Ryanair aumenta lucros em 12% nos últimos três meses de 2017

05-02-2018 (17h11)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

A Ryanair aumentou os lucros em 12% nos últimos três meses do ano passado, período em que transportou 30,4 milhões de passageiros, mais 6% que entre Outubro e Dezembro do ano anterior.

De Outubro a Dezembro, terceiro trimestre fiscal da companhia aérea, as receitas da Ryanair subiram 4% face ao período homólogo do ano passado, para 1,4 mil milhões de euros.

No mesmo período, a tarifa média por passageiro baixou 4%, para 32 euros.

Michael O'Leary, CEO da Ryanair, citado em comunicado, classificou o trimestre de "muito desafiante", resumindo que após a "falha nas escalas de serviço dos pilotos em Setembro" e "a dolorosa decisão de fazer parar 25 aeronaves", a transportadora assegurou que a pontualidade das operações "rapidamente voltasse à média normal de 90%”.

O executivo destacou ainda o reconhecimento de sindicatos de pilotos na Irlanda, Reino Unido, Espanha, Alemanha, Itália, Portugal, Bélgica e França, perspectivando que o mesmo irá acontecer com os sindicatos de tripulantes de cabine.

Michael O'Leary prevê que o reconhecimento dos sindicatos irá aumentar a complexidade do negócio, poderá causar rupturas no curto prazo e criar relações públicas negativas, mas "não alterará a nossa liderança em custos na aviação europeia ou mudará o nosso plano para crescer até 200 milhões de tráfego anual até 2024”.

O CEO da Ryanair perspectiva fechar o ano fiscal completo de 2018 com um aumento do número de passageiros em 8%, para 130 milhões, mais um milhão do que perspectivava inicialmente, com as tarifas a cair "pelo menos 3%" e os gastos em ancillaries por passageiro a aumentar 2%.

Para os resultados do ano completo de 2019, Michael O'Leary sublinha que a Ryanair "não partilha o optimismo dos concorrentes e comentadores de mercado sobre o aumento das tarifas no Verão de 2018".

O CEO da low cost prevê que o tráfego suba 6% para 138 milhões, embora as suas estimativas sejam de que as tarifas para o Verão continuem sob pressão, devido ao aumento de custos com combustível e pessoal e à continuação da incerteza sobre o Brexit.


Clique para mais notícias: Ryanair

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CEO da TAP defende direito a sonhar com liderar tráfego entre a Europa e a América do Norte

20-06-2018 (17h57)

Embora tenha pela frente concorrentes como a British Airways, que ainda em 4 de Maio começou a voar de Londres-Heathrow para Nashville, sua 26ª cidade nos Estados Unidos, o CEO da TAP reivindicou hoje no Porto o direito a da companhia a “sonhar grande em relação a ser a principal companhia aérea que liga a Europa à América do Norte”.

CEO da TAP garante aposta no Porto e ironiza: “a concorrência que se cuide”

20-06-2018 (17h51)

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro "é historicamente um dos alicerces da TAP", que tem um "compromisso total e absoluto" com o Porto, garantiu hoje o CEO da companhia, Antonoaldo Neves, que rematou com um: "Queremos ter uma posição dominante no Porto, e a concorrência que se cuide".

Antonoaldo Neves reconhece pontualidade como “problema gravíssimo” da TAP

20-06-2018 (17h48)

"Temos um problema gravíssimo de pontualidade na ponte aérea e na TAP em geral", reconheceu hoje o CEO da companhia, Antonoaldo Neves, na sessão de balanço da operação da companhia aérea no Porto admitiu, que assegurou tratar-se de um "desafio" a superar nos próximos tempos.

Exportações portuguesas de transporte aéreo de passageiros voltam a crescer acima de 20% em Abril

20-06-2018 (16h28)

As empresas portuguesas de transporte aéreo de passageiros, as maiores das quais a TAP, a Azores Airlines, a euroAtlantic e a Hi Fly, aumentaram em Abril as vendas ao estrangeiro em 23,2%, alcançando assim um aumento médio em 15,3% no quadrimestre.

CEO da TAP diz que auditoria do TdC é "assunto de accionista" mas afirma-se "confiante" no futuro

20-06-2018 (14h56)

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, escusou-se hoje a comentar a auditoria do Tribunal de Contas (TdC) que aponta uma acrescida "exposição" do Estado português a "contingências adversas" da companhia, mas dizendo estar "confiante" num bom desempenho financeiro da empresa.