Prejuízo operacional de época baixa da easyJet agrava-se 350%

17-05-2019 (15h39)

Foto: easyJet
Foto: easyJet

A low cost easyJet, que em Portugal tem voos de/para Lisboa, Porto, Faro e Funchal, declarou hoje um prejuízo operacional para o semestre terminado a 31 de Março de 255 milhões de libras (292 milhões de euros ao câmbio de hoje), pior 355% que no período homólogo do exercício anterior, enfatizando, no entanto, que foi sem surpresa que registou essa perda.

A easyJet teve um desempenho “em linha com as suas expectativas”, diz uma declaração do seu CEO, Johan Lundgren, publicada juntamente com o balanço do semestre, na qual, no entanto, admite que a companhia enfrentou condições de mercado mais duras.

O balanço mostra que embora tenha aumentado a sua capacidade em 14,2% em ASK (lugares x quilómetros voados) e em 14,5% em número de lugares disponíveis nos seus voos, significando um aumento de 5,8 milhões, para 46,2 milhões, o aumento das suas receitas foi de 7,3%, para 2.343 milhões de libras (2,68 mil milhões de euros), e porque as chamadas receitas complementares (ancillaries) subiram 14,3%, para 519 milhões (594,2 milhões de euros), porque as receitas de passagens tiveram um aumento de ‘apenas’ 5,5%, para 1.824 milhões (2,08 mil milhões de euros).

A informação da easyJet evidencia que do lado da receita a companhia teve no semestre uma queda da receitas unitária (por lugar voado um quilómetro) em 6% (com -6,3% em receita por lugar disponível), que se deve a queda da taxa de ocupação dos voos (menos um ponto em percentagem de lugares vendidos, para 90,1%) e, adicionalmente, queda em 5,3% da receita média por passageiro, para 56,26 libras (64,4 euros).

Este quadro é justificado pela easyJet com vários factores, entre os quais no exercício anterior ter beneficiado da falência da Monarch e dos cancelamentos da Ryanair, impacto da alteração de normas contabilísticas, efeito de calendário da Páscoa mais tarde este ano (no segundo trimestre] que em 2018 (no primeiro trimestre).

Mas o agravamento do prejuízo também tem explicações do lado dos custos, desde logo pelo agravamento do custo do combustível, em 30,6%, mas também dos encargos com aeroportos e handling, que subiram 15,3%, tripulações, que aumentaram 19,8%, levando a que o EBITDAR (resultado antes de juros, impostos, amortizações, provisões e rendas de leasing) passasse de um lucro de 120 milhões de libras (137,4 milhões de euros) em 2018 para um prejuízo de 16 milhões este ano (18,3 milhões de euros).

 

Clique para mais notícias: easyJet

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP quadruplica oferta de obrigações para até 200 milhões de euros

14-06-2019 (19h03)

A TAP decidiu multiplicar por quatro o número e valor de obrigações a emitir, no âmbito do empréstimo obrigacionista em curso, passando de 50 milhões de euros para até 200 milhões de euros, foi hoje comunicado ao mercado.

TAP recebe mais três Airbus A330neo e já conta com dez

14-06-2019 (16h58)

A TAP anunciou hoje ter recebido mais três aviões Airbus A330neo e que, assim, já com dez unidades deste avião que diz contribuir “com mais de 24 milhões de euros para a economia portuguesa” e “mais de 600 postos de trabalho para o País”.

Air France altera modelos de aviões que vai usar nos voos de/para Luanda

14-06-2019 (15h14)

A companhia de aviação francesa Air France, que tem voos de Paris para Lisboa e para o Porto, vai passar a voar do seu hub em Paris Charles de Gaulle e Luanda em Airbus A340-300, Boeing B777-200ER e Boeing B787-9, uma vez por semana cada um deles.

Turkish Airlines programa aumentar capacidade para o Vietname no Verão de 2020

14-06-2019 (14h55)

A companhia de aviação turca Turkish Airlines, que tem voos de Lisboa e do Porto para Istambul, tem programado um aumento de capacidade entre o seu hub e os aeroportos vietnamitas de Hanói e Ho Chi Minh City.

Noticias mais lidas