Ryanair alerta passageiros para limites de transporte de bagagens de mão

12-07-2017 (17h28)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

A Ryanair anunciou hoje que tem verificado que “alguns clientes trazem bagagem maior que a permitida”, gerando atrasos, uma situação que, a manter-se, poderá forçar uma revisão das suas políticas de transporte de bagagens, alerta a low cost.

“Apercebemo-nos que alguns clientes trazem bagagem maior que a permitida para a cabine, podendo gerar certos atrasos”, afirma Kenny Jacobs, director de Marketing da Ryanair, citado em comunicado.

No caso de continuarem a verificar-se situações em que os passageiros transportam bagagem maior que a permitida, a Ryanair poderá fazer uma “revisão da nossa política”, acrescenta Kenny Jacobs.

Em pleno início da época alta de Verão “com muitos voos cheios”, o executivo da Ryanair solicita aos passageiros “que, na medida do possível, viajem com menos bagagem de mão”, uma vez que “os nossos aviões apenas podem transportar 90 peças de bagagem de cabina de dimensão normal”.

A política de bagagem de mão será aplicada “rigorosamente” para “evitar atrasos e assegurar uma experiência de voo agradável para todos os nossos clientes”, enfatiza Kenny Jacobs.

E acrescenta: “recomendamos aos passageiros que queiram viajar com bagagem de maiores dimensões que reservem a opção de despachar a sua mala”.

As dimensões máximas permitidas para bagagem de mão são “um volume normal de cabina (55cm x 40cm x 20cm em dimensão e 10 kg de peso)” e “um volume pequeno (carteira, mala de computador, saco de compras do aeroporto, etc.)”, especifica o comunicado da companhia aérea.

Os dois volumes de bagagem de mão “devem caber nos dispositivos para medição de malas disponíveis na porta de embarque, sendo que qualquer bagagem com dimensão superior à indicada será recusada ou, sendo possivel, despachada com um custo de 50€”.

Após o embarque de 90 peças de bagagem “normais”, a restante bagagem “pode ser despachada para o porão sem custo adicional”.

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Ryanair

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CEO da TAP defende direito a sonhar com liderar tráfego entre a Europa e a América do Norte

20-06-2018 (17h57)

Embora tenha pela frente concorrentes como a British Airways, que ainda em 4 de Maio começou a voar de Londres-Heathrow para Nashville, sua 26ª cidade nos Estados Unidos, o CEO da TAP reivindicou hoje no Porto o direito a da companhia a “sonhar grande em relação a ser a principal companhia aérea que liga a Europa à América do Norte”.

CEO da TAP garante aposta no Porto e ironiza: “a concorrência que se cuide”

20-06-2018 (17h51)

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro "é historicamente um dos alicerces da TAP", que tem um "compromisso total e absoluto" com o Porto, garantiu hoje o CEO da companhia, Antonoaldo Neves, que rematou com um: "Queremos ter uma posição dominante no Porto, e a concorrência que se cuide".

Antonoaldo Neves reconhece pontualidade como “problema gravíssimo” da TAP

20-06-2018 (17h48)

"Temos um problema gravíssimo de pontualidade na ponte aérea e na TAP em geral", reconheceu hoje o CEO da companhia, Antonoaldo Neves, na sessão de balanço da operação da companhia aérea no Porto admitiu, que assegurou tratar-se de um "desafio" a superar nos próximos tempos.

Exportações portuguesas de transporte aéreo de passageiros voltam a crescer acima de 20% em Abril

20-06-2018 (16h28)

As empresas portuguesas de transporte aéreo de passageiros, as maiores das quais a TAP, a Azores Airlines, a euroAtlantic e a Hi Fly, aumentaram em Abril as vendas ao estrangeiro em 23,2%, alcançando assim um aumento médio em 15,3% no quadrimestre.

CEO da TAP diz que auditoria do TdC é "assunto de accionista" mas afirma-se "confiante" no futuro

20-06-2018 (14h56)

Antonoaldo Neves, CEO da TAP, escusou-se hoje a comentar a auditoria do Tribunal de Contas (TdC) que aponta uma acrescida "exposição" do Estado português a "contingências adversas" da companhia, mas dizendo estar "confiante" num bom desempenho financeiro da empresa.