Grupo Lufthansa ‘enterra’ projecto “família WINGS”

26-06-2019 (17h35)

O Grupo Lufthansa, nº1 da Europa em tráfego transportado, assumiu esta semana a falência do projecto que há cinco anos apelidava de “família WINGS”, com base no modelo da low cost Germanwings, de que a ‘novidade’ era a aposta no longo curso low cost com a Eurowings.

Foi em Julho de 2014 que o então CEO do Grupo Lufthansa Carsten Spohr anunciou a “WINGS long-haul”, apresentada como uma companhia low-frills com uma nova marca, tendo por base a concepção que “as viagens privadas estão a crescer mais rapidamente que o segmento de viagens empresariais” (para ler mais clique: Grupo Lufthansa anuncia ‘revolução’ ‘sem’ alianças e com low cost intercontinental).

Mas esta semana o Grupo deu por findo esse projecto que segundo a imprensa internacional lhe estava a custar dois milhões de euros por dia.

Ainda não está totalmente claro o que tenciona fazer, a não ser que a Eurowings deixa o longo curso e ficará apenas com voos ponto a ponto de curto e médio cursos.

A maior indefinição é, porém, quanto à companhia de aviação belga Brussels, de que o grupo Lufthansa exerceu a opção de tomar a totalidade do capital em 2016, com a garantia de que manterá a marca, acrescentando a assinatura “Member of the Eurowings Group” (clique para ler: Lufthansa assume 100% da Brussels e integra-a no grupo Eurowings a partir de 2018).

O Grupo anunciou esta semana que apenas no terceiro trimestre apresentará novos planos para a Brussels, depois que ser membro da Eurowings deixou de ser opção.

Este desfecho para o que Carsten Spohr apelidava de “família WINGS” começou a ser a perspectiva mais plausível depois que em Abril o grupo Lufthansa indicou que para a subsidiária Eurowings perspectivava crescimento zero este ano, quando alguns meses antes ainda apontava para um aumento de capacidade de 2% (clique para ler: Lufthansa 'congela' expansão da Eurowings).

As medidas anunciadas passam também por reduzir de quatro a apenas um na Alemanha o número de Certificados de Operador Aéreo detidos pela Eurowings, bem como reduzir o número de aviões na sua frota, actualmente de 139, em 10% a 20%.

O objectivo anunciado pelo grupo é que o custo unitário (por lugar voado um quilómetro) da Eurowings caia de 6,6 cêntimos de euro em 2018 para 6,10 cêntimos este ano e 5,20 cêntimos em 2022.

 

Clique para mais notícias: Lufthansa

Clique para mais notícias: Eurowings

Clique para mais notícias: Brussels

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

América Latina proporciona 47,4% do crescimento de tráfego do IAG até Novembro

09-12-2019 (17h45)

As rotas da América Latina estão a ser de forma cada vez mais clara o ‘motor’ de crescimento do IAG, grupo que integra a British Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level, tendo valido até Novembro 47,4% do crescimento de tráfego na totalidade das operações.

Companhias do IAG transportaram até Novembro mais 4,88 milhões de passageiros

09-12-2019 (17h29)

As companhias do IAG, grupo que integra a Brisith Airways, a Iberia, a Vueling, a Aer Lingus e a Level transportaram até 30 de Novembro 109,5 milhões de passageiros, com aumento em 4,7% ou 4,88 milhões relativamente ao período homólogo de 2018.

Scott Kirby substitui Oscar Muñoz como CEO da United

09-12-2019 (12h59)

A companhia de aviação norte-americana United Airlines anunciou que o seu CEO, Oscar Muñoz, vai passar a ser chairman executivo do Conselho de Administração, enquanto Scott Kirby, presidente, foi nomeado CEO.

TAP já ultrapassou o total de passageiros do ano de 2018

06-12-2019 (15h53)

A TAP transportou 15,8 milhões de passageiros entre Janeiro e final de Novembro deste ano, igualando assim o total de 2018, ano em que crescera 10,4% ou 1,5 milhões de passageiros.

TAP cresce 15,7% em Novembro e melhora ocupação dos voos em 2,1 pontos

06-12-2019 (15h50)

A TAP informou hoje que em Novembro, um dos meses mais fracos para as companhias de aviação do hemisfério Norte, teve um crescimento do tráfego medido em passageiros x quilómetros voados (RPK, na sigla do inglês) em 15,7%, conseguindo assim uma melhoria da taxa de ocupação dos voos em 2,1 pontos, mesmo tendo feito um aumento de capacidade em 12,5%.

Noticias mais lidas