Pessoal de terra da Ryanair/Groundlink volta às negociações depois de três meses de greve

16-07-2019 (09h13)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), que representa o pessoal de terra, vai voltar às negociações com a Ryanair e a Groundlink, depois de uma greve que se prolongou por três meses.

Em declarações à Lusa, o dirigente do SINTAC Fernando Simões explicou que a paralisação, que terminou hoje, foi “às duas primeiras e duas últimas horas de cada turno”, sendo que a estrutura sindical foi chamada para a mesa das negociações já na próxima quarta-feira, num processo que vai contar com a mediação do Ministério do Trabalho.

“Se até dia 29 [de Julho] não houver avanços significativos com uma prova de boa-fé, provavelmente, no início de Agosto, estaremos a auscultar os trabalhadores novamente” para avançar com mais medidas, que ainda estão a ser equacionadas, adiantou.

Quanto ao balanço da paralisação, Fernando Simões disse que foi “positivo”, mas que não teve o impacto que os trabalhadores pretendiam, porque houve “atropelos gravíssimos por parte das empresas”.

O dirigente sindical falou em substituição de grevistas, “trocas de horários”, “contratação de trabalhadores” e outras questões.

O SINTAC garantiu ainda que tanto o sindicato como os trabalhadores individualmente deram conta das “irregularidades” à Autoridade para as Condições do Trabalho, mas não obtiveram, até agora, resposta desta entidade.

Entre as principais reivindicações está o valor do subsídio de refeição, sendo que o sindicato garante que a Ryanair e a Groundlink “voltaram atrás” na palavra dada aos trabalhadores, de uma atualização.

Em Abril, o SINTAC deu conta de que, apesar das tentativas junto das empresas para resolver e mitigar “as difíceis, deficitárias e muito precárias condições em que laboram os trabalhadores de ambas as empresas, estas nunca se predispuseram a efetuar um real esforço no sentido de se chegar a um entendimento quanto às preocupações vindas dos trabalhadores”.

O SINTAC acusou então tanto a Ryanair como a Groundlink de “terem tido uma atitude agressiva, totalitária e de chicote em riste para com os trabalhadores, pressionando-os sempre que davam sinal de querer reivindicar os direitos consagrados na Constituição”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Ryanair

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Finnair vai fazer mais 37 voos Porto - Helsínquia em 2020

10-12-2019 (13h42)

A companhia de aviação finlandesa Finnair vai voar entre o Porto e Helsínquia em 2020 mais cerca de quatro meses que este ano, o que se traduzirá num aumento de 37 voos face a este ano, o primeiro de operação, que Rita Cascada, da APG, representante da companhia em Portugal, afirmou ao PressTUR ter sido “um êxito”.

América Latina proporciona 47,4% do crescimento de tráfego do IAG até Novembro

09-12-2019 (17h45)

As rotas da América Latina estão a ser de forma cada vez mais clara o ‘motor’ de crescimento do IAG, grupo que integra a British Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level, tendo valido até Novembro 47,4% do crescimento de tráfego na totalidade das operações.

Companhias do IAG transportaram até Novembro mais 4,88 milhões de passageiros

09-12-2019 (17h29)

As companhias do IAG, grupo que integra a Brisith Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level transportaram até 30 de Novembro 109,5 milhões de passageiros, com aumento em 4,7% ou 4,88 milhões relativamente ao período homólogo de 2018.

Scott Kirby substitui Oscar Muñoz como CEO da United

09-12-2019 (12h59)

A companhia de aviação norte-americana United Airlines anunciou que o seu CEO, Oscar Muñoz, vai passar a ser chairman executivo do Conselho de Administração, enquanto Scott Kirby, presidente, foi nomeado CEO.

TAP já ultrapassou o total de passageiros do ano de 2018

06-12-2019 (15h53)

A TAP transportou 15,8 milhões de passageiros entre Janeiro e final de Novembro deste ano, igualando assim o total de 2018, ano em que crescera 10,4% ou 1,5 milhões de passageiros.

Noticias mais lidas