Lease-Fly prevê ter certificado de operador aéreo em Cabo Verde em seis meses

13-08-2019 (13h30)

A portuguesa Lease-Fly prevê avançar nos próximos seis meses com a obtenção do AOC (do inglês para Certificado de Operador Aéreo) de companhia aérea regional para a Cabo Verde Connect.

A informação foi avançada à agência Lusa pelo director executivo da Lease-Fly, José Madeira, no dia em que a empresa portuguesa começou a assegurar voos domésticos em Cabo Verde, no âmbito de um consórcio liderado pela Cabo Verde Airlines (CVA), de que também faz parte o grupo Newtour, que detém o operador turístico Soltrópico e o master franchise das agências de viagens Bestravel (clique para ler: Cabo Verde Airlines começa hoje a fazer voos domésticos em parceria com Newtour e Lease-Fly).

O consórcio opera as ligações das ilhas de Santiago (Praia), São Vicente e Fogo para a ilha do Sal, onde a CVA instalou um hub para os seus voos internacionais.

Até agora, as ligações aéreas entre as ilhas eram asseguradas apenas pela companhia Binter, mas o Governo cabo-verdiano tem insistido que o mercado está aberto a novas operadoras.

O primeiro ATR42-300 da Lease-Fly, com uma configuração para transportar 48 passageiros e que hoje iniciou as ligações domésticas (entre o Sal e as ilhas de Santiago e São Vicente), chegou a Cabo Verde a 30 de Julho.

“A nossa previsão é introduzir um segundo avião em Outubro de 2019. Depois, em função daquilo que forem as necessidades de mercado e da própria CVA, poderemos ampliar a nossa frota. (…) Sendo a empresa especializada em aviões ATR, é previsível que nos mantenhamos com este tipo de operação e aeronaves”, acrescentou.

José Madeira salienta que a operação que hoje se iniciou “foi feita e desenhada em conjunto com a CVA, para dar resposta a necessidades de tráfego”, nomeadamente no hub do Sal, com a Lease-Fly a prestar o serviço à CVA nos próximos seis meses.

A operação foi criada “também para colmatar algumas necessidades de voos para as ligações entre ilhas”, acrescentou José Madeira.

Registada em Portugal, a Lease-Fly também tem bases operacionais em Espanha e França, sendo um operador especializado no transporte aéreo regional e executivo.

A entrada no mercado cabo-verdiano fez-se através da parceria com a CVA e nas rotas domésticas, mas o objectivo da administração da Lease-Fly passa por ter uma empresa própria cabo-verdiana, podendo “ser estudadas rotas regionais para países próximos de Cabo Verde”.

“O nosso plano é certificar, após seis meses, uma empresa aérea em Cabo Verde, certificação esta que será feita seguindo a regulamentação Cabo Verdiana difundida pela Autoridade de Aviação Civil de Cabo Verde. O investimento a realizar será o necessário para certificar e operar uma companhia aérea regional”, acrescentou.

Embora sem quantificar, José Madeira garante que esse investimento será “considerável” e incluirá instalações, frota de aviões, equipamento de manutenção, serviços de consultoria para a certificação da empresa, entre outros.

“Quanto aos postos de trabalho, contamos que a totalidade ou grande maioria sejam colaboradores oriundo do arquipélago de Cabo Verde. Se tivermos como base a estrutura da Lease-Fly em Portugal, diria que entre tripulantes, pessoal de manutenção, dirigentes e técnicos, estaremos a falar de um número nunca inferior a 50 postos de trabalho altamente qualificados”, assumiu ainda o director executivo da empresa portuguesa.

“Poderia chamar-se Cabo Verde Connect”, disse José Madeira, questionado pela Lusa sobre a futura empresa a criar pela Lease-Fly.

Do “ponto de vista puramente empresarial”, admite que a entrada no mercado cabo-verdiano representa “um risco e também uma oportunidade”, mas “do ponto de vista afectivo representa a nossa vontade de deixar uma marca em Cabo Verde”.

“Marca essa que terá como referência a qualidade do nosso serviço a satisfação das necessidades da população de Cabo Verde e da companhia de bandeira [CVA] e a proximidade com todos os agentes do arquipélago”, concluiu.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Lease-Fly

Clique para ver mais: Cabo Verde

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Antonoaldo Neves garante que TAP tem “fundações bem sólidas”

21-02-2020 (17h53)

Os resultados da TAP no segundo semestre “não foram suficientes para compensar” as quebras do primeiro, admitiu Antonoaldo Neves, CEO da transportadora, que acrescentou estar convicto, no entanto, que “as fundações estão bem sólidas para a gente continuar nessa trajectória de transformação da empresa e melhoria da sustentabilidade”.

Grupo TAP baixa prejuízos em 12,4 milhões para 105,6 milhões de euros em 2019

21-02-2020 (17h51)

O Grupo TAP registou prejuízos de 105,6 milhões de euros em 2019, uma melhoria de 12,4 milhões de euros face às perdas de 118 milhões registadas em 2018.

TAP fecha o ano com prejuízos de 95,6 milhões

21-02-2020 (17h51)

A companhia portuguesa de aviação TAP perdeu mais 95,6 milhões de euros no ano passado, com um agravamento de 37,6 milhões face a 2018, segundo os resultados da empresa comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Não há possibilidade de a TAP ir para o Montijo”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (17h07)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, voltou a garantir que “não há possibilidade” da companhia aérea ir para o Montijo, apesar de considerar “importantíssimo” a sua construção.

Comissão Executiva da TAP “não comenta política de remuneração da empresa”, Antonoaldo Neves

21-02-2020 (16h59)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, declarou que “não comenta política de remuneração da empresa” que foi trazida para a ‘praça pública’ pelo accionista David Neeleman que o escolheu para liderar a gestão executiva da companhia.

Noticias mais lidas