacidade em 0,6%, porque a queda do tráfego foi de 1,6%, com uma redução do número de passageiros transportados em 0,8%.

A companhia indicou que a queda do tráfego (medido em RPK = passageiros x quilómetros percorridos) foi exclusivamente nas tarifas “non-premium”, de maior volume mas menor receita por RPK, nas quais teve uma queda em 3,5%, e que nas tarifas mais elevadas, designadamente na sua classe Club World, teve um crescimento em 8,8%.
“Como informado no Relatório de Gestão Intercalar divulgado na sexta-feira, o tráfego premium permanece forte, especialmente na classe Club World. Os mercados non-premium de longo curso e premium de médio curso contuam a mostrar fraqueza”, afirma a informação da British Airways sobre a evolução no primeiro mês deste ano.
A comunicação destaca a “dificuldade” em comparar com Janeiro de 2007, uma vez que no ano passado a actividade foi afectada por ameaças de greves e este ano teve o impacto do incidente num aterragem em Heathrow, bem como perturbações provocadas por nevoeiro e ventos fortes, que obrigaram a cancelamentos.
O balanço indica que em Janeiro passado a operação da British Airways, avaliada em número de lugares e quilómetros percorridos (ASK) foi 0,6% menor que no mês homólogo de 2007, pelas reduções em 3,1% nas ligações de e para Ásia e Pacífico e em 4,9% nos voos de e para África e Médio Oriente, que superaram os aumentos de capacidade no médio curso (Reino Unido e Europa), em 0,1%, e Américas, em 2,5%.
A procura (em RPK), porém, apenas cresceu no sector Américas, mas abaixo do aumento de capacidade, tendo um aumento em 1,7%, e nas ligações de e para a Ásia e Pacífico, onde apesar da redução de capacidade teve um crescimento do tráfego em +0,7%.
No médio curso a companhia teve uma queda em 0,5% e nas ligações de e para África e Médio Oriente a queda foi de 9,2%.
Face a estas evoluções, só no sector Ásia e Pacífico a British Airways teve em Janeiro uma taxa de ocupação melhor que no ano passado, em três pontos percentuais, para 78,4%, a mais elevada de todos os seus sectores de rede.
No médio curso a ocupação baixou 0,3 pontos, para 55,4%, nas rotas das Américas a queda foi de 0,5 pontos, para 69,1%, e no sector África e Médio Oriente a baixa foi de 3,5 pontos, para 74,3%.
Em número de passageiros, a operação da British Airways transportou 2,329 milhões, menos cerca de 18 mil que em Janeiro de 2007, pela queda em 8% nos voos de e para África e Médio Oriente, para 306 mil, que uma subida em 2%, para 553 mil, nas rotas das Américas, apenas compensou parcialmente.
Nos voos de médio curso e Àsia e Pacífico, os números de passageiros foram basicamente idênticos aos de Janeiro de 2007, com respectivamente 1,325 milhões (-0,1%) e 145 mil (-0,3%).
O balanço da companhia desde Abril de 2007 (início do exercício fiscal 2007/2008, que termina no final do próximo mês de Março), indica que nestes dez meses a procura tem uma estagnação em baixa para um aumento de capacidade em 0,7%, o que resulta numa queda do coeficiente de ocupação dos voos em 0,6 pontos, para 76,2%.
Os voos da Ásia e Pacífico são os únicos a terem uma taxa de ocupação melhor nestes dez meses que no período homólogo do exercício 2006/2007, em 1,8 pontos, para 80,6%, porque a capacidade disponível tem uma redução (-3,1%) superior á queda da procura (-0,9%).
Nas rotas de médio curso o coeficiente de ocupação tem uma queda de 3,1 pontos, para 69,5%, nos voos do sector Américas a baixa é de 0,2 pontos, para 77,4%, e nas ligações de e para África e Médio Oriente a diminuição é de 0,6 pontos, para 76,8%.
Mas enquanto nos voos das Américas a queda do coeficiente de ocupação ocorreu por um aumento da procura (em 1%) abaixo do aumento da capacidade (em 1,3%), nos voos dentro da Europa ocorreu por uma queda da procura em 0,4% face a um incremento da capacidade em 3,9% e no sector África e Médio Oriente verificou-se porque a procura caiu 1,2%, acima da redução da oferta (0,5%).
O número de passageiros transportados pela British Airways nos dez meses de Abril de 2007 a Janeiro passado, inclusive, está em 28,083 milhões, menos cerca de seis mil que no período homólogo do exercício 2006/2007, com quedas de 0,2% na rede de médio curso, para 17,221 milhões, de 1,6% no sector Ásia e Pacífico, para 1,531 milhões, e de 0,7% no sector África e Médio Oriente, para 2,957 milhões.
Os voos transatlânticos, em que a British Airways se prepara para reforçar a oferta, designadamente para os Estados Unidos, face à próxima entrada em vigor do acordo de “céus abertos” nestas ligações, e ainda com a introdução de mais voos para Buenos Aires e de voos directos para o Rio de Janeiro, a companhia regista nos dez meses um aumento do número de passageiros em 1,2%, para 6,374 milhões.


Lucros da British Airways aumentam 22% nos primeiros nove meses do ano fiscal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Novo A321 Long Range da TAP está pronto para chegar a Telavive e Nova Iorque

24-05-2019 (17h43)

A TAP anunciou que o seu novo avião A321 Long Range, que já está a voar para destinos europeus, também já está registado para operar as rotas da companhia para Telavive, em Israel, e Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Azores Airlines vai manter voos directos entre a ilha Terceira e Toronto no Inverno

23-05-2019 (16h54)

Os voos directos entre a ilha Terceira e Toronto (Canadá), operados pela companhia aérea açoriana Azores Airlines, do grupo SATA, vão estender-se ao Inverno 2019/2020, anunciou hoje o Governo Regional dos Açores.

Delta acredita estar “no bom caminho e com sucesso” em Portugal, director regional de Vendas

23-05-2019 (15h28)

“Não olhamos para o desempenho da concorrência. Estamos no bom caminho e com sucesso”, disse o director regional de Vendas para o Sul da Europa da Delta Airlines, Frederic Schenk, a propósito da concorrência com a TAP nas ligações entre Portugal e a América do Norte.

Senado brasileiro aprova medida que retira limite ao investimento estrangeiro nas companhias aéreas brasileiras

23-05-2019 (09h07)

O Senado brasileiro aprovou na quarta-feira uma medida provisória que autoriza o investimento de até 100% de capital estrangeiro nas companhias aéreas instaladas no país, noticiou a imprensa local.

TAP cresce menos que o mercado Espanha - Portugal e em Madrid até tem quebra

22-05-2019 (16h54)

A TAP, que no primeiro quadrimestre de 2018 foi a companhia de aviação de 42,2% dos passageiros que voaram entre Espanha e Portugal nesse período, este ano baixou para 37,5%, reflectindo a cessação de três rotas e uma quebra de 1,7% no Aeroporto de Madrid.

Noticias mais lidas