Lisboa teve o 5º maior aumento de passageiros dos aeroportos europeus em Maio

07-07-2017 (16h26)

Embora fora do Top5 de crescimento relativo do seu grupo em Maio, o Aeroporto Humberto Delgado de Lisboa foi, no entanto, o aeroporto europeu que teve o 5º maior aumento de passageiros no mês, com mais 359 mil que no mês homólogo de 2017, concluiu o PressTUR a partir dos dados publicados hoje pelo ACI (Airports Council International) Europa.

A análise efectuada pelo PressTUR demonstrou que à frente de Lisboa cotaram-se apenas três aeroportos em recuperação — Antalya (com mais 674,5 mil), Moscovo Sheremetyevo, com mais 480,5 mil, e Moscovo Domodedovo, com mais 420,2 mil — e Amesterdão Schiphol, que tem liderado o crescimento na Europa, com mais 465,7 mil.

Relativamente aos restantes aeroportos portugueses, a análise do PressTUR mostrou que Faro teve o 31º maior aumento do mês de Maio, com mais 140,3 mil passageiros que há um ano, e o Porto foi 34º, com mais 127,4 mil.

Estes dois aeroportos portugueses atingiram no entanto o Top5 de crescimento relativo dos aeroportos europeus do Grupo 3 (que têm cinco milhões a dez milhões de passageiros por ano), com Faro em 4º lugar, com um aumento em 16,9%, e o Porto em 5º, com +15,1%, depois de Kiev, com +28,8%, Nápoles, com +26,6%, e Keflavik, com +22,8%.

Esta classificação ‘favorece’, no entanto, aeroportos com baixos número de passageiros, de que é exemplo Bucareste, que o ACI coloca nº 1 do Top5 do Grupo 4 (aeroportos com menos de cinco milhões de passageiros por ano), por uma subida em 821,4%, porque passou de 159 passageiros em Maio de 2016 para 1.465 em Maio deste ano.

Isto deixa fora aeroportos como Ponta Delgada e o Funchal, que tiveram ambos mais 26 mil passageiros que em Maio de 2016, o primeiro subindo assim de 148º maior aeroporto europeu para 142º, com 163,3 mil (+19,5%) e o segundo mantendo-se em 112º, com 298,7 mil (+9,6%).

Lisboa, com 2,27 milhões de passageiros em Maio foi o 25º maior aeroporto neste mês, melhorando uma posição em relação a 2015, o Porto, com 971,5 mil, foi 50º, melhorando duas posições, e Faro, com 970,9 mil, foi 51ª, melhorando quatro posições.

Os dados do ACI Europa relativos a Maio incluem 242 aeroportos que neste mês tiveram 172,6 milhões de passageiros, +8,2% ou mais 13,07 milhões que no mês homólogo de 2016.

Os cinco aeroportos incluídos somaram 4,68 milhões de passageiros, com um aumento em 17% ou 679,4 mil.

 

Clique para mais notícias: Aeroportos portugueses

Clique para mais notícias: Aeroportos europeus - ACI

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Sindicato belga alerta para mais greves se “a Ryanair não mudar”

19-10-2018 (17h22)

O sindicato belga CNE, que representa tripulantes de cabina da Ryanair, ameaçou organizar vários dias de greve antes do final do ano se a companhia “não mudar radicalmente de posição e atitude”.

Ryanair chega a acordo com sindicato dos pilotos portugueses

19-10-2018 (10h30)

A Ryanair chegou a acordo com o sindicato português dos pilotos SPAC, o que “servirá de base para acordos relativos a antiguidade e transferência de base”.

Grupo Air France KLM anuncia 44 novas rotas este Inverno IATA 2017/2018

18-10-2018 (18h11)

O grupo Air France KLM, nº 1 da aviação europeia em tráfego medido em RPK (passageiros x quilómetros voados), anunciou hoje que este Inverno IATA, que vai de dia 28 de Outubro a 30 de Março, terá 44 novas rotas e uma frota mais moderna e com cabinas novas.

Governo ainda está em negociações relativamente ao aeroporto do Montijo – Pedro Marques

18-10-2018 (17h43)

O Governo ainda está em negociações relativamente ao novo aeroporto do Montijo e não sabe quando será assinado o acordo com a ANA -Aeroportos de Portugal, disse ontem o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

Compras de passagens aéreas ao estrangeiro caem 10,5% em Agosto

18-10-2018 (17h06)

As compras de passagens aéreas a companhias estrangeiras, contabilizadas pelo Banco de Portugal como importações, caíram 10,5% em Agosto, o que ‘acomodou’ um abrandamento das vendas ao estrangeiro (exportações) para 3,3%.