Nove países da UE querem aumentar impostos sobre as companhias aéreas

12-11-2019 (15h06)

Nove países da União Europeia juntaram-se para exigir uma aviação mais limpa na Europa, um dos meios de transporte mais poluentes que consideram que está a ser taxado abaixo do que devia.

Alemanha, Bulgária, Dinamarca, França, Itália, Suécia e os três Estados do Benelux (Luxemburgo, Bélgica e Países Baixos) exortaram a Comissão Europeia a propor novas medidas dirigidas ao sector, sem contudo reclamarem uma taxa específica sobre a poluição.

Esta declaração, iniciada pelos Países Baixos e assinada pelos ministros das Finanças destes nove Estados, foi publicada a menos de um mês da data prevista da entrada em funções da nova Comissão Europeia, liderada pela alemã Ursula von der Leyen.

“Apelamos à nova Comissão Europeia para que faça avançar o debate sobre a tarificação da aviação civil, por exemplo através de medidas fiscais específicas ou políticas similares”, escreveram.

“Em relação aos outros modos de transporte, a aviação civil não está a contribuir o suficiente”, consideraram os nove subscritores.

As companhias aéreas do mundo inteiro são poupadas às taxas elevadas sobre o combustível.

O preço dos bilhetes de aviação para os voos internacionais não reflete suficientemente o custo médio das emissões de dióxido de carbono e das consequências negativas do transporte aéreo, constataram os ministros na sua declaração.

Os Países Baixos estão a pressionar para a adopção desta medida e declararam que avançarão sozinhos com a sua própria taxa em 2021, se o executivo europeu não conseguir propor legislação.

A adopção de uma taxa à escala da União Europeia pode revelar-se de concretização difícil, uma vez que as decisões de cariz fiscal exigem a unanimidade.

E os países que são destino turístico, como Grécia ou Espanha, receiam um aumento dos voos de preços baixos, que lhes reduziria as receitas.

A organização não-governamental Transportes e Ambiente, cuja sede é em Bruxelas, felicitou-se por esta iniciativa: “É profundamente injusto que todos devam pagar taxas para abastecerem (combustível), mas as companhias aéreas não pagam um cêntimo de imposto sobre o carburante”, escreveu.

A União Europeia prevê que as emissões mundiais da aviação no próximo ano excedam em cerca de 70% as de 2005.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

América Latina proporciona 47,4% do crescimento de tráfego do IAG até Novembro

09-12-2019 (17h45)

As rotas da América Latina estão a ser de forma cada vez mais clara o ‘motor’ de crescimento do IAG, grupo que integra a British Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level, tendo valido até Novembro 47,4% do crescimento de tráfego na totalidade das operações.

Companhias do IAG transportaram até Novembro mais 4,88 milhões de passageiros

09-12-2019 (17h29)

As companhias do IAG, grupo que integra a Brisith Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level transportaram até 30 de Novembro 109,5 milhões de passageiros, com aumento em 4,7% ou 4,88 milhões relativamente ao período homólogo de 2018.

Scott Kirby substitui Oscar Muñoz como CEO da United

09-12-2019 (12h59)

A companhia de aviação norte-americana United Airlines anunciou que o seu CEO, Oscar Muñoz, vai passar a ser chairman executivo do Conselho de Administração, enquanto Scott Kirby, presidente, foi nomeado CEO.

TAP já ultrapassou o total de passageiros do ano de 2018

06-12-2019 (15h53)

A TAP transportou 15,8 milhões de passageiros entre Janeiro e final de Novembro deste ano, igualando assim o total de 2018, ano em que crescera 10,4% ou 1,5 milhões de passageiros.

TAP cresce 15,7% em Novembro e melhora ocupação dos voos em 2,1 pontos

06-12-2019 (15h50)

A TAP informou hoje que em Novembro, um dos meses mais fracos para as companhias de aviação do hemisfério Norte, teve um crescimento do tráfego medido em passageiros x quilómetros voados (RPK, na sigla do inglês) em 15,7%, conseguindo assim uma melhoria da taxa de ocupação dos voos em 2,1 pontos, mesmo tendo feito um aumento de capacidade em 12,5%.

Noticias mais lidas