Julho foi mais um mês em que nem metade dos voos saíram a horas de Lisboa

12-08-2019 (17h28)

Aeroporto de Lisboa
Aeroporto de Lisboa

O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, voltou a ficar em Julho entre os piores do mundo em pontualidade avaliada pela consultora OAG, não chegando a ter metade dos voos a partirem até 15 minutos da hora anunciada, como já acontecera em Junho.

Segundo a OAG, que se baseou no rastreio de 10.147 voos em Julho, apenas 44,6% partiram à hora anunciada, o que a OAG considera serem os que descolam até 15 minutos do horário publicado.

Ainda assim, a pontualidade do Aeroporto de Lisboa foi melhor que em Junho, em que segundo a OAG apenas 43,7% dos voos partiram à hora, e também melhor que em Julho de 2018, em que apenas 33,3% dos voos partiram à hora da Portela.

Ainda assim, Lisboa teve o pior índice de pontualidade dos aeroportos portugueses avaliados pela OAG, os melhores dos quais foram o Funchal e Faro, com 62,9% e 62,1% dos voos a partirem a horas, respectivamente.

O Funchal e Faro foram, aliás, os únicos aeroportos portugueses com índices de pontualidade acima dos 60%.

Depois de Lisboa, o pior índice de pontualidade dos aeroportos portugueses foi atribuído pela OAG ao Pico, com apenas 47,9% dos voos a horas, e seguidamente Horta, com 48,5%.

Já acima de 50% estiveram o Porto, segundo maior aeroporto português, com 52,8%, seguido pelo aeroporto da Terceira, único que não faz parte da Vinci, com 52,7%, e Ponta Delgada, com 50,3%.

Moscovo Sheremetyevo foi o melhor dos grandes aeroportos (17.320 voos), com 92,1% dos voos a partirem até 15 minutos da hora anunciada, seguido por Tóquio Haneda (21.594 voos), com 89,5%.

O pior dos grandes aeroportos (mais de dez mil voos) foi mesmo Lisboa (10.147 voos), com 44,6%, seguido por Nanjing (10.007 voos), com 53%, Milão Malpensa (9.652 voos), com 53%, Dubai International (15.975 voos), com 54,1%, e Hangzhou (11.872 voos), com 54,7%.

O maior aeroporto do mundo em número de voos, Chicago O'Hare, com 40.228 voos, teve um índice de partidas a horas de 70,3%, que foi o terceiro pior no Top10 em número de voos em Julho, a seguir a Paris Charles de Gaulle (10º, com 21.590 voos), com 58,3%, e Frankfurt (8º, com 22.242 voos), com 59,7%.

O melhor foi Tóquio Haneda (9º, com 21.594 voos), com 89,5%, seguido por Los Angeles International (4º, com 28.667 voos), com 79,1%, Atlanta Hartsfield-Jackson, 2º, com 39.116 voos), com 76,8%, Dallas/Fort Worth (3º, com 31.215 voos), com 76,1%, Charlotte (7º, com 23.174 voos) com 76,3%, e Denver International (5º, com 28.257 voos), com 71,4%.

 

Clique para mais notícias: OAG Pontualidade

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP baptiza novo A321 LR com nome de Jorge de Sena

13-11-2019 (13h08)

A TAP baptizou um dos seus novos aviões A321 Long Range com o nome Jorge de Sena, em homenagem ao “poeta português que se naturalizou brasileiro e estreitou as relações culturais e literárias entre Portugal e o Brasil”.

Azul recebe primeiro A321neo do Brasil

13-11-2019 (07h53)

A companhia de aviação brasileira Azul recebeu o primeiro A321neo do Brasil, um modelo da Airbus de que tem encomendadas 13 aeronaves.

Nove países da UE querem aumentar impostos sobre as companhias aéreas

12-11-2019 (15h06)

Nove países da União Europeia juntaram-se para exigir uma aviação mais limpa na Europa, um dos meios de transporte mais poluentes que consideram que está a ser taxado abaixo do que devia.

Câmara de Lisboa vai promover estudo sobre os impactos do aeroporto da capital

12-11-2019 (15h01)

A Câmara de Lisboa aprovou na semana passada em reunião privada a realização de um estudo sobre os diversos impactos da exploração do aeroporto da capital, nomeadamente ao nível da poluição, ruído e tráfego.

Boeing espera retomar voos do 737 Max no início do próximo ano

12-11-2019 (14h54)

A Boeing anunciou que prevê que os voos comerciais com aviões 737 Max, retirados de circulação desde meados de Março após dois acidentes que fizeram 346 mortos, recomecem no início do próximo ano e não em Dezembro.

Noticias mais lidas