Ryanair anuncia ter atingido a previsão de 129 milhões de passageiros em 2017

03-01-2018 (14h05)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

Com aumento em cerca de 12 milhões face em 2016

A low cost Ryanair, que em Portugal voa para os aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Ponta Delgada e Terceira, anunciou hoje que nos 12 meses até Dezembro passado teve um crescimento médio do número de passageiros em 10% e atingiu um total de 129 milhões, que era a previsão que tinha avançado em Outubro.

Os dados da Ryanair, porém, não permitem um acompanhamento rigoroso, desde logo porque em lugar de divulgar o número exacto de passageiros, divulga um total ‘arredondado’ às centenas de milhar.

Assim, somando os números de passageiros que foi divulgando ao longo de 2017, o seu total de passageiros no ano eleva-se a 128,77 milhões, com ‘margem’ para serem os 129 milhões que indica hoje ser o total dos 12 meses até Dezembro de 2017.

Por outro lado, quando em 31 de Outubro divulgou os seus resultados do primeiro semestre do ano fiscal de 2017 (Abril a Setembro, inclusive), a companhia informou que em consequência dos milhares de cancelamentos que decidiu fazer e consequência do que então dizia ser um problema com escalas dos pilotos reduzia a sua previsão de crescimento no segundo semestre e, dessa forma, “o tráfego na totalidade do ano abrandará de 131 milhões para 129 milhões de clientes”.

A Ryanair não especificava, no entanto, se se referia ao ano fiscal que adoptou até então (Abril a Março do ano seguinte) ou ao ano de calendário (Janeiro a Dezembro) que, aliás, anunciou passará a adoptar e cuja mudança até invocou como uma das razões para o conflito com os pilotos que agora até a levou a reconhecer os sindicatos (para ler mais clique: Ryanair cede a reconhecer sindicatos de pilotos para evitar greves no Natal).

Os dados de tráfego publicados mensalmente permitem avaliar, com a ressalva dos ‘arredondamentos’, que em 2017 a Ryanair transportou mais quase 12 milhões de passageiros que em 2016 e vendeu em média vendeu cerca de 95,5% dos lugares que teve no mercado, reduzindo o número de lugares vazios nos voos em cerca de 17%.

Essa redução, por sua vez, significa que cerca de 10% do aumento de passageiros da Ryanair, ou cerca de 1,2 milhões, ‘serviram’ para reduzir o número de lugares vazios nos aviões.

 

Continua:

Crescimento da Ryanair arrefece em Dezembro para nível mais baixo desde Março de 2014

 

Clique para mais notícias: Ryanair

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair alega queda mais forte das tarifas para emitir profit warning

18-01-2019 (16h12)

A low cost Ryanair baixou em cerca de cem milhões de euros o intervalo da previsão de lucros do exercício 2017/2018, que termina em Março, apontando como causa uma queda dos preços dos voos mais forte do que antecipara.

TAP confirma A321neo LR na rota Porto – Newark

18-01-2019 (11h56)

A TAP confirmou que a partir de 1 de Junho vai voar entre Porto e Nova Iorque Newark seis vezes por semana com um avião Airbus A321neo Long Range, como o PressTUR noticiou esta terça-feira, dia 15.

Norwegian vai encerrar bases em Espanha, Itália e EUA

18-01-2019 (11h30)

A companhia de aviação Norwegian Air Shuttle anunciou que vai encerrar a partir de Abril várias bases em Espanha, Itália e Estados Unidos, para melhorar o seu desempenho financeiro.

Aeroportos portugueses já ficaram em Novembro abaixo do crescimento médio na União Europeia

17-01-2019 (17h49)

O estancamento do Aeroporto de Lisboa arrastou o país dos tops de crescimento da aviação comercial na União Europeia para níveis inferiores à média, de acordo com o ACI Europa, que até mostrou Faro no Top5 de crescimento em Novembro dos aeroportos com cinco milhões a dez milhões de passageiros por ano.

“A festa poderá estar a acabar em breve”, avisa director-geral do ACI Europa

17-01-2019 (17h47)

O director-geral do ACI Europe, Olivier Jankovec, citado em comunicado da organização, comentou que os dados de Novembro mostram que o transporte aéreo de passageiros “continuam a desafiar um ambiente geopolítico e económico crescentemente desafiador”, mas que “a festa poderá estar a acabar em breve”.