LATAM Airlines aumenta lucro operacional em 50,1%, com yield em alta de 6,2%

09-05-2018 (11h30)

Foto: Airbus/A. Doumenjou/master films
Foto: Airbus/A. Doumenjou/master films

O LATAM Airlines, grupo constituído pela integração da companhia de aviação brasileira TAM na chilena LAN, informou hoje que fechou o primeiro trimestre com um aumento do lucro operacional em 50,1%, impulsionado por um aumento da receita unitária em 7% que, por sua vez, reflecte um aumento do yield (preço médio por quilómetro voado) em 6,2%.

A informação indica que esse aumento do yield associado a um crescimento do tráfego medido em ASK (lugares x quilómetros voados) em 3,6% e uma melhoria da taxa média de ocupação dos voos em 0,6 pontos levou a um aumento das receitas de passagens em 10,1%, para 2.318 milhões de dólares, a que se juntou um crescimento em 16,6% das receitas de carga, para 295,8 milhões, proporcionando um aumento das receitas operacionais em 10,2%, para 2.730,5 milhões.

Esse aumento compara com uma subida dos custos operacionais de 7,6%, para 2.502 milhões, o que levou ao aumento em 50,1% do lucro operacional, para 228,5 milhões, que significam uma margem de 8,4%, melhor 2,2 pontos que no período homólogo de 2017.

O balanço mostra que essa contenção dos encargos ocorreu apesar de um agravamento em 20,6% dos encargos com combustíveis, principalmente pela moderação das despesas com pessoal, que baixaram 2%.

O grupo LATAM, especifica a informação teve, assim, um aumento médio do custo unitário (por ASK) em 4,6%, porque excluindo combustível a subida ficou em 0,2%.

Do lado da receita, o balanço indica que o aumento da receita unitária (por ASK) em 7% foi com +9,2% nas rotas internacionais, que representaram 55,1% das receitas de passagens, +6,1% nas rotas domésticas no Brasil, onde obteve 25,7% das receitas de passagens, e 4% nas rotas domésticas em países de língua espanhola (Chile, Peru, Argentina, Colômbia e Equador), que representaram 19,2% das receitas de passagens.

O balanço publicado pelo LATAM indica que além do aumento do resultado operacional em 76,2 milhões de dólares teve uma melhoria do resultado financeiro, nomeadamente pela redução dos encargos com juros, que baixaram 10%, pelo que apresentou um lucro líquido em alta de 43,2%, para 93,8 milhões de dólares, que significam uma margem líquida de 3,4%, melhor 0,8 pontos que há um ano.

 

Clique para mais notícias: LATAM

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP confirma A321neo LR na rota Porto – Newark

18-01-2019 (11h56)

A TAP confirmou que a partir de 1 de Junho vai voar entre Porto e Nova Iorque Newark seis vezes por semana com um avião Airbus A321neo Long Range, como o PressTUR noticiou esta terça-feira, dia 15.

Norwegian vai encerrar bases em Espanha, Itália e EUA

18-01-2019 (11h30)

A companhia de aviação Norwegian Air Shuttle anunciou que vai encerrar a partir de Abril várias bases em Espanha, Itália e Estados Unidos, para melhorar o seu desempenho financeiro.

Aeroportos portugueses já ficaram em Novembro abaixo do crescimento médio na União Europeia

17-01-2019 (17h49)

O estancamento do Aeroporto de Lisboa arrastou o país dos tops de crescimento da aviação comercial na União Europeia para níveis inferiores à média, de acordo com o ACI Europa, que até mostrou Faro no Top5 de crescimento em Novembro dos aeroportos com cinco milhões a dez milhões de passageiros por ano.

“A festa poderá estar a acabar em breve”, avisa director-geral do ACI Europa

17-01-2019 (17h47)

O director-geral do ACI Europe, Olivier Jankovec, citado em comunicado da organização, comentou que os dados de Novembro mostram que o transporte aéreo de passageiros “continuam a desafiar um ambiente geopolítico e económico crescentemente desafiador”, mas que “a festa poderá estar a acabar em breve”.

TAP põe A321neo LR a voar para Washington a partir de Outubro

17-01-2019 (16h35)

A TAP, que vai começar a voar entre Lisboa e Washington a 16 de Junho com o novo A330-900neo, vai substituir o avião, a partir de 2 de Outubro, por um A321neo Long Range, o novo avião que foi apresentado como 'pilar' da sua estratégia de redução de custos da operação.