Grupo LATAM só cresce em voos internacionais

14-06-2017 (16h22)

Foto: Airbus/A. Doumenjou/master films
Foto: Airbus/A. Doumenjou/master films

O grupo LATAM, formado pela integração da brasileira TAM na chilena LAN, cresceu uns ‘magros’ 0,9% em Maio, pelo aumento em 4,4% da procura em voos internacionais, porque em voos domésticos a tendência foi de novo de queda, de 3,3% nos mercados de língua espanhola (Argentina Chile, Colômbia, Equador e Peru) e de 4,4% no Brasil.

E em número de passageiros embarcados, que relativamente à contabilização em RPK (passageiros x quilómetros voados) dá mais preponderância às linhas domésticas, que normalmente têm etapas médias menores, o balanço de Maio foi uma queda em 3%, significando uma quebra de 158 mil, pela quebra de 230 mil em voos domésticos, com menos 95 mil nos países de língua espanhola (-5,3%, para 1,682 milhões) e menos 135 mil no Brasil (-5,8%, para 2,166 milhões).

Os voos internacionais, por sua vez, tiveram +6% de passageiros, significando um aumento em 71 mil, para 1,261 milhões.

Os dados divulgados hoje pelo LATAM mostram que o ‘magro’ crescimento do tráfego em RPK em 0,9% foi insuficiente para acompanhar o também ‘magro’ aumento de capacidade (+1%), levando a um decréscimo da taxa média de ocupação dos voos pela margem mínima, em 0,1 pontos, para 83%, com -0,9 pontos nos países de língua espanhola, para 78,3%, -3,2 pontos no Brasil, para 78,1%, e +1,5 pontos nos voos internacionais, que alcançaram 86,6%.

Ainda assim, no conjunto dos primeiros cinco meses o grupo está com melhor taxa de ocupação média que há um ano, com 84,2%, +0,5 pontos, pelo aumento em 1,6 pontos nos voos internacionais, para 86,7%, enquanto nos domésticos regista quedas de 0,8 pontos nos países de língua espanhola, para 81,1%, e de 1,2 pontos no Brasil, para 81%.

Neste período, o LATAM soma 26,86 milhões de passageiros, em queda de 2,2% ou 600 mil, pela quebra de 1,07 milhões em voos domésticos (-6,7% ou menos 820 mil no Brasil e -2,8% ou menos 256 mil nos países de língua espanhola).

Os voos internacionais, pelo contrário, estão com um aumento em 7,7% ou 475 mil, para 6,628 milhões.

 

Clique para mais notícias: LATAM

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP foi a companhia estrangeira líder em passageiros de/para o Brasil em 2017

14-11-2018 (17h11)

A TAP foi a 3ª maior companhia em passageiros de voos internacionais de/para o Brasil e a primeira entre as estrangeiras, suplantando a maior companhia de aviação do mundo, a American Ailines, dos Estados Unidos, de acordo com o Anuário publicado pela ANAC, autoridade aeronáutica brasileira.

Presidente da TAAG está seguro que fluxo de passageiros entre Portugal e Angola vai aumentar

14-11-2018 (16h46)

Com o ‘desanuviamento' das relações entre Portugal e Angola, "não tenho dúvida nenhuma de que vai haver aumento de fluxo de passageiros entre Luanda e Lisboa", afirmou ao PressTUR o presidente da companhia de aviação angolana TAAG, Rui Carreira.

TAAG quer abrir capital ao investimento privado, mas “não total” – presidente

14-11-2018 (16h42)

A TAAG deixou de ser uma empresa pública para ser uma sociedade comercial e o próximo passo será a abertura de parte do capital ao investimento privado, mas "não total", uma vez que se trata de "uma empresa estratégica para o Estado angolano", de acordo com o presidente da transportadora, Rui Carreira.

Porto – Luanda “continua a ser para nós um bom voo”, mesmo com quebra de passageiros – TAAG

14-11-2018 (16h40)

O tráfego aéreo de passageiros entre Porto e Luanda está com uma quebra de 8,7% até Outubro, mas não é por isso que deixa de ser "um bom voo", garantiu ao PressTUR o presidente do Conselho de Administração da TAAG, Rui Carreira, assegurando que a rota é para manter com a mesma frequência de voos.

Lisboa – Luanda é “estável durante o ano todo” – TAAG

14-11-2018 (16h38)

As taxas de ocupação dos voos geralmente são afectadas por sazonalidades, mas a ligação Lisboa - Luanda, de acordo com o presidente do Conselho de Administração da TAAG, Rui Carreira, "tem sido estável durante o ano todo", o que "é muito bom".