Pessoal de terra da Ryanair/Groundlink volta às negociações depois de três meses de greve

16-07-2019 (09h13)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), que representa o pessoal de terra, vai voltar às negociações com a Ryanair e a Groundlink, depois de uma greve que se prolongou por três meses.

Em declarações à Lusa, o dirigente do SINTAC Fernando Simões explicou que a paralisação, que terminou hoje, foi “às duas primeiras e duas últimas horas de cada turno”, sendo que a estrutura sindical foi chamada para a mesa das negociações já na próxima quarta-feira, num processo que vai contar com a mediação do Ministério do Trabalho.

“Se até dia 29 [de Julho] não houver avanços significativos com uma prova de boa-fé, provavelmente, no início de Agosto, estaremos a auscultar os trabalhadores novamente” para avançar com mais medidas, que ainda estão a ser equacionadas, adiantou.

Quanto ao balanço da paralisação, Fernando Simões disse que foi “positivo”, mas que não teve o impacto que os trabalhadores pretendiam, porque houve “atropelos gravíssimos por parte das empresas”.

O dirigente sindical falou em substituição de grevistas, “trocas de horários”, “contratação de trabalhadores” e outras questões.

O SINTAC garantiu ainda que tanto o sindicato como os trabalhadores individualmente deram conta das “irregularidades” à Autoridade para as Condições do Trabalho, mas não obtiveram, até agora, resposta desta entidade.

Entre as principais reivindicações está o valor do subsídio de refeição, sendo que o sindicato garante que a Ryanair e a Groundlink “voltaram atrás” na palavra dada aos trabalhadores, de uma atualização.

Em Abril, o SINTAC deu conta de que, apesar das tentativas junto das empresas para resolver e mitigar “as difíceis, deficitárias e muito precárias condições em que laboram os trabalhadores de ambas as empresas, estas nunca se predispuseram a efetuar um real esforço no sentido de se chegar a um entendimento quanto às preocupações vindas dos trabalhadores”.

O SINTAC acusou então tanto a Ryanair como a Groundlink de “terem tido uma atitude agressiva, totalitária e de chicote em riste para com os trabalhadores, pressionando-os sempre que davam sinal de querer reivindicar os direitos consagrados na Constituição”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Ryanair

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Balanço do LATAM evidencia recuperação ‘explosiva’ da aviação no Brasil

16-08-2019 (16h15)

O LATAM, maior grupo de aviação comercial da América Latina, cuja subsidiária brasileira, a LATAM Brasil (antiga TAM), é líder brasileira em voos internacionais, indicou que no segundo trimestre teve um aumento da receita unitária (por lugar voado um quilómetro) de 18,7%, atingindo 29,5% em reais.

Levantadas restrições ao abastecimento no aeroporto de Lisboa, ANA Aeroportos

16-08-2019 (12h35)

As restrições ao abastecimento de aviões no aeroporto de Lisboa, em vigor desde segunda-feira, foram hoje levantadas, disse à Lusa fonte oficial da ANA – Aeroportos de Portugal.

Grupo SATA transportou mais 8% de passageiros no primeiro semestre

16-08-2019 (11h59)

As companhias aéreas SATA Air Açores e Azores Airlines transportaram 705,7 mil passageiros no primeiro semestre, mais 8% ou mais 52,5 mil que no período homólogo do ano passado, anunciou o Grupo SATA.

Lauak vai produzir em Grândola peças para aviões A320

16-08-2019 (11h39)

A Lauak vai implementar uma unidade de produção de preças para aviões A320 em Grândola, com um investimento de 33 milhões de euros com apoio de fundos comunitários.

Trabalhadores da Grounforce realizam concentração para exigir estacionamento

16-08-2019 (11h24)

Os trabalhadores da Groundforce, reunidos na quinta-feira em plenário, aprovaram a realização de uma concentração no Ministério das Infraestruturas, com data a definir, para entrega de um abaixo-assinado a exigir estacionamento nas zonas limítrofes aos aeroportos e devolução das multas.

Noticias mais lidas