TAP é a 3ª maior em voos internacionais de/para o Brasil e a nº 1 nas ligações com a Europa

03-07-2017 (15h22)

Embora com menos tráfego que em 2015, a TAP manteve-se em 2016 a 3ª maior companhia em transporte aéreo internacional de/para o Brasil e a nº1 em ligações entre o ‘gigante' sul-americano e a Europa, concluiu o PressTUR a partir dos dados publicados pela Autoridade Aeronáutica brasileira, ANAC.

O Anuário do Transporte Aéreo em 2016 indica que a TAP teve uma quota de 7,9% do tráfego internacional de/para o Brasil em RPK (passageiros x quilómetros voados), aquém apenas dos 20,6% da LATAM Brasil (antiga TAM), líder brasileira em tráfego internacional e dos 8,2% da American Airlines, maior companhia aérea do mundo e líder em ligações entre o Brasil e os Estados Unidos.

Esta informação permite calcular que a TAP somou um pouco mais de dez mil milhões de RPK, com um decréscimo em 7,8% face ao ano de 2015, uma queda que, ainda assim, lhe permitiu ganhar quota em relação à American, que teve uma queda da procura nos seus voos de/para o Brasil em 18,7%.

A tendência do ano de 2016 foi, aliás de queda do tráfego em 3,56%, com a a brasileira GOL a ter o segundo decréscimo mais forte depois da American, em 13,2%, seguindo-se TAP e Air France, ambas com -7,8%, United com -2,6%, e Emirates, com 1,5%, segundo o Anuário, que apenas lista as companhias com maiores participações, entre as quais a Azul foi a que teve o crescimento mais forte, em 17,2%, enquanto a LATAM Brasil teve +0,2%.

Em número de passageiros, sem ponderação pelas distâncias voadas, a TAP foi 4ª em 2016, com uma quota de 6,7%, depois da LATAM com 24,5%, da GOL, com 9%, e da American, com 6,7%.

Esta avaliação, porém, não leva em conta que voar para a Europa não é a mesma coisa que voar para um dos países vizinhos, o que leva, aliás, que em número de passageiros, com 5,91 milhões em 2016, as ligações com a Europa tenham significado ‘apenas' 28,2% do tráfego internacional de/para o Brasil, com a TAP a ter uma quota de 6,7%, quando, introduzindo o factor distância, a TAP foi responsável por 7,9% da oferta em ASK (lugares x quilómetros voados) e 6,7% da procura em RPK (passageiros x quilómetros voados).

Cálculos do PressTUR a partir dos dados do Anuário evidenciaram que em número de passageiros a primeira origem/destino de voos internacionais no Brasil foi os Estados Unidos, apesar de uma queda em 17,4%, para 4,44 milhões.

Portugal surge na 4ª posição, a seguir aos ‘vizinhos' Argentina (3,43 milhões, +11,4% que em 2015) e Chile (1,5 milhões, +6,6%), com 1,47 milhões, -4,1% que em 2015.

Portugal foi assim a origem/destino de 24,9% dos passageiros que voaram entre o Brasil e a Europa em 2016, abaixo da quota de 2015 em 0,7 pontos, seguido por Espanha, que ganhou 0,9 pontos, para 17,1%, e assim ultrapassou França, que deve um decréscimo de 0,5 pontos, para 15,7%.

Seguem-se a Alemanha, com 14,5%, a subir 0,4 pontos, o Reino Unido, com 9,2%, a descer 0,8 pontos, Itália, com 8,9%, a subir 0,9 pontos, Holanda, com 6,4%, a baixar 0,2 pontos, e a Suíça, com 3,2%, a subir 0,5 pontos.

De acordo com o Anuário, os voos entre o Brasil e a Europa somaram 5,91 milhões de passageiros no ano passado, em queda de 1,2% ou 72,2 mil em relação a 2015, e Portugal liderou com 1,47 milhões (-4,1% ou menos 62,5 mil), seguido por Espanha, com 1,01 milhões (+4,1% ou mais 39,6 mil), França, com 927,8 mil (-4,4% ou menos 42,6 mil), Alemanha, com 857,9 mil (+1,7% ou mais 14 mil), Reino Unido, com 540,9 mil (-9,1% ou menos 54,4 mil), Itália, com 526,7 mil (+4,6% ou mais 23,1 mil), Holanda, com 381,1 mil (-4,5% ou menos 18 mil), e Suíça, com 188,8 mil (+17,7% ou mais 28,4 mil).

Por companhias, as únicas europeias com participações especificados no Anuário em número de passageiros são a TAP, com 6,7% (cerca de 1,41 milhões, -8,2% que em 2015), e Air France, com 3,3% (cerca de 684,7 mil, -8,5% ou menos cerca de 63,2 mil).

Dados de tráfego do Aeroporto de Lisboa a que o PressTUR teve acesso indicam que no ano passado teve 1,415 milhões de passageiros em voos de/para o Brasil, com uma queda em 4,7% relativamente a 2015.

Os dados do Aeroporto do Porto não especificam a origem/destino Brasil, reportando às ligações com a América do Sul, que praticamente se resumem aos voos de/para o Brasil, nos quais, segundo indica, teve 87,9 mil passageiros, com uma queda em 19,2% face a 2015.

 

Clique para mais notícias: Brasil

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Pilotos da KLM ameaçam com greve por reivindicações salariais

14-08-2018 (18h28)

Os pilotos da companhia de aviação holandesa KLM, que faz parte do mesmo grupo que a francesa Air France e a low cost Transavia, ameaçaram hoje fazer greve caso não tenham resposta até sexta-feira para as suas reivindicações salariais, segundo o jornal holandês “De Telegraaf”.

Governo dos Açores considera “prematuro” falar da proposta de compra da Azores Airlines

14-08-2018 (18h21)

A secretária regional dos Transportes e Obras Públicas dos Açores afirmou ontem ser “absolutamente prematuro” pronunciar-se sobre o processo de alienação de 49% do capital da Azores Airlines, uma vez que a proposta apresentada se encontra em análise.

SATA tem nova Administração a partir de segunda-feira

10-08-2018 (16h10)

A nova Administração da companhia de aviação açoriana SATA, presidida por António Luís Gusmão Teixeira, toma posse na segunda-feira, informou hoje o Governo Regional dos Açores.

Ryanair prevê transportar 400 mil passageiros hoje apesar da greve de pilotos na Europa

10-08-2018 (12h07)

A low cost Ryanair, segunda maior companhia de aviação em Portugal, garantiu que vai transportar hoje mais de 400 mil passageiros em mais de dois mil voos, apesar de enfrentar uma greve dos pilotos na Irlanda, Suécia, Alemanha e Bélgica.