Embraer e Boeing aprovam acordo para criar nova empresa que absorve a brasileira

17-12-2018 (16h33)

Foto: Embraer
Foto: Embraer

As fabricantes de aeronaves brasileira Embraer e norte-americana Boeing anunciaram hoje que aprovaram os termos da parceria para criar uma nova empresa de aviação comercial, cuja execução depende de aprovação do Governo brasileiro.

"De acordo com a parceria proposta, a Boeing deterá 80% de participação na joint venture pelo valor de 4,2 mil milhões de dólares [3,7 mil milhões de euros]. A expectativa é que a parceria não terá impacto no lucro por acção da Boeing em 2020, passando a ter impacto positivo nos anos seguintes", diz um comunicado conjunto da Embraer e da Boeing divulgado para investidores.

As duas empresas informaram que a joint venture criada para a fabricação de aviões comerciais, que deve absorver toda a operação actual da Embraer voltada para este segmento incluindo a fábrica localizada na cidade portuguesa de Évora, deve gerar sinergias anuais de cerca de 150 milhões de dólares [132,2 milhões de euros] - antes de impostos - até o terceiro ano de operação (ver também: Fábrica da Embraer em Évora deve passar para nova empresa anunciada com a Boeing).

"Após concluída a transação, a joint venture da aviação comercial será liderada por uma equipa de executivos sediada no Brasil, incluindo um presidente e CEO. A Boeing terá o controlo operacional e de gestão da nova empresa", acrescentou o comunicado.

Além disso, a Embraer terá poder de decisão para alguns temas estratégicos, como a transferência das operações do Brasil.

O acordo foi divulgado uma semana depois de o Tribunal Regional Federal da 3ª região (TRF3) do Brasil ter revogado uma decisão provisória que impedia a negociação (clique para ler: Tribunal brasileiro reabre caminho para acordo entre Boeing e Embraer).

A Embraer foi privatizada em 1994, mas o Governo brasileiro detém uma acção especial chamada "golden share" que permite vetar quaisquer negócios firmados pela empresa.

O Presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, já se manifestou publicamente a favor do acordo que vem sendo discutido há meses pelas duas empresas.

Se as autoridades do poder executivo do Brasil aprovarem o acordo, este será submetido aos accionistas e às autoridades reguladoras, "bem como a outras condições pertinentes à conclusão de uma transacção deste tipo", destacou o comunicado.

"A Boeing e a Embraer possuem um relacionamento estreito graças a mais de duas décadas de colaboração. O respeito mútuo e o valor que enxergamos nesta parceria só aumentou desde que iniciamos discussões conjuntas no começo deste ano", disse Dennis Muilenburg, presidente, chairman e CEO da Boeing.

"Estamos confiantes que esta parceria será de grande valor para o Brasil e para a indústria aeroespacial brasileira como um todo. Esta aliança fortalecerá ambas as empresas no mercado global e está alinhada à nossa estratégia de crescimento sustentável de longo prazo", acrescentou Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente e CEO da Embraer.

As empresas informaram também que chegaram a um acordo sobre os termos de uma segunda joint venture para promover e desenvolver novos mercados para o avião militar KC-390.

A parceria proposta indica que a Embraer poderá deter 51% de participação desta joint venture e a Boeing os 49% restantes. Esta transacção também está sujeita à aprovação do Governo brasileiro.

A expectativa da Embraer e da Boeing é de que a negociação destes acordos, se seguirem o cronograma previsto, deve ser concluída até o final de 2019.

A Embraer mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

Em Portugal, no Parque de Indústria Aeronáutica de Évora funcionam duas fábricas da Embraer, sendo que a empresa também é acionista da OGMA (65%), em Alverca.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Embraer

Clique para ver mais: Boeing

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP: A330-900neo vão reforçar ligação Lisboa-São Paulo

25-03-2019 (18h03)

O mais recente Airbus A330-900neo da TAP, o quinto da companhia portuguesa, já voou para São Paulo à saída de Lisboa, uma ligação que vai ser reforçada com este modelo.

Programa de Interline da APG Portugal já conta com a Hong Kong Express Airways

25-03-2019 (17h30)

A Hong Kong Express Airways, companhia low cost com base no Aeroporto Internacional de Hong Kong, passou a fazer parte do programa de emissão de bilhetes interline da APG Portugal, que actualmente conta com 82 companhias.

Voos para Lisboa representam “um marco na nossa expansão europeia”, CEO da Qatar Airways

25-03-2019 (14h44)

“Esta nova ligação representa um marco na nossa expansão europeia”, afirmou o CEO da Qatar Airways, Akbar Al Baker, citado num comunicado sobre os novos voos entre Doha e Lisboa que a companhia aérea fará a partir de 24 de Junho.

Primeira Conferência Ministerial sobre Transporte Aéreo e Turismo em África decorre na Ilha do Sal

25-03-2019 (12h45)

A Ilha do Sal, do Arquipélago de Cabo Verde, vai receber a I Conferência Ministerial sobre o Transporte Aéreo e o Turismo em África entre 27 e 29 de Março, que vai contar com a presença de ministros do turismo e transporte aéreo de 54 países africanos.

Hangar da Hi Fly em Beja deverá começar a funcionar no 4º trimestre de 2020

25-03-2019 (12h03)

A Mesa, do grupo Hi Fly, já começou a construir o hangar para manutenção de aviões no aeroporto de Beja, que prevê ter a funcionar no 4º trimestre de 2020, revelou hoje Paulo Mirpuri, presidente do grupo.