IAG declara que em 2017 teve “um desempenho muito bom”

23-02-2018 (17h45)

Foto: Nick Morris/British Airways
Foto: Nick Morris/British Airways

O IAG, grupo de aviação que inclui a British Airways, a Iberia, a Aer Lingus, a Vueling e a Level, anunciou hoje que em 2017, a despeito de o crescimento dos seus proveitos ter ficado em 1,8%, o seu resultado operacional subiu 9,8%.

“Estamos a comunicar um muito bom desempenho da totalidade do ano”, começa por dizer uma declaração do CEO do grupo, Willie Walsh em declaração publicada no comunicado a divulgar os resultados, destacando que sem não recorrentes, que ascenderam a -288 milhões de euros (-51 milhões em 2016), o lucro operacional ultrapassou os três mil milhões de euros, cifrando-se em 3.015 milhões (2.535 milhões em 2016).

O grupo revelou que a sua companhia que a British Airways foi a sua companhia que teve o mais forte aumento de proveitos, com uma subida em 7,2%, para 12.269 milhões de libras, seguida pela Iberia, com +5,8%, para 4.851 milhões de euros, Aer Lingus, com +5,3%, para 1.859 milhões de euros, e, finalmente, Vueling, com +2,9%, para 2.125 milhões de euros.

A Vueling, que registara uma crise na época alta de 2016, foi a que teve a melhor variação da margem operacional, com uma subida de seis pontos percentuais, mas manteve-se ainda assim nos 8,9%, apenas melhor que os 7,7% da Iberia (+1,8 pontos que em 2016), mas distante da Aer Lingus, com 14,5% (+1,3 pontos), e da British Airways, com 14,3% (+1,4 pontos).

A informação indica que as companhias do IAG tiveram em 2017 uma quebra em 2,1% do yield (preço médio que cada passageiro pagou por quilómetro voado), mas com uma subida da taxa média de ocupação dos voos em um ponto, para 82,6%, a receita média de passageiros por lugar voado um quilómetro (receita unitária) baixou apenas 1%.

Essa descida, no entanto, foi menor que a redução dos custos por lugar voado um quilómetro, que baixaram 2,9%, com -7,8% na componente combustíveis e -1,3% nos restantes custos.

Este desempenho é p que justifica a subida do resultado operacional em 9,8% (+18,9% excluindo os não recorrentes) e do lucro líquido em 3,5% (+12,7% sem não recorrentes), ainda que os custos não operacionais tenham disparado 91,8%.

O balanço indica também que o total de custos operacionais baixou 126 milhões de euros, ainda que as companhias do grupo tenham aumentado a sua operação (medida em ASK, do inglês para lugares x quilómetros voados) em 2,6% e tenham registado um crescimento do tráfego (medido em RPK, do inglês para passageiros x quilómetros voados) em 3,8%, com um total de passageiros embarcados em alta de 4,1%, para 104,8 milhões.

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vueling vai ter voos Tenerife - Lisboa

15-02-2019 (16h56)

A Vueling, low cost do IAG, grupo de que fazem parte também a British Airways, a Iberia, a Aer Lingus e a Level, vai ter voos entre Tenerife e Lisboa a partir de Abril.

TAP transporta menos passageiros este Janeiro nas suas rotas espanholas

15-02-2019 (15h47)

A TAP, que em meados do ano passado retirou A Coruña, Astúrias e Vigo da sua rede de destinos em Espanha, começou 2019 com uma quebra de passageiros nas ligações com o país vizinho em 3,4% ou cerca de 4,7 mil, de acordo com dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, recolhidos pela AENA.

Passageiros em voos entre Espanha e Portugal aumentam 10,8% em Janeiro

15-02-2019 (15h33)

Os aeroportos espanhóis somaram este Janeiro 357,6 mil passageiros de voos de/para Portugal, +10,8% ou mais 34,9 mil que no primeiro mês de 2018, de acordo com dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis, recolhidos pelo PressTUR.

Aeroportos espanhóis começam 2019 com aumento de um milhão de passageiros

15-02-2019 (15h08)

Os 49 aeroportos espanhóis somaram 16,58 milhões de passageiros no primeiro mês deste ano, com um aumento em 7% ou 1,08 milhões em relação a Janeiro de 2018, cerca de metade do qual em Madrid Barajas e em Barcelona El Prat, de acordo com a AENA, gestora dos aeroportos espanhóis.

Lucro da Finnair baixa 11% para 150,7 milhões de euros em 2018

15-02-2019 (14h37)

A Finnair, que voa de Helsínquia para Lisboa e tem programado voar também para o Porto, obteve um lucro líquido de 150,7 milhões de euros em 2018, menos 11% do que no ano anterior, apesar de um aumento da facturação.