Sevenair quer exclusão da Binter do concurso para os voos Funchal - Porto Santo

02-05-2018 (11h21)

A companhia de aviação Sevenair requereu hoje a exclusão da concorrente Binter, que está à frente no concurso para a concessão da ligação aérea entre Funchal e Porto Santo, por “infração ao clausulado do caderno de encargos”.

“Após consulta da proposta da Binter, na plataforma saphety, foram detectadas infracções ao clausulado do caderno de encargos e que devem conduzir à sua exclusão, sob pena de ilegalidade do futuro acto de adjudicação”, afirma a Sevenair, que assegurou aquela ligação nos últimos três anos, em comunicado citado pela Agência Lusa.

A Sevenair aponta ao júri do concurso público internacional, entre outras, a violação do número de frequências mínimas por parte da companhia aérea espanhola Binter em uma por dia, ou seja, 365 por ano, o que é “inferior ao mínimo de 517 frequências exigidas no caderno de encargos”.

Indica ainda que a Binter “não identifica na sua proposta uma aeronave específica para o serviço da linha, nem uma aeronave específica para o ‘back-up’ [plano B] da linha”.

Considera também a proposta da Binter “confusa e enganadora”, por não apresentar a “designação nominal das quatro tripulações afectas à linha” nem o “número ou percentagem dos membros da tripulação comercial (tripulação de cabina) que assegura as ligações que dominam a língua portuguesa”.

A companhia aérea espanhola Binter está à frente, por três pontos, no concurso público internacional para a concessão da exploração dos serviços aéreos regulares na rota Porto Santo - Funchal - Porto Santo, disse à Lusa fonte ligada ao processo.

Segundo adiantou a mesma fonte, as três concorrentes - LFAS - Lease Fly Aviation Services SA, a Binter Canárias SA e a a Aero Vip - Companhia de Transporte e Serviços Aéreos SA (Sevenair) - foram informadas da decisão preliminar que opta pela proposta da companhia regional espanhola, decorrendo agora um período de audiência antes da decisão final (para ler mais clique: Binter é favorita no concurso para os voos entre a Madeira e o Porto Santo).

A concessão, de acordo com o “Diário da República” de 3 de Março de 2017, será pelo período de três anos, no valor de cerca de 5,6 milhões de euros.

A Binter começou por ser uma companhia aérea regional espanhola, que opera desde 1989, primeiro ligando as Canárias e mais tarde aquele arquipélago a destinos internacionais.

A transportadora tem ligações entre as Canárias e o Funchal e Lisboa e, em 2016, começou a operar em Cabo Verde, através da Binter Cabo Verde, que assegura em exclusividade, desde Agosto de 2017, os voos no arquipélago.

A portuguesa Sevenair, que detém actualmente esta concessão, anunciou hoje que vai contestar o resultado do concurso público internacional, realçando que, ao longo dos últimos três anos, o serviço público de transporte aéreo entre o Porto Santo e Funchal “tem sido prestado cumprindo escrupulosamente o caderno de encargos que esteve na sua origem”.

“Em toda a duração de tempo da concessão não existiu um único incidente que possa ser apontado”, salientou, anunciando que a empresa, que foi notificada na sexta-feira, tem cinco dias para se pronunciar.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP foi a companhia estrangeira líder em passageiros de/para o Brasil em 2017

14-11-2018 (17h11)

A TAP foi a 3ª maior companhia em passageiros de voos internacionais de/para o Brasil e a primeira entre as estrangeiras, suplantando a maior companhia de aviação do mundo, a American Ailines, dos Estados Unidos, de acordo com o Anuário publicado pela ANAC, autoridade aeronáutica brasileira.

Presidente da TAAG está seguro que fluxo de passageiros entre Portugal e Angola vai aumentar

14-11-2018 (16h46)

Com o ‘desanuviamento' das relações entre Portugal e Angola, "não tenho dúvida nenhuma de que vai haver aumento de fluxo de passageiros entre Luanda e Lisboa", afirmou ao PressTUR o presidente da companhia de aviação angolana TAAG, Rui Carreira.

TAAG quer abrir capital ao investimento privado, mas “não total” – presidente

14-11-2018 (16h42)

A TAAG deixou de ser uma empresa pública para ser uma sociedade comercial e o próximo passo será a abertura de parte do capital ao investimento privado, mas "não total", uma vez que se trata de "uma empresa estratégica para o Estado angolano", de acordo com o presidente da transportadora, Rui Carreira.

Porto – Luanda “continua a ser para nós um bom voo”, mesmo com quebra de passageiros – TAAG

14-11-2018 (16h40)

O tráfego aéreo de passageiros entre Porto e Luanda está com uma quebra de 8,7% até Outubro, mas não é por isso que deixa de ser "um bom voo", garantiu ao PressTUR o presidente do Conselho de Administração da TAAG, Rui Carreira, assegurando que a rota é para manter com a mesma frequência de voos.

Lisboa – Luanda é “estável durante o ano todo” – TAAG

14-11-2018 (16h38)

As taxas de ocupação dos voos geralmente são afectadas por sazonalidades, mas a ligação Lisboa - Luanda, de acordo com o presidente do Conselho de Administração da TAAG, Rui Carreira, "tem sido estável durante o ano todo", o que "é muito bom".