TAP tem de multiplicar resultados "por pelo menos 7 vezes" para ser sustentável - CEO

24-04-2018 (17h31)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, defende, em mensagem aos trabalhadores, que a companhia tem de “multiplicar por pelo menos sete vezes” os “bons resultados” de 2017, obtidos ainda sob a liderança de Fernando Pinto, para atingir a média de rentabilidade das congéneres a nível global e assegurar a sustentabilidade.

Antonoaldo Neves, de acordo com a Agência Lusa, destaca que o lucro de 21,2 milhões de euros registado no ano passado pela TAP SGPS foi “o melhor resultado dos últimos dez anos”, num contexto de “prejuízos acumulados ao longo de muitos anos”, e traduz a “transição para um novo ciclo” de criação de valor na empresa.

“Mas quero deixar claro que, apesar disso, estes resultados ainda não são confortáveis, tendo em vista os compromissos que temos pela frente, bem como a volatilidade comum ao sector aéreo”, sustentou, defendendo ser preciso “multiplicar este resultado por pelo menos sete vezes para que se atinja a média de rentabilidade das outras companhias aéreas de nível global e para que haja sustentabilidade”.

“Os desafios são enormes”, realça o executivo, que informa que a TAP SGPS finalizou 2017 com um resultado líquido positivo de 21,2 milhões de euros, uma melhoria de 49 milhões de euros face ao prejuízo de 27,7 milhões registado em 2016, e com um aumento de 27,8% dos proveitos.

O ano passado ficou também marcado por um recorde no número de passageiros transportados (14,225 milhões), mais 21,6% que no ano anterior.

De acordo com o presidente executivo, “o resultado poderia ter sido ainda melhor” se não se tivesse registado um aumento do custo unitário (CASK, do inglês para custo lugar quilómetro voado) na TAP SA de cerca de 8% face a 2016, sendo a recuperação neste indicador “um desafio para este ano”.

Num contexto em que “todas as empresas participadas pela TAP SGPS contribuíram positivamente para os resultados do grupo” a excepção foi a TAP M&E Brasil, que apresentou um prejuízo operacional antes de impostos e juros de 28 milhões de euros e um prejuízo líquido de 50 milhões de euros. Um quadro que Antonoaldo Neves diz pretender “reverter” através da “melhoria de processos e aumento de eficiência”.

“É muito importante criar valor, porque é através dele que podemos investir mais na nossa empresa e gerar também mais e melhores oportunidades para todos os colaboradores da TAP e continuar a contribuir para a economia portuguesa”, sustenta o presidente executivo, agradecendo aos trabalhadores da companhia, que descreve como “os melhores profissionais”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

easyJet recebe o seu primeiro A321neo

18-07-2018 (18h31)

A companhia aérea easyJet anunciou que recebeu hoje o seu primeiro A321neo, de 235 lugares, o maior avião da sua frota.

Ryanair explica acções que está a tomar face às greves que enfrenta para a semana

18-07-2018 (18h21)

A low cost Ryanair garantiu hoje que nenhum tripulante de cabina que adira às greves convocadas para a próxima semana em Portugal, Espanha e Bélgica será punido e garantiu que as acções que está a tomar são para "minimizar a disrupção junto dos nossos clientes".

Gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro sobem há 65 meses consecutivos

18-07-2018 (17h43)

Os gastos dos portugueses no estrangeiro contabilizados pelo Banco de Portugal como gastos turísticos completaram este Maio 65 meses consecutivos de aumentos, de acordo com dados do banco central consultados pelo PressTUR.

Ryanair cancela voos de 50 mil clientes nos dias 25 e 26 de Julho

18-07-2018 (17h05)

A Ryanair anunciou que já cancelou os voos de 50 mil clientes que iriam viajar nos dias 25 e 26 de Julho, dias para os quais enfrenta uma greve de tripulantes de cabina em Portugal, Espanha e Bélgica.

Exportações e importações de viagens de avião baixam ligeiramente em Maio

18-07-2018 (16h48)

As vendas ao estrangeiro de transporte aéreo de passageiros, bem como as compras, baixaram em Maio, respectivamente em 1,2% e em 1,5%, de acordo dados do Banco de Portugal consultados pelo PressTUR.