TAP tem queda acentuada de ocupação dos voos em Outubro

08-11-2018 (18h31)

Foto: TAP
Foto: TAP

A TAP informou hoje que em Outubro teve uma taxa média de ocupação de 80,8%, que compara com 87,2% há um ano, conforme a sua informação de 7 de Novembro de 2017, na qual realçava que "o mês de Outubro foi também aquele em que a companhia registou a melhor taxa de ocupação dos seus voos este ano [2017]".

Então como agora a TAP não especifica a evolução do tráfego em RPK, medida mais utilizada pelas companhias de aviação de rede, como por exemplo a sua accionista brasileira Azul, por ponderar o número de passageiros pelas distâncias voadas, cingindo-se ao número de passageiros embarcados.

Assim, a companhia informou que este Outubro transportou mais 80 mil passageiros (+6%) que no mês homólogo de 2017, atingindo um total de 1,4 milhões.

A informação acrescenta que o aumento foi com +6% nas rotas internacionais intra-europeias, +13% nas ligações com as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores e +10% nas ligações com África.

A companhia, que indica ter atingido um total de 1,4 milhões de passageiros no mês de Outubro, omite no entanto o desempenho dos seus voos domésticos, que é um dos sectores de rede com mais peso em número de passageiros, e das ligações com o Brasil e com os Estados Unidos, que são os sectores com mais peso em valor de receitas de passagens.

A informação da TAP classifica como decisivas para o seu crescimento em Outubro as contribuições das linhas internacionais intra-europeias e das ligações com a Madeira, Açores e África, acrescentando que os aumentos de passageiros que indicou foram "graças a uma política de preços competitivos que tem estimulado a procura nesses mercados".

O comunicado da TAP não especifica o número de passageiros transportados desde o início do ano, mas é possível estimar que se aproximou dos 13,5 milhões, uma vez que há um mês indicou que no fim de Setembro "ultrapassou a marca dos 12 milhões de passageiros transportados, mais 13,6% que no mesmo período de 2017".

A TAP informa, no entanto, que em Outubro transportou 7.175 toneladas de carga e correio, +1% que no mês homólogo de 2017, dizendo que é "de destacar o desempenho do Brasil, com um crescimento de 21 por cento (350 Toneladas) em relação a Outubro de 2017".

"Espanha (22% de crescimento) e Reino Unido (71% de crescimento) são os outros dois mercados que mais se destacaram em volume de carga transportada", acrescenta o comunicado.

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair alega queda mais forte das tarifas para emitir profit warning

18-01-2019 (16h12)

A low cost Ryanair baixou em cerca de cem milhões de euros o intervalo da previsão de lucros do exercício 2017/2018, que termina em Março, apontando como causa uma queda dos preços dos voos mais forte do que antecipara.

TAP confirma A321neo LR na rota Porto – Newark

18-01-2019 (11h56)

A TAP confirmou que a partir de 1 de Junho vai voar entre Porto e Nova Iorque Newark seis vezes por semana com um avião Airbus A321neo Long Range, como o PressTUR noticiou esta terça-feira, dia 15.

Norwegian vai encerrar bases em Espanha, Itália e EUA

18-01-2019 (11h30)

A companhia de aviação Norwegian Air Shuttle anunciou que vai encerrar a partir de Abril várias bases em Espanha, Itália e Estados Unidos, para melhorar o seu desempenho financeiro.

Aeroportos portugueses já ficaram em Novembro abaixo do crescimento médio na União Europeia

17-01-2019 (17h49)

O estancamento do Aeroporto de Lisboa arrastou o país dos tops de crescimento da aviação comercial na União Europeia para níveis inferiores à média, de acordo com o ACI Europa, que até mostrou Faro no Top5 de crescimento em Novembro dos aeroportos com cinco milhões a dez milhões de passageiros por ano.

“A festa poderá estar a acabar em breve”, avisa director-geral do ACI Europa

17-01-2019 (17h47)

O director-geral do ACI Europe, Olivier Jankovec, citado em comunicado da organização, comentou que os dados de Novembro mostram que o transporte aéreo de passageiros “continuam a desafiar um ambiente geopolítico e económico crescentemente desafiador”, mas que “a festa poderá estar a acabar em breve”.