IAG declara que em 2017 teve “um desempenho muito bom”

23-02-2018 (17h45)

Foto: Nick Morris/British Airways
Foto: Nick Morris/British Airways

O IAG, grupo de aviação que inclui a British Airways, a Iberia, a Aer Lingus, a Vueling e a Level, anunciou hoje que em 2017, a despeito de o crescimento dos seus proveitos ter ficado em 1,8%, o seu resultado operacional subiu 9,8%.

“Estamos a comunicar um muito bom desempenho da totalidade do ano”, começa por dizer uma declaração do CEO do grupo, Willie Walsh em declaração publicada no comunicado a divulgar os resultados, destacando que sem não recorrentes, que ascenderam a -288 milhões de euros (-51 milhões em 2016), o lucro operacional ultrapassou os três mil milhões de euros, cifrando-se em 3.015 milhões (2.535 milhões em 2016).

O grupo revelou que a sua companhia que a British Airways foi a sua companhia que teve o mais forte aumento de proveitos, com uma subida em 7,2%, para 12.269 milhões de libras, seguida pela Iberia, com +5,8%, para 4.851 milhões de euros, Aer Lingus, com +5,3%, para 1.859 milhões de euros, e, finalmente, Vueling, com +2,9%, para 2.125 milhões de euros.

A Vueling, que registara uma crise na época alta de 2016, foi a que teve a melhor variação da margem operacional, com uma subida de seis pontos percentuais, mas manteve-se ainda assim nos 8,9%, apenas melhor que os 7,7% da Iberia (+1,8 pontos que em 2016), mas distante da Aer Lingus, com 14,5% (+1,3 pontos), e da British Airways, com 14,3% (+1,4 pontos).

A informação indica que as companhias do IAG tiveram em 2017 uma quebra em 2,1% do yield (preço médio que cada passageiro pagou por quilómetro voado), mas com uma subida da taxa média de ocupação dos voos em um ponto, para 82,6%, a receita média de passageiros por lugar voado um quilómetro (receita unitária) baixou apenas 1%.

Essa descida, no entanto, foi menor que a redução dos custos por lugar voado um quilómetro, que baixaram 2,9%, com -7,8% na componente combustíveis e -1,3% nos restantes custos.

Este desempenho é p que justifica a subida do resultado operacional em 9,8% (+18,9% excluindo os não recorrentes) e do lucro líquido em 3,5% (+12,7% sem não recorrentes), ainda que os custos não operacionais tenham disparado 91,8%.

O balanço indica também que o total de custos operacionais baixou 126 milhões de euros, ainda que as companhias do grupo tenham aumentado a sua operação (medida em ASK, do inglês para lugares x quilómetros voados) em 2,6% e tenham registado um crescimento do tráfego (medido em RPK, do inglês para passageiros x quilómetros voados) em 3,8%, com um total de passageiros embarcados em alta de 4,1%, para 104,8 milhões.

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Embraer e Boeing aprovam acordo para criar nova empresa que absorve a brasileira

17-12-2018 (16h33)

As fabricantes de aeronaves brasileira Embraer e norte-americana Boeing anunciaram hoje que aprovaram os termos da parceria para criar uma nova empresa de aviação comercial, cuja execução depende de aprovação do Governo brasileiro.

Ryanair lança-se na venda de bilhetes para eventos desportivos

14-12-2018 (17h12)

A Ryanair anunciou que começou a comercializar bilhetes para eventos desportivos, designadamente para jogos de futebol das primeiras divisões espanhola e francesa.

Brasil autoriza estrangeiros a ter 100% do capital das companhias aéreas do país

14-12-2018 (16h59)

O Presidente do Brasil, Michel Temer, assinou uma medida provisória que abre espaço para que estrangeiros assumam 100% do controlo do capital das companhias aéreas do país.

Operador dinamarquês vai ter charters para Portugal com a Jet Time, após falência da Primera Air

14-12-2018 (15h49)

O operador turístico dinamarquês Bravo Tours contratou a companhia aérea Jet Time para fazer as suas operações charter no próximo Verão, incluindo voos para Portugal, que estavam previstas ser realizadas pela Primera Air, que declarou falência em Outubro.

TAP prevê poupar 30 milhões de euros na factura de combustível em 2019

14-12-2018 (12h56)

A TAP prevê conseguir em 2019 uma poupança de 30 milhões de euros nos custos de combustível, graças à renovação da frota com aviões mais eficientes, de acordo com o Chief Financial Officer (CFO) da companhia, Raffael Quintas.