LAM vai investir 109 milhões em novos aviões e quer ligar África do Sul a Lisboa - diretor-geral

21-10-2019 (12h34)

Website LAM
Website LAM

A Linhas Aéreas de Moçambique (LAM), que já anunciou que vai voar entre Maputo e Lisboa a partir do próximo mês de Março, de acordo com o seu director-geral vai investir até 120 milhões de dólares (109 milhões de euros) em novos aviões e intensificar presença nas rotas africanas, querendo ligar África do Sul a Portugal.

“Em África, queremos penetrar mais no mercado sul-africano e também oferecermos a Portugal o mercado sul-africano”, afirmou João Carlos Po Jorge, em declarações à Lusa, durante um evento em Lisboa.

Segundo o responsável, a companhia quer ainda intensificar a frequência de voos para Dar Al Salam (Tanzânia), Harare (Zimbabué), Lusaka (Zâmbia), Gaborone (Botsuana)".

“Já estamos a trabalhar com essas companhias [desses países] para, logo que o mercado cresça, oferecermos, não só o mercado regional, mas também este mercado que vem por Lisboa”, reforçou.

Para crescer em rotas e assegurar qualidade de serviço, a empresa vai também investir em novos aviões.

“Estamos a pensar adquirir novos aviões cofinanciados por leasing ou financiados por bancos e pensamos que isso representa 100 a 120 milhões de dólares [de investimento], em três anos, porque a frota é pequena ainda”, adiantou o diretor-geral da companhia aérea.

O objetivo agora, depois de o grupo ter atravessado uma situação financeira difícil, é centrar a sua atividade no seu negócio principal e desinvestir noutras áreas.

“A nossa intenção nos próximos anos é centrar a atividade no nosso core business, linha aérea, e desinvestir nalgumas áreas que temos de hotéis, etc.”, exemplificou.

João Carlos Po Jorge admitiu que, porém, o grupo LAM quer ter também um posicionamento nos negócios do catering e do handling.

“O grupo LAM tem neste momento cerca de 14 empresas participadas. Já estamos a sair de quatro ou cinco e as outras é uma questão de tempo para sair”, acrescentou o gestor.

Quanto à situação financeira da empresa, o diretor da LAM disse que a companhia chegará, no final deste ano, ao ponto de equilíbrio.

“Pensamos que até ao fim deste ano atingiremos o breakeaven, mas temos perdas acumuladas”.

O desinvestimento planeado, que permitirá arrecadar cerca de 14 milhões a 16 milhões de dólares (12,6 a 14,3 milhões de euros), pode ajudar a compensar algumas das perdas, “mas não cobre de maneira nenhuma o investimento”, admitiu.

João Carlos Po Jorge disse que, no entanto, não haverá “reduções drásticas” no quadro de pessoal do grupo.

“Estamos a ver se conseguimos realocar algumas pessoas, ou dentro da organização, ou noutras participadas. Mas achamos que já não vamos ter o excedente que iríamos ter. Por isso, não vamos ter reduções drásticas de pessoal”, assegurou.

Neste momento, a empresa tem em curso um plano de reestruturação e a companhia, impedida de operar no espaço aéreo europeu, por razões se segurança, já anunciou, precisamente este mês, o regresso à Europa, com um voo para Lisboa.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, defendeu, em 2017, que o país precisa de dar mais espaço para o setor privado nos transportes aéreos e terrestre de passageiros.

O antigo presidente da LAM José Viegas foi acusado de corrupção, no âmbito de uma investigação a factos relacionados com pagamentos indevidos por parte da fabricante brasileira Embraer a favor de alguns gestores da LAM e altos funcionários do Estado moçambicano, na compra e venda de duas aeronaves Embraer 190, entre os anos de 2008 e 2009.

A justiça moçambicana decidiu investigar o caso após surgirem notícias referindo que os três arguidos naquele processo terão recebido 800 mil dólares (670 mil euros) como contrapartida pela compra pela LAM de duas aeronaves à fabricante brasileira Embraer.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: LAM

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP baptiza novo A321 LR com nome de Jorge de Sena

13-11-2019 (13h08)

A TAP baptizou um dos seus novos aviões A321 Long Range com o nome Jorge de Sena, em homenagem ao “poeta português que se naturalizou brasileiro e estreitou as relações culturais e literárias entre Portugal e o Brasil”.

Azul recebe primeiro A321neo do Brasil

13-11-2019 (07h53)

A companhia de aviação brasileira Azul recebeu o primeiro A321neo do Brasil, um modelo da Airbus de que tem encomendadas 13 aeronaves.

Nove países da UE querem aumentar impostos sobre as companhias aéreas

12-11-2019 (15h06)

Nove países da União Europeia juntaram-se para exigir uma aviação mais limpa na Europa, um dos meios de transporte mais poluentes que consideram que está a ser taxado abaixo do que devia.

Câmara de Lisboa vai promover estudo sobre os impactos do aeroporto da capital

12-11-2019 (15h01)

A Câmara de Lisboa aprovou na semana passada em reunião privada a realização de um estudo sobre os diversos impactos da exploração do aeroporto da capital, nomeadamente ao nível da poluição, ruído e tráfego.

Boeing espera retomar voos do 737 Max no início do próximo ano

12-11-2019 (14h54)

A Boeing anunciou que prevê que os voos comerciais com aviões 737 Max, retirados de circulação desde meados de Março após dois acidentes que fizeram 346 mortos, recomecem no início do próximo ano e não em Dezembro.

Noticias mais lidas