Prejuízo operacional de época baixa da easyJet agrava-se 350%

17-05-2019 (15h39)

Foto: easyJet
Foto: easyJet

A low cost easyJet, que em Portugal tem voos de/para Lisboa, Porto, Faro e Funchal, declarou hoje um prejuízo operacional para o semestre terminado a 31 de Março de 255 milhões de libras (292 milhões de euros ao câmbio de hoje), pior 355% que no período homólogo do exercício anterior, enfatizando, no entanto, que foi sem surpresa que registou essa perda.

A easyJet teve um desempenho “em linha com as suas expectativas”, diz uma declaração do seu CEO, Johan Lundgren, publicada juntamente com o balanço do semestre, na qual, no entanto, admite que a companhia enfrentou condições de mercado mais duras.

O balanço mostra que embora tenha aumentado a sua capacidade em 14,2% em ASK (lugares x quilómetros voados) e em 14,5% em número de lugares disponíveis nos seus voos, significando um aumento de 5,8 milhões, para 46,2 milhões, o aumento das suas receitas foi de 7,3%, para 2.343 milhões de libras (2,68 mil milhões de euros), e porque as chamadas receitas complementares (ancillaries) subiram 14,3%, para 519 milhões (594,2 milhões de euros), porque as receitas de passagens tiveram um aumento de ‘apenas’ 5,5%, para 1.824 milhões (2,08 mil milhões de euros).

A informação da easyJet evidencia que do lado da receita a companhia teve no semestre uma queda da receitas unitária (por lugar voado um quilómetro) em 6% (com -6,3% em receita por lugar disponível), que se deve a queda da taxa de ocupação dos voos (menos um ponto em percentagem de lugares vendidos, para 90,1%) e, adicionalmente, queda em 5,3% da receita média por passageiro, para 56,26 libras (64,4 euros).

Este quadro é justificado pela easyJet com vários factores, entre os quais no exercício anterior ter beneficiado da falência da Monarch e dos cancelamentos da Ryanair, impacto da alteração de normas contabilísticas, efeito de calendário da Páscoa mais tarde este ano (no segundo trimestre] que em 2018 (no primeiro trimestre).

Mas o agravamento do prejuízo também tem explicações do lado dos custos, desde logo pelo agravamento do custo do combustível, em 30,6%, mas também dos encargos com aeroportos e handling, que subiram 15,3%, tripulações, que aumentaram 19,8%, levando a que o EBITDAR (resultado antes de juros, impostos, amortizações, provisões e rendas de leasing) passasse de um lucro de 120 milhões de libras (137,4 milhões de euros) em 2018 para um prejuízo de 16 milhões este ano (18,3 milhões de euros).

 

Clique para mais notícias: easyJet

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aeroporto de Lisboa vai ter uma nova área de chegadas com mais cinco postos de controlo

21-08-2019 (16h30)

O aeroporto de Lisboa vai ter a partir de final de Setembro/início de Outubro mais cinco postos de controlo do Serviço de Estangeiros e Fronteiras (SEF) numa nova área de chegadas, disse Isabel Oneto, secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna.

Lisboa foi Top5 de crescimento de passageiros na Europa no primeiro semestre

21-08-2019 (15h37)

O ACI Europa, associação que reúne mais de 500 aeroportos europeus, cotou o Aeroporto de Lisboa como um dos grandes aeroportos do continente com mais forte crescimento do número de passageiros no primeiro semestre.

Tráfego aéreo de/para Portugal cresce acima da média da UE no 1º semestre

21-08-2019 (15h29)

Portugal foi um dos países cujos aeroportos tiveram aumentos de passageiros no primeiro semestre “bem acima da média da União Europeia”, informou o ACI Europe, associação que conta com mais de 500 aeroportos em 45 países europeus, que em 2018 somaram mais de 2,3 mil milhões de passageiros.

Ryanair diz que no primeiro dia de greve do SNPVAC teve “mais funcionários” do que necessitava

21-08-2019 (12h29)

A Ryanair assegura, em informação publicada no seu website, que hoje de manhã, primeiro dia de greve de tripulantes de cabina em Portugal convocada pelo SNPVAC, teve “mais funcionários” do que precisava para realizar todos os voos programados de/para aeroportos portugueses.

Portugal é a origem de passageiros para Espanha com aumento mais forte de lugares de avião

20-08-2019 (16h15)

Espanha tem este Agosto +15,5% de lugares de avião em voos de Portugal, que é assim a origem de passageiros com mais forte aumento de lugares no mês, de acordo com uma informação da Turespaña, organismo do Ministério da Indústria, Comércio e Turismo de Espanha.

Noticias mais lidas