Expansão internacional penaliza ocupação média da Azul em Outubro

07-11-2018 (14h50)

Foto: ANA Aeroportos
Foto: ANA Aeroportos

A Azul, companhia de aviação brasileira fundada e presidida por David Neeleman, também accionista de referência da TAP, indicou que alcançou em Outubro um crescimento médio do tráfego de passageiros em 16,6%, mas ainda assim teve uma ligeira descida da taxa média de ocupação dos voos, que baixou 0,5 pontos, para 82,4%.

A causa foi a evolução nas operações internacionais, uma das quais a ligação Viracopos, Campinas - Lisboa, nas quais aumentou a capacidade em 24,1%, mas teve um crescimento do tráfego de apenas 16,4%, causando-lhe uma queda da taxa média de ocupação de 5,6 pontos, para 84,9%.

A compensar parcialmente esse decréscimo esteve um aumento de 0,7 pontos em voos domésticos, para 81,6%, nos quais teve um crescimento do tráfego em 15,7% face a um aumento de capacidade em 14,6%.

Citado na informação divulgada pela companhia sobre evolução do tráfego, o CEO John Rodgerson realçou o crescimento médio de tráfego no conjunto dos primeiros dez meses deste ano, em 16,7%, salientando que ocorreu “com crescimento na taxa de ocupação, que totalizou 82,1%”.

A sua interpretação desses dados é que evidenciam “uma demanda robusta”, ainda que, como também assinala “especialmente em voos domésticos”.

A companhia indicou que nos primeiros dez meses deste ano teve um aumento médio do tráfego em 16,9%, com +7,9% em voos domésticos e +52,4% em internacionais.

Ainda assim, e embora a Azul tenha dedicado 64,4% do seu aumento de capacidade nos primeiros dez meses do ano a rotas internacionais, estas representaram apenas 24,9% da capacidade e 26,3% do tráfego neste período.

O que, no entanto, também permitiu que tendo uma queda da taxa média de ocupação dos voos internacionais em 3,5 pontos, para 86,7%, a sua evolução global tenha sido um aumento em 0,2 pontos, para 82,1%, porque em voos domésticos, que representaram 75,1% da sua capacidade e 73,7% do seu tráfego total, teve uma subida de 0,5 pontos, para 80,6%.

John Rodgerson realça na mesma declaração que a Azul continua a ser “a companhia aérea mais pontual do Brasil e uma das top 5 do mundo, com uma taxa de pontualidade de 87,3%, de acordo com a FlightStats”.

 

Clique para mais notícias: Azul

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

LATAM volta a ter quebra da taxa de ocupação em Outubro

13-11-2018 (18h13)

As companhias do grupo LATAM, cuja subsidiária brasileira já está a voar entre São Paulo e Lisboa, tiveram em Outubro nova queda significativa da taxa de ocupação dos voos, desta feita em 4,4 pontos, para 82,5%, já que para um aumento de capacidade em 7% tiveram um crescimento do tráfego de apenas 1,5%.

Aeroporto de Lisboa melhora pontualidade em Outubro, mas sem sair dos 20 piores do mundo

13-11-2018 (18h06)

O Aeroporto de Lisboa voltou em Outubro a ter mais de metade das partidas a saírem até 15 minutos da hora marcada, mas por pequena margem, mantendo-se assim entre os 20 piores em 1.195 aeroportos de todo o mundo com dados publicados pela consultora OAG.

TAP alcança em Outubro melhor pontualidade desde Maio, mas ainda é a 5ª pior do ranking da OAG

13-11-2018 (18h05)

A TAP teve em Outubro 56,4% dos voos a chegarem até 15 minutos da hora marcada, que é o seu melhor registo desde Maio (58,1%), mas ainda assim o 5º pior do mês no ranking publicado pela consultora OAG e que inclui 153 companhias.

Pilotos da Air Nostrum convocam greve para o final do mês

13-11-2018 (17h53)

Os representantes do sindicato SEPLA na companhia de aviação Air Nostrum anunciaram que vão entrar em greve nos dias 23, 26 e 30 de Novembro, após uma reunião de mediação com a SIMA, que terminou sem acordo entre as partes.

A321neo LR da TAP terão uma das melhores executivas em aviões narrowbody no mercado transatlântico

13-11-2018 (16h46)

Com poltronas totalmente reclináveis (lie-flat beds), até ficarem na horizontal, a TAP vai ter um dos melhores produtos business no competitivo mercado de voos transatlânticos, de acordo com o portal especializado em aviação “AirlineGeeks”.