IAG declara que em 2017 teve “um desempenho muito bom”

23-02-2018 (17h45)

Foto: Nick Morris/British Airways
Foto: Nick Morris/British Airways

O IAG, grupo de aviação que inclui a British Airways, a Iberia, a Aer Lingus, a Vueling e a Level, anunciou hoje que em 2017, a despeito de o crescimento dos seus proveitos ter ficado em 1,8%, o seu resultado operacional subiu 9,8%.

“Estamos a comunicar um muito bom desempenho da totalidade do ano”, começa por dizer uma declaração do CEO do grupo, Willie Walsh em declaração publicada no comunicado a divulgar os resultados, destacando que sem não recorrentes, que ascenderam a -288 milhões de euros (-51 milhões em 2016), o lucro operacional ultrapassou os três mil milhões de euros, cifrando-se em 3.015 milhões (2.535 milhões em 2016).

O grupo revelou que a sua companhia que a British Airways foi a sua companhia que teve o mais forte aumento de proveitos, com uma subida em 7,2%, para 12.269 milhões de libras, seguida pela Iberia, com +5,8%, para 4.851 milhões de euros, Aer Lingus, com +5,3%, para 1.859 milhões de euros, e, finalmente, Vueling, com +2,9%, para 2.125 milhões de euros.

A Vueling, que registara uma crise na época alta de 2016, foi a que teve a melhor variação da margem operacional, com uma subida de seis pontos percentuais, mas manteve-se ainda assim nos 8,9%, apenas melhor que os 7,7% da Iberia (+1,8 pontos que em 2016), mas distante da Aer Lingus, com 14,5% (+1,3 pontos), e da British Airways, com 14,3% (+1,4 pontos).

A informação indica que as companhias do IAG tiveram em 2017 uma quebra em 2,1% do yield (preço médio que cada passageiro pagou por quilómetro voado), mas com uma subida da taxa média de ocupação dos voos em um ponto, para 82,6%, a receita média de passageiros por lugar voado um quilómetro (receita unitária) baixou apenas 1%.

Essa descida, no entanto, foi menor que a redução dos custos por lugar voado um quilómetro, que baixaram 2,9%, com -7,8% na componente combustíveis e -1,3% nos restantes custos.

Este desempenho é p que justifica a subida do resultado operacional em 9,8% (+18,9% excluindo os não recorrentes) e do lucro líquido em 3,5% (+12,7% sem não recorrentes), ainda que os custos não operacionais tenham disparado 91,8%.

O balanço indica também que o total de custos operacionais baixou 126 milhões de euros, ainda que as companhias do grupo tenham aumentado a sua operação (medida em ASK, do inglês para lugares x quilómetros voados) em 2,6% e tenham registado um crescimento do tráfego (medido em RPK, do inglês para passageiros x quilómetros voados) em 3,8%, com um total de passageiros embarcados em alta de 4,1%, para 104,8 milhões.

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Novo A321 Long Range da TAP está pronto para chegar a Telavive e Nova Iorque

24-05-2019 (17h43)

A TAP anunciou que o seu novo avião A321 Long Range, que já está a voar para destinos europeus, também já está registado para operar as rotas da companhia para Telavive, em Israel, e Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Azores Airlines vai manter voos directos entre a ilha Terceira e Toronto no Inverno

23-05-2019 (16h54)

Os voos directos entre a ilha Terceira e Toronto (Canadá), operados pela companhia aérea açoriana Azores Airlines, do grupo SATA, vão estender-se ao Inverno 2019/2020, anunciou hoje o Governo Regional dos Açores.

Delta acredita estar “no bom caminho e com sucesso” em Portugal, director regional de Vendas

23-05-2019 (15h28)

“Não olhamos para o desempenho da concorrência. Estamos no bom caminho e com sucesso”, disse o director regional de Vendas para o Sul da Europa da Delta Airlines, Frederic Schenk, a propósito da concorrência com a TAP nas ligações entre Portugal e a América do Norte.

Senado brasileiro aprova medida que retira limite ao investimento estrangeiro nas companhias aéreas brasileiras

23-05-2019 (09h07)

O Senado brasileiro aprovou na quarta-feira uma medida provisória que autoriza o investimento de até 100% de capital estrangeiro nas companhias aéreas instaladas no país, noticiou a imprensa local.

TAP cresce menos que o mercado Espanha - Portugal e em Madrid até tem quebra

22-05-2019 (16h54)

A TAP, que no primeiro quadrimestre de 2018 foi a companhia de aviação de 42,2% dos passageiros que voaram entre Espanha e Portugal nesse período, este ano baixou para 37,5%, reflectindo a cessação de três rotas e uma quebra de 1,7% no Aeroporto de Madrid.

Noticias mais lidas