TAP recorre a parceiros para responder ao “intenso tráfego” e “constrangimentos” em Lisboa

04-07-2018 (11h18)

A TAP disse hoje, em resposta à agência Lusa sobre críticas de passageiros, que o “intenso tráfego desta época do ano” e os “constrangimentos” em Lisboa provocam “situações pontuais de perdas de ligação”, que a companhia resolve recorrendo a voos de outras companhias aéreas.

“Devido ao intenso tráfego desta época do ano, associado a restrições e constrangimentos quer da infraestrutura aeroportuária quer do controlo de tráfego aéreo em Lisboa, nalguns casos, a TAP tem prevenido algumas situações pontuais de perdas de ligação dos passageiros, no ‘hub’ em Lisboa, transportando-os em voos de outras companhias e através de outros aeroportos europeus”, disse a transportadora em resposta dada por fonte oficial à agência Lusa, na sequência de críticas de passageiros que afirmaram ser obrigados a fazer escalas quando esperavam voos directos.

A TAP garantiu que, com o “apoio dos seus parceiros da Star Alliance [grupo de companhias aéreas], […] assegura que os passageiros são transportados no mesmo dia da sua reserva inicial e da forma mais célere possível”.

Além das queixas na página da TAP na rede social Facebook sobre atrasos e cancelamentos, uma passageira pormenorizou à Lusa que passageiros de Barcelona (Espanha) estão a “fazer escalas entre Bélgica e outros países da Europa, entre uma a duas, com o risco de ficarem presos numa das escalas por voos uma vez mais cancelados”.

Há cerca de uma semana, a Lusa contou mais de 50 cancelamentos nos aeroportos de Lisboa e do Porto, depois de o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava), Fernando Henriques, ter informado que no fim de semana de 23 e 24 de junho a TAP tinha tido "mais de 70 cancelamentos" (clique para ler: TAP regista mais de 50 cancelamentos desde Domingo à noite em Lisboa e Porto).

Nessa altura, a companhia lamentou os cancelamentos registados na noite de 25 de Junho na Madeira e no Porto, enumerando "contingências imponderáveis", como mau tempo, obras e greve.

"A TAP lamenta os cancelamentos em causa, provocados por uma série de contingências imponderáveis, como foram o caso de um período de mau tempo no Porto, aliado a obras no aeroporto Sá Carneiro, que obrigaram ao encerramento do aeroporto durante a noite", a que se juntaram "perturbações provocadas no tráfego aéreo pela greve em Marselha", segundo disse, na altura, fonte oficial da empresa à Lusa (clique para ler: TAP justifica cancelamentos de segunda-feira com “contingências imponderáveis).

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: TAP

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP reforça oferta de voos entre Porto e São Paulo a partir de Junho

21-02-2019 (11h58)

A TAP vai reforçar as ligações entre Porto e São Paulo dos actuais dois voos por semana para três voos semanais a partir de Junho, que serão às terças, quintas e Sábados.

easyJet lança nova rota de Verão Porto – Málaga

21-02-2019 (09h56)

A companhia de aviação easyJet anunciou que vai voar entre Porto e Málaga de 2 de Abril a 26 de Outubro, quatro vezes por semana, em A320.

TAP recebe segundo Airbus A320neo

20-02-2019 (18h22)

A TAP comunicou hoje que já recebeu o segundo novo Airbus A320neo, com a matrícula CS-TSB, da encomenda de 71 aviões ao fabricante europeu que conta receber até 2025.

Banco de Portugal contabiliza recorde de exportações de transporte aéreo de passageiros em 2018

20-02-2019 (14h07)

O Banco de Portugal contabilizou 3,56 mil milhões de euros de exportações portuguesas de transporte aéreo de passageiros em 2018, que constitui um novo recorde anual, +6,8% ou mais 226,4 milhões que em 2017.

Grupo Air France KLM factura mais mas lucra menos em 2018

20-02-2019 (11h36)

O grupo de aviação Air France KLM, que reclama ser o maior da Europa em voos de longo curso, revelou hoje que em 2018 teve um aumento da receitas de transporte de passageiros em 1,6% (+4,1% sem flutuações cambiais), atingindo 22,9 mil milhões de euros, mas o seu resultado operacional caiu 382 milhões, para 994 milhões.