Ryanair rejeita previsão de "caos" na greve de 28 de Setembro

13-09-2018 (12h05)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

A Ryanair recusou hoje que a greve marcada por tripulantes de cabine de cinco países, incluindo Portugal, provocará “caos” na companhia, visto ter “experiência” a lidar com estas paralisações e esperar que “a maioria” destes funcionários trabalhe.

“A Ryanair rejeitou hoje as falsas alegações do sindicato belga CNE, de que a greve marcada pela minoria dos tripulantes de cabine da empresa causará o caos nos nossos voos” em 28 de Setembro, indica a empresa em comunicado.

A reação surge depois de hoje ter sido anunciado, numa conferência de imprensa de vários sindicatos europeus, em Bruxelas, que os tripulantes da transportadora aérea Ryanair de cinco países, incluindo Portugal, vão fazer greve em 28 de Setembro (clique para ler: Tripulantes de cabine da Ryanair de cinco países marcam greve para 28 de Setembro).

Na nota à imprensa, a transportadora lembra “a sua experiência” em paralisações recentes, nomeadamente os cinco dias de greve, não consecutivos, dos pilotos irlandeses durante o Verão.

“Em cada um desses dias, a Ryanair realizou 280 dos 300 voos previstos de e para a Irlanda”, aponta a companhia, explicando que isso foi possível porque “75% dos pilotos irlandeses trabalhou normalmente”.

Uma situação semelhante verificou-se esta quarta-feira, na Alemanha, visto que, apesar da greve, “mais de 70% dos pilotos e tripulantes alemães da Ryanair trabalharam”, permitindo a realização de 250 de um total de 400 voos diários (número que já tem conta os 150 voos que haviam sido cancelados previamente).

É isso que a companhia considera que vai voltar a acontecer no dia 28 de Setembro: “A Ryanair julga que, mesmo que a greve limite a tripulação de cabine, a grande maioria […] em toda a Europa deverá trabalhar normalmente”.

A expectativa da transportadora é ainda que “uma maioria significativa da sua tripulação de cabine em Espanha, Itália, Bélgica, Holanda e Portugal também trabalhe normalmente, como aconteceu em paralisações anteriores”.

Se isso voltar a acontecer, “não haverá nenhum caos nas viagens nem interrupções generalizadas”, garante.

Citado pela nota, o responsável pelo Marketing da Ryanair, Kenny Jacobs, lamenta as várias greves ocorridas durante o Verão e ressalva que, mesmo com essas paralisações, “houve muito pouca perturbação” nos voos da companhia.

“Se houver mais uma greve de tripulação de cabina mal sucedida no próximo dia 28 de Setembro, […] a Ryanair notificará previamente os clientes de um pequeno número de voos cancelados”, acrescenta Kenny Jacobs, assegurando esforços para a realização da “esmagadora maioria” das viagens.

Ao protesto de dia 28 de Setembro vão juntar-se trabalhadores da Bélgica, Holanda, Itália, Espanha e Portugal, segundo Yves Lambot, dirigente do CNE, citado por agência noticiosas, tendo a presidente do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) confirmado também a data à agência Lusa.

Esta tarde, os responsáveis sindicais vão reunir-se com os chefes de gabinete do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e da comissária do Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade dos Trabalhadores, Marianne Thyssen.

No dia 7 de setembro, sindicatos europeus, incluindo o português SNPVAC, anunciaram que iriam avançar com uma greve ao trabalho na Ryanair.

A greve está a ser convocada por dois sindicatos italianos, o SNPVAC, uma estrutura sindical belga, duas espanholas e uma holandesa.

Em cima da mesa está, nomeadamente, a exigência para que os contratos de trabalho da Ryanair sejam feitos segundo a lei laboral nacional de cada país, e não a irlandesa, que tem sido a usada pelo grupo.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Ryanair

Clique para ver mais: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Grupo TAP prepara-se para entrar em bolsa a partir de 2020

22-03-2019 (18h21)

A TAP SGPS está a trabalhar para, a partir de 2020, estar pronta a avançar com uma IPO (Oferta Pública Inicial), com uma percentagem entre 15% e 30%, anunciou hoje o presidente da Comissão Executiva do grupo.

Grupo TAP tem prejuízo de 118 milhões de euros em “ano necessário”

22-03-2019 (18h06)

O Grupo TAP passou de um lucro de 21,2 milhões de euros em 2017 para um prejuízo de 118 milhões de euros em 2018, um ano de transformação necessária para preparar o futuro, segundo descreveram hoje Miguel Frasquilho, Antonoaldo Neves e David Neeleman.

TAP quer acabar com “dependência” do Brasil através da diversificação de mercados

22-03-2019 (16h42)

A TAP está a trabalhar na diversificação de mercados para acabar com a “dependência” do Brasil, um mercado que representa quase 25% das vendas totais da companhia e que no ano passado teve uma quebra de receitas de 10%, em euros.

TAP vai investir “cada vez mais” nas vendas directas

22-03-2019 (15h13)

As vendas da TAP através dos seus canais directos, como o seu website e o contact center, representaram 41% das vendas da companhia aérea em 2018, e o objectivo é chegar a 50%, disse hoje Raffael Quintas, Chief Financial Officer (CFO) da companhia.

Companhia aérea indonésia cancela encomenda de 49 aviões Boeing 737 MAX

22-03-2019 (14h30)

A companhia aérea indonésia Garuda anunciou hoje o cancelamento de uma encomenda de 49 aviões Boeing 737 MAX, aparelho ligado a dois acidentes, o mais recente dos quais a 10 de Março, na Etiópia.