Ryanair admite não voar nos meses de Abril e Maio

24-03-2020 (17h06)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

O CEO da low cost Ryanair, que em Portugal voa para Lisboa, Porto e Faro, admitiu que a companhia não voe nos meses de Abril e Maio, devido às restrições impostas para travar a pandemia da covid-19.

“A experiência da China sugere um período de três meses para a disseminação do vírus ser contida e reduzida. Nesta altura não esperamos operar voos durante os meses de Abril e Maio, mas isto claramente vai depender do conselho do governo”, escreveu Michael O’Leary numa declaração no Twitter.

Já no dia 18 O’Leary dissera que antecipava ter que parar a maior parte, senão mesmo a totalidade, das rotas a partir de hoje, 24 de Março

O executivo sugeriu na declaração no Twittter poder pôr os aviões da Ryanair ao serviço de repatriamentos e para transporte de medicamentos e equipamentos de protecção pessoal.

A Ryanair é a companhia que mais reduziu o número de lugares no mercado na semana de 24 de Março em relação à anterior, segundo a OAG (clique para ler: Ryanair fez a redução de lugares mais forte na semana que está em curso) e na passada quinta-feira anunciou que a partir de amanhã reduz a sua programação em mais de 80%, ficando apenas com “um número muito reduzido de voos para manter um nível de conectividade essencial, principalmente entre o Reino Unido e a Irlanda” (clique para ler: Ryanair só vai operar voos essenciais a partir de quarta-feira).

Em declarações ao jornal “Financial Times”, O’Leary afirmou que companhias de aviação e aeroportos “não vão ter clientes e receitas nos próximos dois meses”, avançando que o que a companhia está a tentar evitar o mais possível são despedimentos em massa e para isso precisa de preservar capital.

“A prioridade aqui para nós como companhia é como preservar tanto mais dinheiro para que se tivermos que operar por três, seis, nove, talvez 12 meses sem voos e sem receitas como vamos sobreviver, como temos dinheiro para sobreviver a isso e nós acreditamos que vamos”, realçou.

 

Clique para mais notícias: Ryanair

Clique para mais notícias: Coronavírus

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

United Airlines oferece período de dois anos para alterarção de reservas

08-04-2020 (12h12)

A United Airlines está a oferecer aos seus clientes com viagens marcadas até final de 2020 a possibilidade de alterarem a sua reserva para datas num período alargado de dois anos.

IATA diz não ser possível a aviação voltar ao que era pré-pandemia de covid-19

07-04-2020 (18h21)

“Não esperamos recomeçar a mesma indústria que fechámos há algumas semanas. As companhias de aviação continuarão a ligar o mundo. E vamos fazê-lo utilizando uma variedade de modelos de negócio. Mas os processos precisarão de ser adaptados”, defende o director-geral da IATA, Alexandre de Juniac, em declarações para a imprensa.

Serão precisos anos para o transporte aéreo voltar aos níveis pré-crise da covid-19, Grupo Lufthansa

07-04-2020 (17h32)

O grupo Lufthansa, maior grupo europeu da aviação comercial, desenganou hoje quem ainda sonhe com um rápido retorno à era pré-covid-19, dizendo que vão ser precisos “meses” para as restrições à aviação serem completamente levantadas e que levará “anos” para o tráfego atingir os níveis que tinha.

Jet2.com prevê retomar operações em Junho

07-04-2020 (16h41)

A Jet2.com, que era nos tempos pré-covid uma das companhias de aviação que mais passageiros transportava para o Aeroporto de Faro, anunciou que prevê retomar os voos a 17 de Junho, advertindo que, no entanto, é uma decisão que estará “sob constante revisão” para que sejam cumpridas as orientações dos governos e das autoridades relevantes.

Azul ainda termina 1º trimestre a crescer, apesar do impacto da pandemia de covid-19

07-04-2020 (16h21)

A Azul, companhia brasileira que é accionista indirecta da TAP, indicou hoje que terminou o primeiro trimestre com um crescimento do tráfego em 10,8%, embora tendo registado uma quebra de 24,6% no mês de Março, em que se agravou a disseminação pelo mundo das infecções pelo novo coronavírus.

Noticias mais lidas