Plano estratégico da TAP “não está comprometido, está reafirmado”, Antonoaldo Neves

19-07-2019 (12h25)

Foto: TAP
Foto: TAP

O plano estratégico da TAP “não está comprometido, está reafirmado”, disse o presidente executivo da companhia, Antonoaldo Neves, remetendo para os accionistas a análise da satisfação com os seus resultados.

“Há elementos que estão sendo cumpridos e outros que não, sendo que cabe aos accionistas ver se no seu todo estão ou não satisfeitos”, disse o CEO da companhia, ontem na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas da Assembleia da República.

Antonoaldo Neves salientou que “está a chegar o tempo de repensar o plano estratégico para os próximos cinco anos”.

Referindo-se ao endividamento, o executivo considerou que está a ser "rigorosamente cumprido" nos objectivos de redução e que este ano a empresa pagou 60 milhões de euros em dívida, contando pagar no total do ano 120 milhões de euros e no próximo ano mais 120 milhões de euros.

Antonoaldo Neves salientou que a pontualidade está melhor, desde logo com uma medida recente do Governo de reajuste do espaço aéreo, e destacou também a melhoria do serviço da TAP, incluindo serviço a bordo e entretenimento.

“O serviço da TAP deixava muito a desejar, a gente não falava disso, mas a TAP na Star Alliance só era melhor do que a Air India”, frisou.

Antonoaldo Neves indicou que a satisfação dos clientes na TAP duplicou no ano passado, isto apesar dos atrasos, que justificou com as infraestruturas aeroportuárias.

Contudo, prosseguiu o executivo, ao contrário de há um ano, há hoje um consenso sobre a necessidade de melhorar a infraestrutura.

Sobre a operação de manutenção no Brasil, o CEO da TAP indicou que mantém a expectativa de atingir o ‘break even’ no lucro operacional este ano: “Acabei de ver o resultado e continuo com essa projeção, felizmente”.

Questionado sobre a Madeira, recusou comentar as informações sobre o lucro da rota para o arquipélago, referindo que se baseia em informações confidenciais divulgados pela comissão parlamentar de inquérito (CPI) à política de gestão da TAP, no parlamento regional.

“Não vou comentar a lucratividade de uma rota, deveria ter sido discutida no âmbito da CPI com o rigor e sigilo deve ser observado nesses casos”, afirmou, referindo que tem a “lamentar” a divulgação dos dados.

O Estado português é dono de 50% da TAP, o consórcio privado Atlantic Gateway (de Humberto Pedrosa e David Neeleman) tem 45% e os restantes 5% do capital estão nas mãos dos trabalhadores.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Balanço do LATAM evidencia recuperação ‘explosiva’ da aviação no Brasil

16-08-2019 (16h15)

O LATAM, maior grupo de aviação comercial da América Latina, cuja subsidiária brasileira, a LATAM Brasil (antiga TAM), é líder brasileira em voos internacionais, indicou que no segundo trimestre teve um aumento da receita unitária (por lugar voado um quilómetro) de 18,7%, atingindo 29,5% em reais.

Levantadas restrições ao abastecimento no aeroporto de Lisboa, ANA Aeroportos

16-08-2019 (12h35)

As restrições ao abastecimento de aviões no aeroporto de Lisboa, em vigor desde segunda-feira, foram hoje levantadas, disse à Lusa fonte oficial da ANA – Aeroportos de Portugal.

Grupo SATA transportou mais 8% de passageiros no primeiro semestre

16-08-2019 (11h59)

As companhias aéreas SATA Air Açores e Azores Airlines transportaram 705,7 mil passageiros no primeiro semestre, mais 8% ou mais 52,5 mil que no período homólogo do ano passado, anunciou o Grupo SATA.

Lauak vai produzir em Grândola peças para aviões A320

16-08-2019 (11h39)

A Lauak vai implementar uma unidade de produção de preças para aviões A320 em Grândola, com um investimento de 33 milhões de euros com apoio de fundos comunitários.

Trabalhadores da Grounforce realizam concentração para exigir estacionamento

16-08-2019 (11h24)

Os trabalhadores da Groundforce, reunidos na quinta-feira em plenário, aprovaram a realização de uma concentração no Ministério das Infraestruturas, com data a definir, para entrega de um abaixo-assinado a exigir estacionamento nas zonas limítrofes aos aeroportos e devolução das multas.

Noticias mais lidas